Em mercados / acoes-e-indices

Petrobras fecha estável à espera de coletiva; Klabin sobe com investimento bilionário e Centauro estreia na B3 em baixa

Confira os destaques da B3 na sessão desta quarta-feira (17)

petróleo
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa interrompeu duas sessões de alta e fechou com queda de mais de 1% nesta quarta-feira, com o mercado repercutindo negativamente o novo adiamento da votação do parecer da Reforma da Previdência na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados.

Com isso, a Petrobras, que chegou a subir 2% mais cedo, virou para perdas, mas conseguiu fechar com leves ganhos, na esteira da convocação pela estatal de uma coletiva de imprensa com o CEO Roberto Castello Branco para falar sobre os preços de combustíveis. 

Já a maior alta ficou com a Klabin, em meio à alta do dólar e após informar investimento bilionário em Onça Puma. Confira os destaques da B3 na sessão desta quarta-feira (17):

Petrobras (PETR3;PETR4)
A Petrobras teve um dia de bastante volatilidade na B3, chegando a subir em meio às falas de Paulo Guedes, a cair após a derrota do governo na CCJ, mas depois amenizar com a convocação de coletiva pela estatal para falar sobre preços de combustíveis. 

A estatal seguiu durante todo o dia no radar dos investidores, após o governo anunciar um pacote de medidas para acalmar os caminhoneiros e deixar a petroleira livre para praticar o reajuste no preço do diesel. A intervenção de Bolsonaro na Petrobras, que mandou a empresa a suspender uma alta de 5,7% do óleo na semana passada gerou enormes perdas em valor de mercado para a companhia. Entre as medidas anunciadas ontem está a liberação de R$ 500 milhões para quem tem até dois caminhões, em financiamentos do BNDES para manutenção dos veículos, além de empréstimo de até R$ 30 mil a taxas menores para cada motoristas. O governo pretende ainda destravar R$ 2 bilhões para conclusão de obras rodoviárias.

Já os ministros da Economia, Paulo Guedes, e de Minas e Energia, Bento Albuquerque, após encontro reunião com Jair Bolsonaro ontem no Palácio do Planalto, que contou com a presença do CEO da petroleira, Roberto Castello Branco, declaram em coletiva de imprensa que a definição dos preços do diesel cabe exclusivamente a Petrobras. A estatal, entretanto, ainda não anunciou quando retomará o aumento. Guedes admitiu, porém, que a política de reajustes atual não é suficientemente transparente e afirmou que mudanças estão em estudo.

Ainda sobre a Petrobras, o Valor Econômico destaca que os detalhes do leilão de excedentes da cessão onerosa na área do pré-sal serão definidos hoje durante uma reunião do Conselho Nacional de Política Energética. Na pauta, estão questões como a fixação do bônus de assinatura e do excedente em óleo, que é a participação mínima destinada à União. Segundo a publicação, agora se definirá o valor da compensação financeira que será dado à companhia, o que poderia elevar este valor para até US$ 20 bilhões, cita o jornal ao citar uma estimativa da consultoria Wood Mackenzie, ao invés dos US$ 9 bilhões acertados.

O Globo informa ainda que a estatal deverá vender 50% de suas refinarias a partir de junho. Segundo a publicação, Castello Branco defendeu que a estatal reduza sua presença para estimular a concorrência e está alinhada com a estratégia de Guedes de promover um choque de energia barata. Para seguir adiante, a Petrobras precisa apresentar ao Cade seu plano. A Petobras concentra 99% do mercado de refino e conta com 13 refinarias, com capacidade de processar 2,2 milhões de barris por dia.

Já a Bloomberg destacou, citando a Reuters, que a Petrobras contratou nove bancos para assessorar a companhia na oferta de ações da BR Distribuidora. A Petrobras, porém, ainda não definiu se a oferta vai significar a privatização da empresa.

A Petrobras ainda divulgou comunicado sobre estudos da Caixa Econômica Federal para venda de suas ações. O banco formou um sindicato de assessores financeiros e legais para avaliação das alternativas viáveis, não se descartando a hipótese de realização de uma oferta pública secundária de ações (follow on) registrada no Brasil e nos Estados Unidos.

"Dessa forma, a Caixa solicita a cooperação da companhia, seus executivos e assessores, para que sejam disponibilizadas as informações e documentos necessários ao estudo em elaboração, nos termos da regulamentação da Comissão de Valores Mobiliários aplicável. A presente comunicação não deve ser considerada como anúncio de oferta", afirma a companhia no comunicado. 

Braskem (BRKM5)

Os acionistas da Braskem ficaram ontem sem deliberar durante assembleia sobre o pagamento dos cerca de R$ 2,7 bilhões em dividendos propostos pela companhia referentes ao exercício de 2018. Segundo o jornal Valor Econômico, a companhia avalia as alternativas possíveis e reforça que não tomou a decisão sobre os próximos passos após a Justiça de Alagoas ter suspendido a deliberação, por conta de uma ação que pede o bloqueio de R$ 6,7 bilhões devido a evidências de que a atividade de mineração da petroquímica gerou o afundamento do solo em três bairros de Maceió.

A justiça acatou parcialmente o pedido e limitou a indenização a R$ 100 milhões. Caso convoque uma nova AGO o prazo previsto por lei é de 30 dias de antecedência, enquanto para uma AGE é de 15 dias.

SBF, dona da Centauro
As ações do grupo SBF, dono da rede de lojas de artigos esportivos Centauro, estrearam na B3 com queda de 1,60%. O código de negociação da companhia na bolsa é o CNTO3. 

A companhia conseguiu captar R$ 772,2 milhões na primeira abertura de capital da Bolsa paulista neste ano. Suas ações foram precificadas, na oferta pública inicial, a R$ 12,50 cada.

A Centauro vai utilizar os recursos para abrir novas lojas, reformar as atuais e amortizar sua dívida. A captação também visa a reforçar o capital de giro e o investimento em diferentes canais de venda. Ao todo a Centauro tem mais de 192 lojas em 97 cidades brasileiras, além de um e-commerce. Confira as empresas que podem abrir capital na Bolsa em 2019 clicando aqui. 

Vale (VALE3)

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais autorizou a retomada parcial da atividade da Vale na mina de Brucutu. Segundo a Vale, a decisão liminar do TJ-MG suspende parcialmente a decisão da Vara Única da Comarca de Santa Bárbara, proferida em 22 de março. “A referida decisão possibilitará o retorno integral das operações na mina de Brucutu em até 72 horas, o que equivale a um volume de produção anualizado de 30 Mtpa”, diz a empresa.

A mineradora afirma, porém, que fortes chuvas em São Luís do Maranhão nos meses de março e abril impactaram os embarques no terminal de Ponta da Madeira, o transporte ferroviário na EFC e, por consequência, a produção do Sistema Norte. “Face a esses dois eventos, a Vale reafirma seu guidance de vendas de minério de ferro e pelotas de 307 – 332 Mt, anteriormente informado, e informa que a expectativa atual é que as vendas fiquem em torno do centro da faixa”, acrescentou.

"Vemos o evento como um passo importante na direção de normalizar as operações, gradualmente virando a página da tragédia de Brumadinho. Conforme temos mencionado, os riscos potenciais estão sendo cada vez mais mitigados, o que gradualmente deve permitir que a ação volte a negociar com base em fundamentos", afirmam os analistas da XP Research. 

Klabin (KLBN11)

A Klabin aprovou ontem um projeto de expansão de sua capacidade no segmento de papéis para embalagem em Ortigueiro (PR).

Quer investir nas maiores empresas do Brasil? Clique aqui e abra sua conta na XP Investimentos — é de graça!

O investimento na nova unidade, batizada Puma II, será de R$ 9,1 bilhões e se estenderá entre 2019 e 2023. Na unidade Puma, a companhia já produz celulose branqueada para os mercados interno e externo.

"Estimamos valor adicional por ação de R$ 2 advindo desta expansão (12,5% do valor de mercado da Klabin). Vemos o anúncio como positivo, mas destacamos que a expansão já vinha sendo antecipada há algum tempo e o mercado historicamente não paga pelo crescimento até no mínimo um ano antes do início do projeto (2021)", afirma a XP Research. Os analistas mantêm recomendação neutra para as units, com preço-alvo de R$23 por ação.

Cyrela (CYRE3)

A Cyrela divulgou a prévia operacional do primeiro trimestre em que registra uma expansão de 70,3% nas vendas líquidas contratadas em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo o comunicado, a empresa fez nove lançamentos no período, com um valor geral de vendas de R$ 547 milhões, representando uma alta de 25,9% ante igual intervalo de 2017.

O Morgan Stanley apontou os números como positivos, destacando que as vendas vieram em linha com as estimativas e apontando que as vendas de estoques cresceram fortemente na base anual, para R$ 760 milhões (ou cerca de 60%). Embora os lançamentos tenham ficado um pouco abaixo da estimativa do banco, eles ainda registravam alta. "No geral, os números reforçaram nossa perspectiva positiva para as ações", avaliam os analistas, destacando que o banco de terrenos da Cyrela oferece oportunidades significativas de crescimento dentro de São Paulo e no segmento de classes média e alta. Com isso, o Morgan reiterou recomendação overweight para as ações. 

Multiplan (MULT3)

A Multiplan lançou o seu 20º shopping center com previsão para inauguração em maio de 2020. Segundo a empresa, o investimento é de R$ 550 milhões e será na Zona Oeste do Rion de Janeiro, com uma área bruta locável de 39 mil metros quadrados.

Embraer (EMBR3)

A Embraer cancelou sua AGO prevista para o dia 22 de abril em razão da  necessidade de melhor avaliar as recomendações e comentários recebidos de acionistas da Companhia e das agências especializadas acerca de determinadas alterações estatutárias. 

Foi marcada uma nova data para a assembleia, no próximo dia 27 de maio, às 10h. 

Ser Educacional (SEER3)

A Ser Educacional anuncia a compra da UniNorte, em Manaus. O valor base (Enterprise value) é de R$ 194,814 milhões, do qual será deduzido endividamento líquido de R$ 9,814 milhões.

A transação se deu pela subsidiária Centro Nacional de Ensino Superior, por 100% do capital social da Sociedade de Desenvolvimento Cultural do Amazonas Ltda., mantenedora do Centro Universitário do Norte (UniNorte).

Em nota, a Ser informa que a empresa é líder de mercado na região e que no final de 2018 contava com 25,172 mil alunos com matrícula ativa, dos quais 23,233 mil na graduação. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da UniNorte é de R$ 18,7 milhões.

Na região, a Ser Educacional já atua com a Uninassau. "Em linha com sua estratégia de buscar ser relevante nessas regiões e presente nas demais regiões do Brasil, o grupo Ser Educacional fortalece sua presença na região Norte do Brasil, assumindo número significativo de alunos de graduação presencial na cidade de Manaus, por meio de uma marca reconhecida na cidade, vencedora da pesquisa top of mind nos últimos 8 anos consecutivos e passa a ser referência de mercado nas duas maiores cidades da região Norte do Brasil, uma vez que já é líder de mercado em Belém, no estado do Pará", diz em nota.

Randon (RAPT4)

A Randon anunciou a formação de uma joint venture com a Triel-HT Industrial e Participações para a formação de uma parceria estratégica nos mercados doméstico e internacional no segmento de implementos rodoviários. A nova empresa vai se chamar Randon Triel e contará com um aporte inicial, das duas sócias, R$ 16,4 milhões. A Randon terá controle com 51% do capital social.

Banco Inter (BIDI4)

Um decreto presidencial publicado nesta quarta-feira (17) autorizou a participação estrangeira em até 100% do capital social do Banco Inter. A permissão abre espaço para que o banco busque sócios fora do país. 

“É do interesse do Governo brasileiro a participação estrangeira de até cem por cento no capital social do Banco Inter S.A. e, indiretamente, no capital social de sua controlada Inter Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.”, diz a publicação no Diário Oficial da União.

A legislação atual exige decreto presidencial para a participação de instituições estrangeiras em bancos no Brasil. Existem planos de mudar esta norma para aumentar a competitividade no setor.


(Agência Estado e Bloomberg)

 

Contato