Após controvérsias, Elon Musk afirma que comprou Twitter (TWTR34)

Notícia de aquisição da rede social por bilionário vem mais de seis meses depois da primeira oferta

Equipe InfoMoney

Publicidade

O bilionário Elon Musk afirmou na manhã desta quinta-feira (27) que finalizou a compra do Twitter (TWTR34) em postagem na qual se direcionou aos “anunciantes” da rede social.

O anúncio do dono da Tesla, e possivelmente agora também da rede social, vem um dia antes do prazo final para o fechamento do acordo. O Twitter até então não se manifestou.

“Houve muitas especulações sobre o porque de eu ter comprado o Twitter e o que eu penso sobre publicidade. A maioria delas estavam erradas”, diz o bilionário na carta. “A razão pela qual eu adquiri o Twitter é porque é importante para o futuro da civilização ter uma ‘praça comum digital’, onde uma ampla gama de crenças pode ser debatida de forma saudável, sem recorrer à violência”.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo Musk, ainda na postagem, há atualmente um “grande perigo que redes sociais se fragmentem em câmeras da extrema direita e extrema esquerda”.

Hoje mais cedo, havia sido noticiado que bancos começaram a enviar US$ 13 bilhões para que o bilionário finalizasse a aquisição do Twitter. Já na terça-feira, a Reuters havia informado que investidores em ações, como a Binance e a Qatar Investment Authority, receberam as documentações que detalhavam sobre o compromisso financeiro do financiamento de Musk.

A compra deve ser fechada pelo preço inicial – de US$ 54,20 por ação e totalizando uma transação de US$ 44 bilhões. A movimentação, contudo, foi conturbada. A primeira oferta de Musk pela compra do Twitter foi feita em abril deste ano.

Continua depois da publicidade

Elon Musk, após a primeira oferta, defendeu que o Twitter mentiu sobre a quantidade de contas falsas presentes na plataforma, o que, segundo ele, impactava o preço justo a ser pago pela rede social.

Ele chegou a tentar retirar a oferta usando isso como argumento, mas o Twitter recorreu e o caso foi parar nos tribunais. Há cerca de um mês, o bilionário voltou atrás e apontou que tentaria fechar novamente a compra – mas houve quem defendeu que ele assim o fez apenas para evitar a humilhação de ser obrigado a comprar a empresa pela Justiça.