Americanas (AMER3) fecha acordo com credores para capitalização de R$ 24 bilhões

Além dos credores que já assinaram o PSA, outros também manifestaram interesse em apoiar o plano e estão conduzindo procedimentos internos

Equipe InfoMoney

Fachada da Americanas (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Publicidade

A Americanas (AMER3) anunciou nesta segunda-feira (27) a conclusão do acordo entre seus principais credores financeiros para apoio à aprovação do Plano de Recuperação Judicial (PRJ) na Assembleia Geral de Credores (AGC), convocada para 19 de dezembro pelo juízo da recuperação judicial.

O PSA (Plan Support Agreement) prevê a capitalização de R$ 24 bilhões, sendo R$ 12 bilhões pelos acionistas de referência – Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira – e outros R$ 12 bilhões em conversão de dívida concursal por parte dos credores.

O acordo foi aceito por titulares de mais de 35% da dívida da companhia, excluídos os créditos intercompany (credores apoiadores). Segundo apurou o InfoMoney, Bradesco, Santander, Itaú e BTG, os quatro maiores credores da companhia, fecharam o acordo. O Safra, instituição que possui o quinto maior crédito a receber da varejista, ficou de fora.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A rede varejista afirma que outros credores que participam das negociações indicaram interesse, de forma não-vinculante, em apoiar o plano, e que conduzem processos internos de aprovação para entrar no acordo assinado hoje.

A Americanas acredita que terá a adesão de mais de 50% dos credores ao PSA até a realização da AGC.

“Este acordo é um marco importante de nosso processo de Recuperação Judicial e um significativo progresso da Americanas no caminho para a nossa meta de emergir como uma empresa mais forte, mais competitiva, preservando a importante atividade econômica que representa e os milhares de empregos diretos e indiretos gerados em todo o país”, comentou Leonardo Coelho, CEO da Americanas, em nota ao mercado.

Continua depois da publicidade

“O aditamento ao PRJ foi divulgado nesta segunda-feira apresenta evolução de alguns dos termos do Plano divulgado em março. Entre eles está a priorização do pagamento de credores que aceitem receber até R$ 12 mil à vista em cota única, logo após a aprovação do Plano, além de alternativas especiais para os credores fornecedores da Classe 3. Além disso, serão reservados R$ 8,7 bilhões para pagamento de credores financeiros, através de leilão reverso (R$ 2 bilhões) ou pagamento antecipado de créditos com desconto (R$ 6,7 bilhões)”, apontou a empresa em release.

O PSA firmado com os credores traz também como condição precedente que a Americanas obtenha, até a data da AGC, a aprovação do Conselho de Administração para que o PRJ aditado estipule o preço por ação da capitalização.

Caso sejam obtidas todas as aprovações necessárias, e, tendo em vista que, a cada três ações emitidas no aumento de capital será conferido um bônus de subscrição com preço de exercício a valor simbólico (R$ 0,01), o preço de emissão de cada ação corresponderá a 1,33 vez ao preço médio de mercado por volume negociado nos últimos 60 dias até a véspera da data da assembleia.

Nesta negociação com os credores, a Americanas conseguiu assegurar, ainda, uma linha de fianças bancárias no valor de R$ 1,5 bilhão, disponível por dois anos após a homologação do Plano ou enquanto a Companhia estiver em supervisão judicial.

Os credores financeiros que oferecerem esse seguro fiança terão acesso prioritário a uma parcela de R$ 1,5 bilhão do pagamento antecipado dos R$ 6,7 bilhões previsto no PRJ. Após a execução do PRJ aditado, a dívida bruta prevista é de R$ 1,875 bilhão.

Cabe destacar que a Americanas divulgou em 16 de novembro as demonstrações financeiras de 2022 e apresentou seu Plano Estratégico de Negócios, com previsão de geração de lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) de mais de R$ 2,2 bilhões em 2025.

Os principais credores da Americanas incluem os credores BTG Pactual (BPAC11), Santander Brasil (SANB11) e Bradesco (BBDC4).

Os principais termos do Plano de Recuperação Judicial são:

• Pagamento nas condições originais para credores das Classes I e IV (trabalhistas e micro e pequenos empreendedores);

• Pagamento integral para credores com créditos de até R$ 12 mil e  a disponibilização de R$ 40 milhões para pagamento daqueles credores com créditos superiores a R$ 12 mil e que aceitarem R$ 12 mil, renunciando ao recebimento do valor excedente e dando quitação à Americanas pelo recebimento do valor integral de seus créditos;

• Condições diferenciadas de pagamento, incluindo pagamento integral em alguns casos, para os fornecedores;

• Aumento de capital da Americanas que viabilize a subscrição e integralização de novas ações (i) pelos acionistas de referência, no montante de R$ 12 bilhões, mediante aporte de recursos em dinheiro e capitalização de créditos relacionados aos financiamentos de caráter extraconcursal na modalidade debtor-in-possession (DIP) existentes na data da realização do aumento de capital e por parte dos credores, no montante de até R$ 12 bilhões, mediante a capitalização de créditos detidos contra a Companhia, ficando assegurado a todos os demais acionistas da companhia o direito de preferência (“Aumento de Capital”);

• No aumento de capital, para cada 3 ações emitidas, será conferido 1 bônus de subscrição como vantagem adicional, cujo preço de exercício será de R$ 0,01;

• Após a conclusão do aumento de capital, realização de assembleia geral de acionistas para deliberar sobre a eleição de nova chapa para compor o seu conselho de administração, cujo mandato será de 2 anos, sendo autorizada a recondução por igual período, conforme previsto no PSA e anexos;

• Destinação de até R$ 8,7 bilhões para pagamento de credores financeiros, através de leilão reverso (R$ 2 bilhões) ou pagamento antecipado de créditos com desconto (R$ 6,7 bilhões);

• Após a implementação das medidas de reestruturação previstas no PRJ, previsão de uma companhia reestruturada com até R$ 1,875 bilhão de dívida bruta e

• Os valores acima descritos serão atualizados conforme PRJ.

A Americanas afirma ainda que terá de obter até a data da Assembleia uma autorização societária para incluir no plano de recuperação a previsão de que as ações emitidas no aumento de capital tenham seu preço fixado de acordo com o preço médio de mercado ponderado pelo volume nos 60 dias correntes anteriores. A Americanas prevê que, se obtiver essa aprovação, o preço de emissão de cada papel será de 1,33 vez o preço médio nesse período.

Essa necessidade foi incluída no acordo por demanda dos credores. Se não for cumprida, de acordo com a varejista, o acordo pode ser extinto.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)