Em mercados / acoes-e-indices

Reunião de Bolsonaro, falas de Maia e temor externo: as notícias que agitam o mercado nesta 2ª

Índice futuro chegou a registrar baixa de até 1,5%, mas amenizou as perdas, com mercado de olho no desenrolar da crise política e atento ao exterior

analistas mercados bolsa investimentos ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Após registrar a pior semana desde agosto ao cair 5,45% em meio às discordâncias públicas entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara Rodrigo Maia, além dos temores de desaceleração global, o Ibovespa segue o clima de cautela diante do aumento da tensão política.

Neste cenário, às 10h57 (horário de Brasília), o índice registrava leve queda de 0,09%, aos 93.652 pontos, zerando as perdas registradas na abertura dos negócios. Enquanto isso, o dólar comercial, após atingir a máxima do ano, tem queda de 0,44%, a R$ 3,8849, ao passo que o contrato futuro da moeda com vencimento em abril recua 0,58%, a R$ 3,886.

Mais cedo, por volta das 9h, o contrato futuro do índice chegou a registrar perdas mais expressivas, de 1,5%, enquanto o dólar passou dos R$ 3,92.  A crise política teve novos capítulos no fim de semana, após o presidente retomar ataques à “velha política”, enquanto Maia acusou governo de ser um deserto de ideias. Por outro lado, Maia sinalizou que vai "blindar" a reforma da Previdência, o que dá certo alívio ao mercado nacional após as fortes quedas. 

Os investidores também aguardam o resultado da reunião desta segunda-feira do presidente da República com os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia), Santos Cruz (Secretaria de Governo) e general Augusto Heleno (Segurança Institucional), que discutirá a crise política que ganhou corpo nos últimos dias. 

Os principais contratos de juros futuros, por sua vez, seguem em alta, mas amenizando fortemente os ganhos em relação ao início da sessão. O contrato com vencimento em janeiro de 2021 avança 4 pontos-base, a 7,17%, após atingir 7,32%. Já o com vencimento em janeiro de 2023 avança 4 pontos-base, a 8,34%, após atingir os 8,53% por volta das 9h. 

Enquanto isso, a aversão ao risco segue para os investidores após a forte baixa dos mercados na sexta-feira, em meio aos dados negativos de atividade na Alemanha e EUA. Contudo, as perdas são mais discretas nesta sessão.

O presidente da distrital do Federal Reserve de Chicago, Charles Evans, disse que a inversão da curva de juros no fim da semana passada - quando o spread entre a T-bill de três meses e a T-note de 10 anos ficou negativo pela primeira vez em mais de uma década - indica probabilidade ligeiramente maior de a economia americana entrar em recessão. Evans ressaltou, porém, que a tendência de achatamento da curva de juros não é uma surpresa.

Já as bolsas asiáticas fecharam com perdas robustas nesta segunda-feira, também em meio a renovadas preocupações com a saúde da economia global. Vale ressaltar que, na quinta-feira, funcionários de alto escalão do governo americano estarão em Pequim para iniciar uma nova rodada de discussões comerciais de dois dias.

A expectativa é que EUA e China fechem um acordo comercial em algum momento de abril. Desde meados do ano passado, a disputa comercial entre as duas maiores economia do mundo vem pesando no sentimento do investidor.

No mercado de commodities, o minério de ferro cai com investidores pesando oferta e estoques e metais caem em Londres, enquanto petróleo opera estável após dois dias de queda 

Proteja seu dinheiro das incertezas globais: abra uma conta GRATUITA de investimentos na XP.

Embate entre Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro

Após uma sexta-feira tensa para os mercados com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ameaçando deixar a articulação política da Reforma da Previdência, o ambiente negativo continua. 

Neste fim de semana, o embate entre Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia teve novos capítulos; Maia subiu o tom da cobrança por maior envolvimento do Planalto na articulação da reforma, mas, em entrevista ao G1, tentou amenizar a crise, dizendo que a reforma está acima do governo. Em entrevista ao Estadão, Maia afirmou que o governo é um "deserto de ideias" e sem projetos que não sejam a Reforma da Previdência e o pacote anticrime apresentado por Sérgio Moro. 

Maia disse ainda que Guedes tenta intervir na escolha de relator da Previdência, o que indica interferência do Executivo e que o presidente precisa ter convicção, parar de falar que é contra a reforma, o que atrapalha o andamento da mesma. 

Vale ressaltar que, neste fim de semana, Maia se reuniu com aliados como o governador de SP, João Doria. Segundo o blog de Andréia Sadi no G1, ele teria dito aos aliados que vai blindar a reforma. Maia disse ainda que é hora de evitar polêmicas e baixar a temperatura e negou que esteja em curso um troco de parlamentares a Bolsonaro.

Enquanto isso, Bolsonaro, em resposta às críticas de Maia, disse que a responsabilidade agora está com o Congresso e voltou a falar em pressão da velha política. Ele disse que perdoa Maia pela situação pessoal que ele está vivendo. 

Assim, sem trégua aparente, o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), mandou mensagens ao partido logo depois de seu encontro com o presidente neste domingo reforçando as falas duras de Bolsonaro e dizendo que o presidente não pretende negociar, dizem Folha e Globo.

Destaques de ações

A Vale movimentou o noticiário corporativo deste fim de semana, após uma barragem da mineradora em Barão de Cocais, na região central de Minas Gerais, entrar em alerta máximo para risco de rompimento na noite de sexta-feira, com o acionamento das sirenes no município. O nível de segurança da barragem sul superior da mina Gongo Soco subiu de 2 para 3, segundo informou a própria mineradora. 

De acordo com a Vale, a medida adotada é preventiva e foi decidida após um auditor independente informar que a barragem apresenta "condição crítica de estabilidade". 

Na temporada de resultados, a Cesp registrou em 2018 um lucro líquido de R$ 294,43 milhões, revertendo o prejuízo líquido de R$ 168,53 milhões em 2017.

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 ELET3 ELETROBRAS ON 34,59 +2,55 +42,76 25,01M
 LOGG3 LOG COM PROPON 17,50 +2,34 -2,89 470,91K
 GOLL4 GOL PN N2 27,87 +2,24 +11,04 22,06M
 USIM5 USIMINAS PNA 10,26 +2,19 +12,16 32,53M
 ELET6 ELETROBRAS PNB 36,77 +1,97 +30,53 12,14M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 NATU3 NATURA ON 40,28 -2,94 -10,00 32,01M
 KLBN11 KLABIN S/A UNT N2 16,78 -2,21 +5,78 13,11M
 BRFS3 BRF SA ON 21,76 -1,98 -0,78 21,05M
 CCRO3 CCR SA ON 11,56 -1,11 +3,21 9,14M
 QUAL3 QUALICORP ON 15,22 -0,85 +18,08 3,38M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

 

 

Contato