Em mercados / acoes-e-indices

XP rebaixa ação da CSN após disparada em 2019 e aponta Vale e Gerdau como preferidas no setor

Analista também iniciou cobertura para ações de Bradespar e Metalúrgica Gerdau, ambas com recomendação de compra

supernavio da Vale
(Agência Vale)

SÃO PAULO - A XP Research se junta a outras casas de análise e passou a ter mais cautela com a maior alta do Ibovespa em 2019. Em relatório assinado pela analista Betina Roxo, a XP reduziu a recomendação para as ações da CSN (CSNA3) de compra para neutro, com preço-alvo de R$ 19, o que corresponde a uma alta de 12% em relação ao fechamento de terça-feira (18). 

Os papéis CSNA3 tiveram forte alta de 91% em 2019 em meio aos fortes preços do minério de ferro e aos anúncios sobre as vendas de ativos, superando assim expressivamente seus pares. Desta forma, Betina reduziu a recomendação por já ver a ação negociando a patamares justos e apontou a preferência em Vale (VALE3) e Gerdau (GGBR4) para se posicionar no setor de minério e aço. 

Sobre os desinvestimentos da CSN, há outras vendas de ativos em andamento. Contudo, na avaliação da XP, podem levar algum tempo para se concretizarem, como a i) outra transação de pré-pagamento de
minério de ferro com a Glencore; ii) venda antecipada de minério de ferro, iii) venda de operação na Alemanha com um potencial de US$ 500 milhões e iv) o desinvestimento das ações da Usiminas, embora a preços não pareçam atraentes na visão da XP, de R$ 2,25 bilhões pelo valor de mercado atual. 

Betina também ressalta o cenário macroeconômico desafiador para o Brasil e, consequentemente, para a demanda de aço, o que levou à revisão nas projeções.

A analista aponta que CSN e a Usiminas anunciaram um aumento de 10% nos preços dos aços planos para a distribuição em abril que foi parcialmente implementado, além de outro em junho que, contudo, deve ser difícil de implementar (apesar do desconto de 3% em relação ao aço importado). Com isso, a recomendação para os ativos USIM5 segue neutra, com preço-alvo de R$ 9 (ou alta de 3% frente o fechamento de terça).

Para operar nesse ambiente, a XP Research aponta as ações da Vale  e da Gerdau como preferidas.  "Na Gerdau, embora a demanda também seja lenta para aços longos, as ações encontram se em patamares atrativos", afirma a analista da XP, que vê potencial de alta de 36% para os papéis com o preço-alvo de R$ 20.

"Embora mais uma história de 2020, esperamos que os resultados
acelerem gradualmente", destaca Betina. A analista assume queda de volumes no Brasil em 2019, mas acredita que pode haver uma surpresa positivo no segundo semestre, além de uma possível aceleração em 2020.

Quer investir melhor seu dinheiro? Abra sua conta gratuita na XP 

Também a favor da companhia, a XP avalia que, em 2019, os lançamentos de imóveis em São Paulo subiram 37% de janeiro a março na comparação com 2018, o que seria um indicador importante para as vendas da Gerdau, cujo tipo de produto é direcionado para a construção. Já nos EUA, haveria uma manutenção nas margens. 

"Esperamos que a Gerdau atinja sua meta de dívida líquida/EBITDA de 1,4 vez até o final de 2019. Assim, vemos potencial para um aumento significativo no pagamento de dividendos nos próximos anos, com um potencial de 10 de rendimento em 2020", avalia Betina. 

Sobre a Vale, as estimativas foram atualizadas com manutenção do preço-alvo de R$ 68, ou um upside de 31% em relação ao fechamento da véspera. Os potenciais riscos para a companhia pós-Brumadinho estão sendo cada vez mais mitigados, aponta a XP, e isso deve gradualmente permitir que as ações sejam negociadas de volta com base nos fundamentos. 

"Após provisionar a maior parte do passivo com a tragédia de Brumadinho (US$ 4,5 bilhões), a Vale está focada em chegar a acordos com partes e autoridades afetadas até 2019 ou início de 2020", projeta a XP, destacando que o acordo colocaria um fim às incertezas operacionais e legais remanescentes. fazendo com que a empresa volte a se concentrar em seus negócios. 

Com a oferta de volta, uma correção nos preços do minério de ferro é provável após o recorde de US$ 110 a tonelada. Porém, a XP já assume, de maneira conservadora, uma cotação da commodity de US$ 85 a tonelada em 2019 e de US$ 75 a tonelada no ano que vem. Atualmente, as ações estão com um desconto entre 20% e 25% frente os seus pares e a expectativa é de uma convergência para 10% a 15%. 

A XP também iniciou cobertura para a holding da Vale, a Bradespar (BRAP4), e da Gerdau, a Metalúrgica Gerdau (GOAU4), ambas com recomendação de compra. 

Com relação à Bradespar, o preço-alvo é de R$ 48 por ativo, correspondente a um potencial de valorização de 45,5% frente o fechamento de terça-feira, com a analista avaliando que o papel é uma "compra de Vale com desconto". 

"O valor de mercado da Bradespar encontra-se 28% abaixo do valor que representa sua participação na Vale e na nossa opinião, deve diminuir para níveis históricos de 10% a 15%", diz a XP, listando três motivos. São eles: o fim do processo com a Elétron, alavancagem da Bradespar baixa e a potencial aceleração dos dividendos da Vale em 2020. 

Já sobre a Metalúrgica Gerdau, a XP avalia que o valor de mercado da holding encontra-se 26% do valor que representa sua participação na controlada. Para a analista, o desconto deveria diminuir para 10% devido a menor alavancagem e balanço mais enxuto e a potencial aceleração de dividendos. 

Quer investir melhor seu dinheiro? Abra sua conta gratuita na XP 

 

 

Contato