Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa perto de zero com alerta da Moody's e à espera de novidades sobre Previdência

A data estimada pela agência para a reforma frustrou as expectativas dos investidores  

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
(Alan Santos/PR)

SÃO PAULO - O Ibovespa chegou a cair 0,81% nesta tarde após a agência de classificação de risco Moody's informar que acredita que o governo conseguirá aprovar "algum tipo de reforma da Previdência" no Congresso, mas não antes do terceiro trimestre. No entanto, o índice logo voltou para perto da estabilidade, patamar no qual opera boa parte do pregão.

Às 15h21 (horário de Brasília), o Ibovespa caía 0,04%, a 96.128 pontos, após ter atingido a máxima de 96.803 pontos e a mínima de 95.388 pontos. O contrato de dólar futuro com vencimento em março de 2019 tinha alta de 1,04%, cotado a R$ 3,753, e o dólar comercial avançava 0,92%, para R$ 3,747. 

A data estimada pela agência frustrou as expectativas dos investidores que se apoiavam na previsão de Rodrigo Maia, presidente da Câmara, em aprovar a reforma em maio. 

A Moody's acrescenta, em relatório, que a aprovação de um texto com baixa economia fiscal pode pressionar negativamente o perfil de crédito do Brasil, além de ser ruim também para a confiança dos agentes e a perspectiva de recuperação da economia brasileira, alerta a Moody's.

A agência espera que Bolsonaro consiga aprovar uma reforma que gere economia fiscal na casa dos R$ 600 bilhões a R$ 800 bilhões ao ano, o equivalente a 8% a 11% do Produto Interno Bruto (PIB), dependendo da intensidade das medidas. Os valores estão abaixo dos 13,7% de economia fiscal presentes nas medidas da minuta que vazou na semana passada, que prevê economia de R$ 1 trilhão.

Não espere pela Previdência Social. Abra uma conta de investimentos na XP e garanta sua aposentadoria

No mercado de juros, os contratos futuros com vencimento em janeiro de 2021 caíam de 7,18% para 7,06% e os contratos para janeiro de 2023 recuavam de 8,26% para 8,17%. O alívio no exterior e a possibilidade de que o texto da reforma da Previdência ganhe velocidade no cronograma colaboram para a queda das taxas de juros futuros.

Alta esperada

Mais cedo, Bolsonaro recebeu alta médica e deixou o hospital. Cerca de dez carros, acompanhados de batedores da Polícia do Exército e carros da Rota fizeram a segurança do presidente. Um helicóptero da Polícia Militar também auxiliou na segurança. O presidente foi para o Aeroporto de Congonhas de onde segue para Brasília.

Seu retorno ao trabalho é visto com otimismo pelo mercado, porque membros da equipe econômica aguardam seu aval para fechar o projeto da reforma da Previdência. Enquanto isso, a equipe de Paulo Guedes se esforça para encontrar uma forma de tornar efetiva a mudança na idade mínima da aposentadoria na proposta e ao mesmo tempo acomodar a posição contrária de Bolsonaro sobre igualar esse patamar para homens e mulheres.

"O gatilho para mais altas (ou novas quedas) será o texto da reforma da previdência, previsto para sair sexta (mas até lá, novos 'vazamentos' podem ocorrer). Somado a isso, teremos vencimento de opções sobre ações na segunda, evento que por si só traz uma volatilidade extra aos ativos brasileiros. Ou seja: esperamos forte volatilidade nos próximos dias", avaliam os analistas da Rico Investimentos em relatório enviado a clientes. 

Clima de tensão

O clima de tensão nos bastidores do PSL com denúncias de candidatos laranjas ganha novo ingrediente. ?O filho do presidente e vereador Carlos Bolsonaro (PSL) afirmou em rede social que o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, mentiu ao dizer que conversou três vezes com seu pai na véspera. 

Na terça-feira (12), Bebianno negou que era protagonista de uma crise no governo após uma reportagem da Folha de S. Paulo apontar que ele liberou R$ 250 mil de verba pública para a campanha de uma ex-assessora, que repassou parte do dinheiro para uma gráfica registrada em endereço de fachada —sem maquinário para impressões em massa.

Antes disso, o Bolsonaro já havia responsabilizado Bebianno pela escalada da crise no governo com a revelação de candidaturas laranjas bancadas pelo partido. Com a nova denúncia, a temperatura deve subir no governo. 

Destaques da bolsa

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 BRFS3 BRF SA ON 22,60 -3,00 +3,06 204,42M
 LREN3 LOJAS RENNERON 43,49 -2,62 +2,57 85,81M
 ECOR3 ECORODOVIAS ON 10,83 -2,26 +15,46 14,16M
 BBAS3 BRASIL ON 52,09 -2,25 +12,05 394,42M
 VVAR3 VIAVAREJO ON 5,44 -2,16 +23,92 45,86M

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 VALE3 VALE ON 45,65 +3,05 -10,49 1,13B
 UGPA3 ULTRAPAR ON 55,14 +2,70 +3,65 65,82M
 BRDT3 PETROBRAS BRON 26,19 +2,63 +1,91 94,61M
 PETR3 PETROBRAS ON N2 30,66 +2,40 +20,71 143,12M
 BRAP4 BRADESPAR PN 27,98 +1,82 -9,88 117,83M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

Bolsas mundiais

Os índices futuros dos Estados Unidos operam em alta seguindo ainda a esteira de otimismo iniciada ontem com a sinalização de Donald Trump de que pretende apoiar o acordo fechado entre parlamentares democratas e republicanos - e que precisa do seu aval - sobre o orçamento dos EUA.

A medida evita, por enquanto, uma nova paralisação do governo que poderia acontecer no fim desta semana. O acordo provisório inclui R$ 1,375 bilhão para a construção de barreiras verticais de aço e não um muro sólido - defendido por Trump.

Proteja seu dinheiro das incertezas globais: abra uma conta de investimentos na XP.

Permanece ainda a expectativa otimista sobre uma resolução para a guerra tarifária entre China e EUA, com Trump afirmando que considera adiar o prazo de 1º de março para fechar um acordo comercial com o país. O presidente norte-americano disse que a China "quer muito fazer um acordo" e que ele tem "uma grande equipe" no país tentando chegar a uma resolução.

As bolsas europeias também operam em alta seguindo o otimismo gerado pelas notícias relacionadas ao governo norte-americano. Os mesmos fatores levaram as bolsas asiáticas a encerrar com valorização.

No mercado de commodities, os preços do petróleo sobem pelo segundo dia com a promessa da Arábia Saudita de ampliar os cortes em sua produção e as tensões com possíveis sanções dos Estados Unidos à Venezuela. Do outro lado, a Agência Internacional de Energia disse que o mercado pode se ajustar a essas sanções e não passar por um rali de alta.

(Com Agência Estado)

 

Contato