AO VIVO Rodrigo Furtado, da XP Asset, fala sobre uma oportunidade no mercado de ações

Rodrigo Furtado, da XP Asset, fala sobre uma oportunidade no mercado de ações

Novo parque

AES Tietê e Unipar vão investir R$ 1,29 bilhão em projeto de eólica

Para financiar a obra, a AES Tietê não descarta emitir debêntures de infraestrutura, disse a companhia

(Bloomberg) – A AES Tietê (TIET11) e a Unipar planejam investir R$ 1,29 bilhão no projeto de construção de um parque de geração de energia eólica na Bahia, disse a diretora financeira da AES, Clarissa Sadock.

Para financiar a obra, a AES Tietê não descarta emitir debêntures de infraestrutura, disse ela. Do total, R$ 620 milhões do investimento serão divididos igualmente entre as duas empresas sócias na joint venture e R$ 670 milhões serão investidos pela AES Tietê, disse Clarissa, acrescentando que a companhia já entrou com pedido de crédito junto ao BNB e ao BNDES.

“A pandemia não atrapalhou a liquidez das debêntures de infraestrutura”, disse.

PUBLICIDADE

As empresas confirmaram a criação da joint venture no dia 3 de setembro, para a construção do projeto nos municípios de Tucano, Biritinga e Araci, com início previsto para 2021. O plano é ter 155 megawatts (MW) de capacidade elétrica instalada, com 60 MW já comercializados com a própria Unipar por meio de um contrato de 20 anos, que entrará em vigor a partir de 2023, segundo a AES.

A AES Tietê planeja produzir energia usando somente fontes 100% renováveis e, por isso, não descarta adquirir mais ativos de energia solar e eólica, preferencialmente, disse o presidente Italo Freitas. No início de agosto, a companhia fechou a aquisição de 3 parques eólicos da J. Malucelli por R$ 650 milhões.

“Essa é uma estratégia mundial da AES Corp e o Brasil, com uma matriz energética com mais de 80% de hidrelétrica, e com penetração muito grande de eólica e solar, cria todas as condições para uma empresa ser 100% renovável”, disse Freitas, acrescentando que os clientes também têm demandado o mesmo.

“No mercado livre de energia, não basta preço, é preciso também ser renovável”, disse ele.

A AES Tietê paga 100% do resultado em dividendos há mais de 10 anos e pretende manter essa prática, apesar da crise econômica com o coronavírus, disse a diretora financeira. O capex previsto para o período 2020-2024, de R$ 1,4 bilhão, também será mantido, disse Clarissa, acrescentando que não há necessidade imediata de captação de recursos.

“Nossa situação financeira é confortável. Os R$ 500 milhões de capital de giro tomados junto a bancos para reforço de caixa no início da pandemia não foram usados”, disse.

PUBLICIDADE

A AES tem planos de migrar para o segmento de maior governança corporativa, o chamado Novo Mercado da B3, no início de 2021. O aumento da participação da matriz AES Corp para 43% no capital total trouxe mais “conforto” para a troca de ações, disse Clarissa. A troca, segundo ela, deverá se dar na proporção de 1 PN por 1 ON. O BNDES ainda tem 9,9% da companhia, disse Clarissa.

 

Curso gratuito: aprenda a fazer das opções uma fonte recorrente de ganhos, de forma responsável e partindo do completo zero. Inscreva-se!