Em mercados / acoes-e-indices

Magazine Luiza e Carrefour fecham parceria, Petrobras perto de venda bilionária e mais destaques

Confira os destaques corporativos desta terça-feira (28)

CArrefour
(divulgação)

SÃO PAULO - No Radar InfoMoney desta terça-feira (28) destaque para as varejistas Magazine Luiza e Carrefour que fecharam parceria para venda de bens duráveis e Petrobras que avalia decisão do STF sobre a TAG. Confira esses e outros destaques corporativos desta terça-feira (28).

Magazine Luiza (MGLU3) e Carrefour (CRFB3)

O Magazine Luiza e o Carrefour anunciaram ontem à noite uma parceria com duração de seis meses para que a varejista opere a área de eletrodomésticos, produtos eletrônicos e similares dentro de duas lojas da rede de supermercados. Em comunicado ao mercado, as empresas explicam que o Magalu irá vender os itens das categorias de eletrodomésticos e outros eletrônicos, produtos, além de ser responsável, entre outras coisas, "pela estratégia comercial, disponibilidade de produtos, entrega e gestão das equipes destas categorias".

A varejista disse "tratar-se de um acordo limitado a duas lojas e por prazo específico, sendo que eventual ampliação da parceria poderá ser oportunamente avaliada e discutida". O projeto piloto começa na segunda quinzena de junho nos hipermercados do Carrefour do bairro do Limão e do Shopping Anália Franco, ambas as lojas na cidade de São Paulo. No Carrefour Limão, a loja terá a bandeira Magazine Luiza e no hipermercado Anália Franco a bandeira será Carrefour.

"A intenção é melhorar a experiência de compras do consumidor", afirma Stéphane Engelhard, vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Carrefour Brasil. Na França, Polônia e na China, o Carrefour já tem parcerias semelhantes com varejistas locais que são especialistas em eletroeletrônicos no modelo loja dentro da loja, "store in store".

Com a parceria, tanto o mix de produtos como o atendimento da venda de eletrodomésticos e eletrônicos no Carrefour serão ampliados e melhorados. As duas lojas experimentais serão gerenciadas pelo Magazine Luiza.

"Estamos fazendo um laboratório", diz Engelhard. Depois de seis meses, dependendo dos resultados, ele diz que esse modelo de negócio poderá ser ampliado para outras lojas de hipermercados da rede. O Carrefour tem hoje 100 hipermercados.

Petrobras (PETR3;PETR4)

O ministro do STF Edson Fachin suspendeu ontem a venda de 90% da Transportadora Associada de Gás (TAG) pela Petrobras. Fachin acolheu os argumentos de sindicatos de que a venda dos ativos precisa passar por licitação. Ele restabeleceu a decisão do Tribunal Federal da 5ª Região, que havia suspendido a venda em 05 de junho de 2018. O plenário do STF deverá julgar na quinta-feira (30), se mantém ou derruba a decisão de Fachin.

Em nota, a Petrobras afirmou que ainda não foi intimada da decisão. “A Petrobras avaliará a decisão e irá tomar as medidas cabíveis em prol dos seus interesses e de seus investidores”, afirmou a empresa, reforçando que a importância dos desinvestimentos para a redução do seu nível de endividamento e geração de valor, em linha com seu Plano de Negócios e Gestão 2019-2023 e Plano de Resiliência.

O Valor Econômico destaca que a Petrobras propôs alterações no estatuto social da BR Distribuidora para agilizar a oferta de ações da controlada. Segundo a publicação, o novo documento só terá validade se a estatal conseguir vender os papéis que possui na distribuidora, deixando de ser um sócio controlador. A atualização vai retirar as amarras estatais na companhia, mas também coloca poucas barreiras ao poder da Petrobras.

Além disso, segundo a Reuters,  a Petrobras está perto da venda de dois campos de petróleo offshore, em um processo que pode alcançar cerca de 1 bilhão de dólares e auxiliaria a estatal em sua busca pela redução de dívidas.  Um prazo até 5 de junho foi estabelecido pela petroleira para o recebimento das ofertas finais por seus campos petrolíferos de Pampo e Enchova, no litoral do Rio de Janeiro segundo fontes ouvidas pela agência. 

 

Vale (VALE3)

O preço futuro do minério de ferro teve nova alta, de 0,33%, nesta manhã, porém mais moderada em relação aos últimos dias, ainda refletindo as incertezas em relação a um novo rompimento de barragem da Vale no Brasil. Segundo a Bloomberg, o Ministério Público manteve a suspensão de operação da barragem de Brucutu da mineradora.

A velocidade da movimentação do talude norte da mina de Gongo Soco da mineradora Vale em Barão de Cocais (MG) registrou, no fim da tarde de ontem, aumento para 18 centímetros por dia, ante de 17,5 centímetros na medição anterior, informou a Agência Nacional de Mineração (ANM).

Braskem (BRKM5)

A Braskem informou que concluiu com a Controladoria Geral da União (CGU) e a Advocacia Geral da União (AGU) um acordo de leniência em que acertou fazer um pagamento adicional de R$ 410 milhões, dentro do processo referente a 2016, quando desembolsou cerca de US$ 1 bilhão para finalizar investigações a respeito de seu envolvimento na Lava Jato. O desembolso adicional ocorrerá em função dos cálculos e parâmetros utilizados pela CGU/AGU e será pago em duas parcelas, nos anos de 2024 e 2025.

Dommo Energia (DMMO3)

O empresário Eike Batista a pagar uma multa R$ 536,5 milhões por uso de informação privilegiada com ações da petroleira OGX, hoje Dommo Energia, no maior valor já aplicado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) de forma individual. Batista foi proibido ainda de atuar como administrador ou conselheiro de companhia aberta por sete anos, por manipulação de preços.

Segundo a CVM, Eike tentou induzir investidores a erro com mensagens positivas publicadas no Twitter, quando já sabia das condições negativas dos campos de petróleo. Já no caso envolvendo os papéis da empresa de carvão CCX, o empresário foi absolvido das acusações de omitir informações sobre a real situação da companhia colombiana.

NotreDame (GNDI3)

A operadora de planos de saúde NotreDame Intermédica informou a compra da operadora Belo Dente Odontologia, de Minas Gerais, por R$ 80 milhões. Segundo a empresa, o valor será pago à vista, descontado o endividamento da Belo Dente e um valor retido para contingências.

Especializada em planos odontológicos, a Belo Dente tem uma carteira de cerca de 350 mil beneficiários, sendo 98% pertencentes à categoria de planos coletivos e 2% de individuais, abrangendo principalmente os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Em 2018, faturou R$ 49 milhões.

BRMalls (BRML3)

A BrMaIIs informou a aquisição de uma fatia adicional de 15% da área bruta locável do total do Shopping Del Rey, em Belo Horizonte (MG). A participação, dessa forma, passa a ser de 80,0% no empreendimento. O valor da fatia adicional soma R$ 72,5 milhões, pagos à vista.

"Vemos a aquisição de forma neutra para a BR Malls devido ao seu tamanho relativamente pequeno (menos de 1% do equity value da empresa). A taxa de retorno anunciada de 8,7% (para 2019) parece pouco atrativa à primeira vista, já que o shopping ocupa o 16º lugar entre os ativos de maior produtividade da empresa (em termos de aluguel por metro quadrado) e a BR Malls negocia com uma taxa de 10,7% para 2019. Por outro lado, reconhecemos que poderia haver algum upside em termos de aluguéis provenientes do projeto de modernização do ativo", destaca o Itaú BBA. 

Cielo (CIEL3)

A XP Research reduziu o preço-alvo para as ações da Cielo em 12 meses de R$ 10 para R$ 7, mantendo recomendação neutra com viés negativo. "Ajustamos nossas estimativas para a Cielo para refletir a dinâmica cada vez mais competitiva do setor de adquirência. As tendências deterioraram-se mais rápido do que o esperado e revelaram a fragilidade do negócio no Brasil, à medida que o serviço se tornou comoditizado e os preços (MDR, aluguel, recebíveis) estão sendo cortados agressivamente pelos incumbentes para reter clientes em suas plataformas", destacam os analistas. 

(Agência Estado e Bloomberg)

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

 

Contato