Suspensão

Arábia Saudita suspende redução do prazo de validade de cortes de frango, informa BRF; analistas veem notícia como positiva

Na avaliação do Bradesco BBI, a suspensão dessa medida é marginalmente positiva para a BRF

Por  Equipe InfoMoney -

A autoridade sanitária da Arábia Saudita (SFDA, na sigla em inglês) decidiu suspender a implementação da medida que determinava a redução do prazo de validade de frangos in natura congelados e seus cortes, de um ano para 3 meses, contados da data de abate, informou a companhia de alimentos BRF (BRFS3).

Segundo comunicado divulgado nesta terça-feira, os sauditas também optaram por retirar notificação sobre o tema junto à Organização Mundial do Comércio (OMC).

Quando a medida foi anunciada, em meados de maio, a BRF chegou a afirmar que a nova regra poderia afetar as vendas da empresa.

Maior processadora de frango do Brasil, a companhia produz a proteína no mercado saudita por meio de parcerias com empresas locais e também exporta produtos brasileiros para o país árabe.

Na avaliação do Bradesco BBI, a suspensão dessa medida é marginalmente positiva para a BRF, para quem eles possuem recomendação neutra e preço-alvo de R$ 32 por ação, uma vez que a medida anunciada anteriormente poderia ser um desafio para as exportações brasileiras de frango (dado o tempo necessário para processar e embarcar o frango do Brasil para a Arábia Saudita).

Os analistas estimam que a Arábia Saudita responda por 12% do volume total de exportação de frango do Brasil e o país represente 7% da receita consolidada da BRF.

A Guide também destaca que a suspensão da medida é positiva para as vendas da BRF. “O Oriente Médio é um importante mercado para a companhia, com destaque ao segmento Halal DDP, que teve significativa contribuição no resultado do segundo trimestre, em virtude da forte recuperação do preço dos produtos vendidos na região. A BRF havia anunciado neste ano a aquisição da Joody Al Sharqiya Food Production Factory, em Dammam, na Arábia Saudita, em virtude da importância estratégica daquele país para a empresa brasileira, contando com a intenção de aumentar consideravelmente a capacidade produtiva da fábrica”, aponta o analista Luís Sales.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) disse em nota que a decisão dos sauditas acolheu argumentos de nações exportadoras, inclusive do Brasil, e de stakeholders locais.

“A acolhida da decisão restabelece os processos de nossas tratativas com o fundamental mercado da Arábia Saudita sob os critérios que norteiam o comércio internacional de alimentos”, afirmou o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“É uma notícia importante para os exportadores brasileiros, que tem uma sólida e longa relação com este mercado.”

(com Reuters)

Quer atingir de uma vez por todas a consistência na Bolsa? Assista de graça ao workshop “Os 4 Segredos do Trader Faixa Preta” com Ariane Campolim.

Compartilhe