Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa retoma os 98 mil pontos por otimismo com reforma da Previdência

Os mercados globais concentram suas atenções na nova rodada de negociações entre China e EUA para tentar solucionar a guerra comercial

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
(Alan Santos/PR)

SÃO PAULO - O mercado doméstico ignora o clima de cautela nas bolsas internacionais e foca a atenção nos próximos capítulos da reforma da Previdência. O otimismo com o projeto, que deve ser entregue amanhã por Jair Bolsonaro ao Congresso, fez o principal índice da B3 retomar os 98 mil pontos nesta tarde.

Às 13h58 (horário de Brasília), o Ibovespa subia 1,62%, a 98.072 pontos, após ter atingido a máxima de 98.185 pontos. O contrato de dólar futuro com vencimento em março de 2019 tinha queda de 0,47%, cotado a R$ 3,718, e o dólar comercial recuava 0,51%, para R$ 3,714. 

No mercado de juros, a perspectiva otimista reduz o prêmio por risco e os contratos futuros com vencimento em janeiro de 2021 caíam de 7,02% para 6,99%, e os contratos para janeiro de 2023 recuavam de 8,14% para 8,08%.

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, esteve ontem com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e disse que ele sinalizou que as regras da reforma da Previdência serão verticalizadas para Estados e municípios de forma imediata, o que agrada aos investidores.  

Há expectativa ainda com a entrega do projeto da reforma no Congresso pelas mãos do próprio presidente Jair Bolsonaro amanhã. Enquanto isso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), já prepara o terreno. Com objetivo de medir o apoio dos deputados à proposta de reforma, Maia incluiu na pauta de votação desta semana o projeto que permite os estados transformar as dívidas que têm a receber em títulos. Por meio de uma operação conhecida como securitização, esses papéis são oferecidos ao mercado financeiro para antecipação de recursos.

A votação serviria como um "termômetro" do apoio da base do governo. O projeto de securitização exige quórum qualificado de 257 votos favoráveis para ser aprovado. Já a PEC precisa de 308 votos, em dois turnos.

Com os novos passos da reforma, o governo Bolsonaro tenta deixar para trás os arranhões causados pela crise dos últimos dias, após tensões com Gustavo Bebianno envolvendo acusações de criação de candidaturas de laranjas para desviar recursos nas eleições de 2018 e rusgas entre o ex-ministro e o filho do presidente, Carlos Bolsonaro.

Bolsonaro dispensou ontem, no 48º dia da nova administração, Bebianno do comando da Secretaria-Geral da Previdência. O general da reserva Floriano Peixoto Vieira Neto assumirá o comando da pasta.

Não espere pelo governo. Abra uma conta de investimentos na XP e garanta sua aposentadoria

Os mercados globais concentram suas atenções na nova rodada de negociações entre China e Estados Unidos para tentar solucionar a guerra comercial. As expectativas com uma resolução até 1 de março, prazo para a trégua entre os países, pesam sobre o humor dos investidores estrangeiros.

Destaques da bolsa

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 RADL3 RAIADROGASILON 59,89 +4,01 +4,79 32,84M
 ITSA4 ITAUSA PN 13,39 +3,32 +10,84 1,25B
 EMBR3 EMBRAER ON 19,44 +2,91 -10,33 20,94M
 BBAS3 BRASIL ON 55,82 +2,86 +20,07 355,09M
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN 37,95 +2,85 +6,99 339,40M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 JBSS3 JBS ON 14,79 -1,40 +27,61 50,39M
 VVAR3 VIAVAREJO ON 5,40 -1,28 +23,01 33,46M
 LOGG3 LOG COM PROPON 17,58 -1,24 -2,44 1,86M
 RENT3 LOCALIZA ON 34,00 -0,85 +14,29 56,10M
 SMLS3 SMILES ON 49,12 -0,71 +12,60 15,91M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

Bolsas mundiais
Todos os olhos dos mercados globais estão na guerra tarifária entre China e Estados Unidos. Os países vão lançar uma nova rodada de negociações a partir de hoje, em Washington, segundo comunicado da Casa Branca. Na semana passada, delegações dos dois países se reuniram em Pequim, mas não chegaram a um acordo comercial, embora ambos os lados tenham falado em "progresso" nas discussões.

Proteja seu dinheiro das incertezas globais: abra uma conta de investimentos na XP.

Na quinta-feira (21), começa a segunda parte das negociações, envolvendo funcionários de alto escalão. A equipe americana será liderada pelo Representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e incluirá o Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e o Secretário do Comércio, Wilbur Ross. O Ministério do Comércio chinês informou que o vice-primeiro-ministro da China, Liu He, participará das conversas.

Neste contexto, os índices dos Estados Unidos operam em leve alta no retorno do feriado da véspera. A divulgação de balanços e a expectativa com a divulgação da ata da última reunião do Fomc, que acontece amanhã, também estão no radar.

As bolsas europeias operam em queda à espera de avanços nas negociações comerciais de Estados Unidos e China. As bolsas asiáticas encerraram em queda também à espera de reuniões entre representantes do governo chinês e norte-americano. A informação vinda de Pequim de que os Estados Unidos estão tentando reduzir seu desenvolvimento tecnológico pesou sobre o humor dos investidores. A alegação é de que os equipamentos chineses de rede móvel de internet podem representar ameaças à segurança cibernética. 

No mercado de commodities, os preços do petróleo do tipo WTI sobem, enquanto o tipo Brent opera em queda.

Reforma da Previdência e caso Bebianno

Após muito suspense que se estendeu até a tarde de ontem, Gustavo Bebianno foi demitido do cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência por uma “decisão de foro íntimo” do presidente Jair Bolsonaro, segundo o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros. A exoneração foi formalizada no Diário Oficial da União de hoje e o general Floriano Peixoto será o novo ministro da Secretaria-Geral da Presidência.

No entanto, o sangramento do governo pode não ter sido totalmente estancado. O PSL de São Paulo, maior diretório do partido do país, criticou a forma como Bolsonaro demitiu Bebianno e, segundo o Valor Econômico, para integrantes do partido, o desgaste público de Bebianno foi "injusto" e "desnecessário", e a demissão gerou uma "queimadura de terceiro grau" no governo. 

Há críticas também sobre a forma mais dura com que Bebianno foi tratado em relação ao ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que é alvo de denúncias de criação de candidaturas de laranjas para desviar recursos durante a eleição. Em nova reportagem, a Folha de S. Paulo aponta que o ministro sabia do esquema do PSL

“Era o seguinte: nós mulheres iríamos lavar o dinheiro para eles. Esse era o esquema. O dinheiro viria para mim e retornaria para eles”, afirmou a professora aposentada Cleuzenir Barbosa à Folha.

Enquanto isso, o governo tenta tocar o barco e focar no maior interesse do mercado financeiro: a reforma da Previdência, cuja proposta deve ser entregue amanhã ao Congresso. Antes, Jair Bolsonaro irá se reunir nesta manhã com o Conselho de Ministros no Palácio do Planalto. Nessas reuniões, o presidente tem debatido com sua equipe as ações e metas dos primeiros 100 dias de governo. Esta será a primeira reunião ministerial do presidente após a internação para a retirada da bolsa de colostomia. 

Não espere pelo governo. Abra uma conta de investimentos na XP e garanta sua aposentadoria

O presidente deve colocar seus ministros a par dos principais pontos da reforma e do processo de articulação da votação da PEC (proposta de emenda constitucional) no Congresso. Está previsto um pronunciamento de Bolsonaro, na quarta-feira (20), para informar a população sobre a necessidade da reforma e o que será alterado no sistema de aposentadorias do país. Os governadores vão se reunir em Brasília, também na quarta-feira, para debater a proposta com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Noticiário político

Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública, deve ir ao Congresso hoje à tarde (19) para protocolar o projeto de lei anticrime, considerado uma das vitrines do novo governo. O projeto prevê alterações em 14 leis, como Código Penal, Código de Processo Penal, Lei de Execução Penal, Lei de Crimes Hediondos, Código Eleitoral, entre outros.

O objetivo, segundo o ministro, é endurecer o combate a crimes violentos, como o homicídio e o latrocínio, e também contra a corrupção e as organizações criminosas. A previsão é que Moro apresente o projeto acompanhado da mensagem assinada pelo presidente Jair Bolsonaro. Antes, o ministro conversa com secretários estaduais de Segurança Pública e participa de reunião ministerial, no Palácio do Planalto.

O projeto de lei de combate ao crime deverá tramitar paralelamente à proposta de reforma da Previdência.

Ainda na esteira das vitrines do novo governo, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, disse ao jornal Valor Econômico que deve liberar no início de março a ação que trata das privatizações de empresas públicas para votação em plenário. 

Por fim, nesta terça, a 60ª fase da Lava Jato, chamada de Operação Ad Infinitum, foi deflagrada pela Polícia Federal (PF) para apurar um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo grandes quantias do chamado Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, por meio da atuação de operadores financeiros, entre os anos de 2010 a 2011, O dinheiro destinava a "irrigar campanhas eleitorais e efetuasse o pagamento de propina a agentes públicos e políticos aqui no Brasil”, diz a nota divulgada pela PF.

 

Tudo sobre:  Dólar   Ibovespa  

Contato