Em mercados / acoes-e-indices

Fim da negociação BRF-Marfrig não surpreende e analistas apontam futuro das empresas separadas

O mercado já havia começado a precificar com uma probabilidade maior de que a fusão não iria ocorrer

carne

SÃO PAULO - Se, há 40 dias, a notícia de negociação para a fusão entre a BRF (BRFS3) e a Marfrig (MRFG3) pegou analistas e investidores de surpresa, o cancelamento da operação anunciado na noite da véspera não foi tão surpreendente assim. 

O mercado já havia começado a precificar com uma probabilidade maior de que a fusão não iria ocorrer.  

Em maio, Antônio Barreto, analista de bebidas e agronegócio do Itaú BBA, havia apontado que o negócio não deveria trazer sinergias relevantes, além dos ganhos administrativos e operacionais de praxe.

A combinação dos dois negócios criaria uma gigante global de carnes, com receita de R$ 76 bilhões. Pelo acordo, a BRF ficaria com 85% da companhia que seria criada a partir da fusão, enquanto a Marfrig seria dona de uma fatia de 15%.

Porém, do ponto de vista da redução do endividamento da BRF, haveria outras alternativas, segundo Barreto. O mercado já esperava que, com a gripe suína na China, os resultados da BRF melhorassem de forma sensível ao longo de 2020 e 2021. Tanto que esse fator já tinha começado a aparecer nas ações da empresa, que subiram cerca de 50% nos últimos seis meses.

Vale destacar que as ações da BRF tiveram um desempenho inferior ao Ibovespa em 4 pontos percentuais na sessão do dia 31 de maio, após o anúncio do potencial acordo, mas superou o índice em 9 pontos percentuais desde então.

Por outro lado, a Marfrig superou o Ibovespa em 1 ponto percentual no ??dia seguinte ao anúncio, mas teve um desempenho abaixo do índice em 8 pontos percentuais desde então.

Boa parte do mercado já havia previsto que a fusão poderia não ser concluída em meio às dificuldades já evidenciadas para chegar a um acordo sobre governança corporativa e estrutura de gestão entre os acionistas. 

A falta de consenso sobre governança pode ter sido gerada pelo anúncio prematuro da fusão, que teria sido realizado antes de as empresas amadurecerem o tema, segundo destacou fonte ouvida pelo Estadão. 

A dificuldade em definir claramente os papéis dos executivos da BRF e da Marfrig na nova companhia também pesou desfavoravelmente. "Havia muitas dificuldades", definiu essa fonte.

Conforme destaca o Bradesco BBI, não estava claro se a estrutura de controle difusa (de corporação) da BRF prevaleceria, uma vez que a Marfrig tem um acionista controlador, o que seria fundamental para os minoritários da BRF aprovarem o acordo.

Os fundos de pensão - Petros (da Petrobras) e Previ (do Banco do Brasil), que são sócios relevantes na BRF, não viam a união com bons olhos. Já na Marfrig, haveria dúvidas se a fusão seria positiva para o empresário Marcos Molina, que ficaria sem poder no novo negócio.

Contudo, avalia o Bradesco BBI, o fato da decisão de encerrar as discussões antes do período de exclusividade de 90 dias indica um bom alinhamento entre o conselho de administração e acionistas minoritários. 

Futuro separadas

Com a fase de negociações superada, os investidores agora se voltam para o futuro das duas companhias com suas negociações separadas. 

A BRF deve voltar seu foco à simplificação de suas operações e, com isso, recuperar a sua rentabilidade. Porém, a alavancagem segue em patamares bastante elevados. Enquanto isso, a Marfrig deve voltar a carga para a internacionalização de sua plataforma global de carnes. 

A XP Research mantém recomendação de compra para Marfrig, que ainda negocia a desconto e pode se beneficiar do ciclo positivo para proteínas. 

Já a recomendação é neutra para a BRF. "Na nossa visão, a peste suína africana pode ser benéfica para a geração de caixa da empresa e ajudar na desalavancagem mas preferimos nos posicionar nesse tema via JBS que já vem entregando resultados, múltiplos de 2020 ainda estão descontados e tem sido vocal com potencial IPO nos EUA, que destravaria valor adicional", afirma a equipe de análise da XP.

Enquanto isso, o Bradesco BBI segue com a BRF como a top pick do setor, com recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado). 

Contudo, vale destacar, "apesar do término das tratativas para a combinação de seus negócios, o relacionamento comercial entre a companhia (BRF) e a Marfrig permanecerá e não haverá quaisquer modificações nas práticas, condições e termos previstos em contratos por elas celebrados", informou a dona de Sadia e Perdigão, em fato relevante. Hoje, a Marfrig fornece carne bovina à BRF para produção de hambúrgueres, por exemplo.

Assim, o fim dessa negociação pode não ser o ponto final em uma eventual parceria entre as duas empresas. De acordo com uma fonte ligada às negociações ouvida pelo Estadão, BRF e Marfrig poderão retomar as conversas, em outros termos.

Desta forma, os analistas de mercado devem seguir bem de olho nos próximos passos das duas companhias do setor. 

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações

 

Contato