Em mercados / analise-tecnica

Medo do Carnaval pode levar Ibovespa aos 78.000 pontos e uma blue chip que começa a sinalizar compra

A projeção é do analista técnico Gilberto Coelho, que, no último Visão Técnica, antecipou uma forte correção do Ibovespa

Gilberto Coelho
(InfoMoneyTV)

SÃO PAULO - Depois de antecipar uma forte correção do mercado para a faixa dos 81.500/82.000 pontos no programa "Visão Técnica" da última sexta-feira (confira aqui), o analista técnico Gilberto Coelho, conhecido no mercado como Giba, da XP Investimentos, acredita que a realização pode ter chegado ao fim, mas medo com a pausa do Carnaval pode abrir caminho para mais quedas. 

"Após corrigir para a Média Móvel de 21 períodos, o índice já poderia parar de cair, mas se estressar mais um pouco com temor do feriado do Carnaval há espaço para testar o suporte dos 78.000 pontos", comentou Giba. 

Isso por que na próxima segunda e terça-feira a B3 não irá funcionar, reabrindo apenas na Quarta-feira de Cinzas (14) às 13h (horário de Brasília). Durante todo esse período, contudo, as bolsas americanas, que desencadearam nos últimos dias o modo de alerta nos mercados globais, funcionarão normalmente. Ou seja, qualquer notícia nesse intervalo só será digerida no Brasil na metade da semana que vem, podendo trazer uma volatilidade extra na volta dos negócios. 

Quer aprender a operar com a metodologia do Giba? Clique aqui e conheça o curso do melhor analista do Brasil. 

E como ficam as blue chips?
Entre as blue chips, que ele apontava no programa que poderiam puxar essa queda do mercado, a que mais indica  uma possível reversão é a CSN (CSNA3), que depois de cair forte poderia encontrar um suporte entre R$ 9,70 e R$ 9,20, patamar que já daria para pensar em compras. As demais siderúrgicas Gerdau (GGBR4) e Usiminas (USIM5) têm suportes próximos, nos R$ 13,40 e R$ 10,60, respectivamente, mas que, se perdidos, projetariam quedas até os R$ 12,20 e R$ 9,65.

Já a Petrobras (PETR4), mesmo após encontrar a MM de 21 períodos, pode mostrar uma correção mais acentuada até os R$ 17,50 em caso de continuidade do estresse dos mercados. Nesse cenário, o papel poderia cair mais 6% frente ao patamar atual. Enquanto isso, a Vale (VALE3) segurou o sell-off do mercado com a alta do minério, mas ainda tem espaço para realizar até os R$ 38,00. 

 

Contato