Assaí (ASAI3): JPMorgan eleva ação para compra com recuperação da inflação alimentar

Os analistas veem o Assaí mostrando melhores resultados operacionais apoiados em iniciativas de maturação e eficiência de lojas, além de vendas mesmas lojas maiores em relação ao Atacadão, do Carrefour Brasil, no curto prazo

Reuters

Uma das unidades do Assaí (Divulgação)
Uma das unidades do Assaí (Divulgação)

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – Analistas do JPMorgan elevaram a recomendação das ações do Assaí (ASAI3) para “overweight” (exposição acima da média do mercado, equivalente à compra) ante “neutra”, enquanto reiteraram recomendação “neutra” para os papéis do Carrefour Brasil (CRFB3), em relatório a clientes nesta terça-feira sobre o setor brasileiro de atacarejo (cash & carry) assinado por Joseph Giordano e equipe.

“A nossa ferramenta de precificação exclusiva mostra que os grupos têm repassado os preços aos consumidores finais, acompanhando o índice de preços ao consumidor (IPC) dos alimentos – até meados de abril -, embora a inflação dos alimentos provavelmente se torne mais favorável a maiores ganhos de margem apenas no segundo semestre de 2024.”

Os analistas veem o Assaí mostrando melhores resultados operacionais apoiados em iniciativas de maturação e eficiência de lojas, além de vendas mesmas lojas maiores em relação ao Atacadão, do Carrefour Brasil, no curto prazo.

Continua depois da publicidade

Também citam tendência de desalavancagem mais rápida do que o esperado – embora ainda em níveis elevados -, reduzindo parcialmente o risco do plano de expansão de curto prazo. Nesse contexto, os analistas elevaram o preço-alvo dos papéis do Assaí de R$ 15 para R$ 17,50, o que representa um potencial de valorização de 29% frente à cotação de fechamento da segunda-feira, de R$ 13,56.

Quanto ao Carrefour Brasil, a equipe do JPMorgan destacou que a aceleração da inflação alimentar também deverá favorecer o Atacadão (cerca de 75% do Ebtida do grupo), mas o nível de ruído deverá permanecer elevado devido ao fechamento/conversão de lojas, com visibilidade limitada sobre tendências recorrentes e níveis de margem de médio prazo. O preço-alvo para as ações do Carrefour Brasil passou de R$ 12,50 para R$ 13. Na véspera, fecharam a R$ 11,23.