Em mercados / acoes-e-indices

Por que o mercado não está comemorando as eleições de Maia e Alcolumbre no Congresso?

O presidente da Câmara disse que o governo ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar o texto

Rodrigo Maia
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

SÃO PAULO - O governo de Jair Bolsonaro sai do fim de semana com vitórias nas eleições para as presidências da Câmara e do Senado, mas o desfecho das votações no Congresso não é suficiente para sustentar forte ânimo no mercado doméstico. A alta das bolsas em Wall Street ajudou a zerar as perdas por aqui. 

Às 15h18 (horário de Brasília), o Ibovespa subia 0,29%, a 98.149 pontos, após ter descido à mínima de 96.900 pontos. O contrato de dólar futuro com vencimento em março de 2019 tinha alta de 0,25%, cotado a R$ 3,674, e o dólar comercial subia 0,25%, para R$ 3,671. 

No mercado de juros futuros, o contrato com vencimento em janeiro de 2021 subia de 6,95% para 6,99%, e o contrato para janeiro de 2023 avançava de 7,95% para 8,08%.

A eleição de Rodrigo Maia (DEM) para a Câmara dos Deputados já era amplamente esperada, mas suas declarações sobre a reforma da Previdência diminuem o otimismo dos investidores e ajudam a empurrar o mercado para baixo. Em entrevista a jornais, o presidente da Câmara disse que o governo ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar o texto. 

As eleições conturbadas no Senado também não ajudam o governo. Apesar de Davi Alcolumbre (DEM), o candidato de Onyx Lorenzoni, ter vencido uma votação tumultuada no Senado, o diagnóstico é que gastou-se capital político demais com a confusão toda, avalia o analista político da Levante, Felipe Berenguer. 

"O Planalto deverá lidar com uma oposição raivosa, liderada por Renan Calheiros. O episódio no Senado, apesar de vitorioso quanto à renovação política, deixa apreensão, principalmente em relação a aprovação das reformas, como a da previdência, tão importante para as contas do governo e economia", explica Berenguer.

A avaliação é de que ter um aliado do governo Bolsonaro à frente da presidência do Senado não significa um caminho livre para a aprovação de reformas.

Invista melhor seu dinheiro: abra uma conta de investimentos na XP.

"Será importante superar as arestas com o MDB. Renan Calheiros saiu enfraquecido do processo, mas não morto. Tem o apoio da maioria da bancada de seu partido - a maior do Senado - e trânsito com a oposição, sobretudo no PT e no PDT. O senador alagoano ainda não dialoga com Lorenzoni. Por outro lado, boa parte dos apoiadores de Alcolumbre não serão apoiadores do Palácio do Planalto e seu apoio ao candidato do DEM pode ser atribuído à rejeição ao nome de Renan Calheiros", observam os analistas do banco Brasil Plural.

Destaques da bolsa

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 GOLL4 GOL PN N2 25,94 +4,09 +3,35 77,37M
 MRFG3 MARFRIG ON 6,65 +3,91 +21,79 32,05M
 CSAN3 COSAN ON 45,39 +2,35 +35,65 36,57M
 SUZB3 SUZANO PAPELON 47,64 +2,21 +25,11 109,94M
 SANB11 SANTANDER BRUNT 49,69 +1,93 +19,57 31,80M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 VALE3 VALE ON 44,13 -4,58 -13,47 937,85M
 BRAP4 BRADESPAR PN 27,95 -2,78 -9,97 111,46M
 BTOW3 B2W DIGITAL ON 47,20 -1,83 +12,33 61,29M
 SBSP3 SABESP ON 43,44 -1,79 +37,90 36,24M
 CSNA3 SID NACIONALON 9,92 -1,78 +12,22 71,25M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

Bolsas mundiais
Os índices dos Estados Unidos operam em alta à espera da divulgação de balanços, com destaque para a Alphabet, dona do Google. 

As bolsas europeias recuam puxadas por ações de montadoras e empresas expostas ao mercado chinês, como as mineradoras e siderúrgicas. Os índices asiáticos encerraram em alta com o índice de Hong Kong mais cedo devido ao feriado do Ano Novo Lunar, que manterá a bolsa chinesa fechada nesta semana. 

Os preços do petróleo operam em alta com os cortes de oferta da commodity pelos países membros da Opep e as sanções contra a Venezuela.

Vale e a tragédia em Brumadinho

Uma semana depois da tragédia ocorrida em Brumadinho (MG), a ação da Vale está fora das carteiras recomendadas pelas corretoras. Aquelas que tinham o papel entre suas recomendações retiraram o ativo da lista para a próxima semana. As corretoras evitam mudar suas recomendações para a ação por enquanto, mas começam a recomendar mais cautela aos investidores.

Para o analista Karel Luketic, da XP, o plano de ação da Vale ajuda a mitigar incertezas em relação à produção, mas ainda há insegurança em relação aos processos judiciais decorrentes do evento. A GO Associados também ressalta que o episódio do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho ainda terá desdobramentos na cena política nacional.

Representantes da Amig (Associação de Municípios Mineradores de Minas Gerais) programaram uma visita a Brasília para negociar a manutenção do pagamento de royalties aos municípios afetados pela decisão da empresa de desativar 10 barragens no estado.

Os controladores e administradores da Vale são alvo de uma reclamação recebida pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) relacionada à tragédia. Apesar das dimensões do desastre, até agora, a autarquia recebeu apenas duas reclamações formais.

Na queixa, protocolada na segunda feira, a participante do mercado Isadora Moreira Talamo acusa a empresa de "divulgar informações inverídicas quanto à segurança das minas". "A Vale se recusa a seguir protocolos de segurança porque os mesmos são caros e limitaria o valor pago aos acionistas. Tudo isso para que a Vale pague bem seus acionistas", afirma.

No âmbito judicial, a segunda instância da Justiça de Minas Gerais decidiu manter a prisão de três funcionários da mineradora Vale, presos na semana passada. De acordo com o Ministério Público, os três funcionários estão diretamente envolvidos no processo de licenciamento ambiental da barragem. Dois engenheiros terceirizados que atestaram a estabilidade da barragem também estão presos.

Além disso, o MPT (Ministério Público do Trabalho) tenta costurar um acordo com a Vale para que a empresa pague antecipadamente parte da indenização devida a cada uma das famílias que perdeu parentes na tragédia, conforme informa o jornal Valor Econômico. A antecipação é um dos pontos que os procuradores pretendem incluir no termo de ajustamento de conduta (TAC) a ser apresentado na quarta-feira (6) à direção da empresa. Os procuradores propõem adicionar à TAC a estabilidade de emprego por um período a definir dos funcionários sobreviventes, proibição de transferência, abono salarial e manutenção do plano de saúde para os familiares dos que morreram ou estão desaparecidos.

Agenda econômica 

Instituições financeiras, consultadas pelo Banco Central para o Boletim Focus, não esperam mais por aumento na taxa básica de juros neste ano. A previsão para a Selic ao final de 2019 passou de 7% para 6,5% ao ano, atual patamar da Selic.

Para 2020, no entanto, o mercado financeiro projeta aumento da Selic, com a taxa encerrando o período em 8% ao ano. 

O Boletim Focus aponta ainda que inflação deve ficar em 3,94% neste ano. Na semana passada, a estimativa estava em 4%. Para 2020, a previsão é que o IPCA fique na meta, em 4%. O valor para o próximo ano tem intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

A projeção para a expansão do PIB (Produto Interno Bruto) foi mantida em 2,50% em 2019 e 2020. A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar passou de R$ 3,75 para R$ 3,70 no final deste ano, e de R$ 3,78 para R$ 3,75, no fim de 2020.

Clique aqui para conferir a agenda completa de indicadores.

 

Contato