Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa Futuro em compasso de espera por dados dos EUA e eleição no Congresso

Dados fracos da economia chinesa pressionam os negócios

Congresso
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

SÃO PAULO - Após encerrar o mês de janeiro com o melhor desempenho em um ano, o Ibovespa começa fevereiro com dados fracos na China e grande ansiedade com o início dos trabalhos no Congresso. 

Às 9h13 (horário de Brasília), o Ibovespa futuro caía 0,14%, a 97.560 pontos. O contrato de dólar futuro com vencimento em março de 2019 tinha alta de 0,34%, cotado a R$ 3,662, e o dólar comercial recuava 0,05%, para R$ 3,654. 

O Senado e a Câmara dos Deputados escolhem hoje seus presidentes e Jair Bolsonaro já prepara mensagem para o início dos trabalhos mencionando a reforma da Previdência. 

"Boa parte da alta de 10,8% do Ibovespa e da queda de 6,5% do dólar em janeiro é explicada pelo discurso alinhado de reformas do novo governo. Mas essas reformas precisam passar pelos deputados e senadores. Assim, a escolha dos presidentes de cada uma das casas mostrará o quão ‘comprados’ os políticos estão com essa agenda", observam os analistas da Rico em relatório enviado a clientes.

No radar econômico, destaque para os dados de emprego nos Estados Unidos que serão publicados às 11h30 (de Brasília).

O Ibovespa Futuro é um bom termômetro de como será o pregão, mas nem sempre prevê adequadamente movimentos na Bolsa a partir do sino de abertura

Bolsas mundiais

Os índices futuros das bolsas dos Estados Unidos apontam para uma abertura perto da estabilidade à espera de dados do mercado de trabalho no país e novidades sobre as negociações comerciais com a China. A reunião entre equipes de alto escalão dos Estados Unidos e da China realizada ontem terminou com o presidente Donald Trump se mostrando otimista quanto à possibilidade de um acordo ser firmado até o prazo de 1º de março.

De acordo com o republicano, a extensão da data limite não foi alvo de discussão na conversa que durou dois dias. A delegação chinesa foi comandada pelo vice-primeiro-ministro do país asiático, Liu He.

O otimismo com as conversas elevou as bolsas asiáticas, a despeito de dados fracos da economia na China, onde a atividade industrial caiu ao seu menor nível desde fevereiro de 2016, elevando os temores de uma desaceleração econômica. 

As bolsas europeias operam em alta impulsionadas pelo otimismo com China e Estados Unidos e resultados corporativos fortes. O preço do petróleo registra a segunda queda consecutiva, pressionado pelos dados chineses fracos. 

Invista melhor seu dinheiro: abra uma conta de investimentos na XP.

Vale e a tragédia em Brumadinho

O presidente da empresa Vale, Fábio Schvartsman, comprometeu-se ontem (31) a acelerar os acordos extrajudiciais para as famílias de mortos e desaparecidos em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte. A iniciativa ocorre seis dias depois do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão.

Na reunião, o presidente da Vale confirmou que a sirene que iria soar foi "engolfada" pela lama no momento do rompimento da barragem e negou receio com as prisões de funcionários e terceirizados da mineradora no início da semana. “Não tenho nenhum motivo para temer prisão de executivos”, disse Schvartsman.

A mudança na cúpula da empresa segue no radar. Segundo o colunista Ancelmo Gois, do jornal O Globo, já há um nome forte cotado para eventual substituição do presidente da Vale. Um dos nomes fortes internamente é o de Eduardo Bartolomeo, atualmente diretor executivo da empresa em Nova York. 

Agenda econômica 

A produção industrial brasileira cresceu 1,1% no ano passado, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em dezembro, a queda foi de 3,6% na comparação anual e alta de 0,2% ante o mçes anterior.. A estimativa mediana da Bloomberg era de recuo de 3,9% na comparação com dezembro de 2017 e recuo de 0,1% ante novembro.

No exterior, destaque para o relatório de emprego dos Estados Unidos, conhecido como payroll, às 11h30. O levantamento da Bloomberg estima criação de 165 mil vagas em janeiro ante 312 mil em dezembro e taxa de desemprego mantida em 3,9%.

"Esse é um dos indicadores mais monitorados pelo Federal Reserve, por isso seu resultado pode
influenciar no futuro da taxa de juros americana", explica a Rico. Em decisão unânime na última quarta-feira (30), o Fomc (Federal Open Market Committee) manteve os juros no patamar entre 2,25% e 2,5% ao ano.

Em um movimento que representou uma divergência em relação à política monetária dos últimos anos, o Fed descartou a linguagem de que mais aumentos de juros seriam provavelmente necessários - os "aumentos graduais adicionais" - e apontou estar adotando uma abordagem mais cautelosa. O próximo movimento dos juros dependerá "inteiramente" dos dados, disse o presidente do Fed, Jerome Powell.

Clique aqui para conferir a agenda completa de indicadores.

Noticiário político 

Em clima de disputa eleitoral tradicional, com santinhos, adesivos, pôsteres e panfletos, a Câmara dos Deputados elege nesta sexta-feira a nova composição da Mesa Diretora. Além da presidência, estão em disputa a primeira e segunda vice-presidência das Casas, quatro secretarias e as respectivas quatro suplências. O Senado também ele seu presidente hoje. 

O sentimento no Congresso é de que Rodrigo Maia está bastante consolidado para vencer a eleição para a presidência da Câmara no primeiro turno. O nível de traições na base montada por Maia terá que ser bastante alto para que haja segundo turno, e mais ainda para que ele perca. Fabio Ramalho, do MDB, segue com sua candidatura e, além de Maia, é das poucas que vale a menção. Ramalho tem liderança no baixo clero da Casa, mas não votos para ser competitivo.

Enquanto isso, no Senado, Renan Calheiros segue favorito para ser escolhido como presidente após vencer Simone Tebet em disputa dentro do MDB. Se eleito, será a quinta vez que Renan comandará o Senado. 

Ele recebeu, ainda na noite de ontem, uma ligação do presidente Jair Bolsonaro parabenizando-o por sua vitória na bancada. A ligação repercutiu negativamente, uma vez que o nome de Renan é hostil ao Palácio do Planalto. No Twitter, o presidente disse que ligou para todos os oito concorrentes no Senado. “Procuramos diplomaticamente fazer contato com os candidatos desejando-lhes boa sorte. O eleito será importantíssimo para a democracia e o futuro do Brasil. Qualquer tentativa de desvirtuar o papel institucional do Governo diante desses fatos é desprovida de boa fé e de profissionalismo”, escreveu.

O presidente já prepara sua mensagem que deverá ser lida no Congresso na segunda-feira (4), no início dos trabalhos da Casa. Bolsonaro anunciará as propostas de uma nova Previdência e de combate ao crime organizado e à corrupção, além da revisão da lei de segurança de barragens, segundo o porta-voz da Presidência, Rêgo Barros. 

“Proporemos uma nova Previdência, mais humana, mais justa, que não retire direitos e restabeleça o equilíbrio fiscal, que garanta que nossos filhos e netos tenham um futuro assegurado”, disse o porta-voz.

Do outro lado, um ingrediente que já trouxe muita preocupação à cúpula do governo de Bolsonaro volta ao radar, com o fim do recesso do STF (Supremo Tribunal Federal). Os ministros têm em mãos uma reclamação do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL) sobre o processo envolvendo seu ex-assessor e ex-motorista Fabrício Queiroz.

O relator original do caso, o ministro Marco Aurélio Mello, deverá decidir ainda hoje se mantém a decisão do ministro Luiz Fux, que acatou o pedido de Flávio e concedeu uma liminar que suspende a investigação criminal. O filho de Bolsonaro também pede que as investigações sejam acompanhadas pelo STF e as provas coletadas até aqui sejam anuladas.

A expectativa é de que Marco Aurélio arquive o pedido de Flávio Bolsonaro, já que ele afirmou, após a decisão de Fux, que tem "remetido ao lixo" reclamações como a do senador eleito. Apesar da declaração, ele disse que não era uma antecipação de sua decisão, mas uma coerência com o que fez até agora, e prometeu decidir sobre o caso já no dia 1º de fevereiro, segundo o jornal O Estado de S. Paulo.

Noticiário corporativo

>> A CSN planeja encerrar a disposição de rejeitos na barragem Casa de Pedra, em Congonhas (MG), até o fim do ano. A desativação da barragem de mineração, apontada como uma das maiores do mundo localizada em área urbana, será feita gradualmente, após a entrada em vigor da segunda fase do projeto de processamento industrial, que permite a recuperação de parte do minério de ferro presente nos rejeitos.

>> Os petroleiros da Replan, maior refinaria da Petrobras, informaram em nota que atrasaram em duas horas o início do trabalho na unidade, em protesto contra a possível venda da refinaria ou parte dela. De acordo com o Sindipetro Unificado-SP, o processo de desinvestimento da estatal na área de refino deverá trazer demissões, redução de direitos e precarização das condições de trabalho para facilitar a venda. A Replan tem capacidade para processar 434 mil barris de petróleo por dia e sua produção corresponde a aproximadamente 21% de todo o refino de petróleo no Brasil.

Ainda no radar da estatal, segundo fontes ouvidas pela Bloomberg, a Petrobras vendeu debêntures com taxa abaixo do Tesouro. A emissão de R$ 3,6 bilhões em debêntures teve demanda 3 vezes maior do que a oferta.

A ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás e Combustíveis) informou que a Petrobras recebeu R$ 684,1 milhões em subvenção ao diesel.

>> Bancos e meios de pagamento: Uma medida para facilitar a concorrência no setor de cartões de crédito foi adiada em três meses. O CMN (Conselho Monetário Nacional) mudou para 8 de abril o início da vigência da norma que reduz a “trava bancária” para lojistas. A norma entraria em vigor ontem (31). 

Segundo o Banco Central, o adiamento foi necessário porque as instituições financeiras e as credenciadoras das máquinas de cartão tiveram dificuldades para adaptar os sistemas que permitiriam aos comerciantes escolher livremente o banco com o qual antecipam os recebíveis do cartão de crédito. 

A Petrobras Distribuidora informou que já recebeu R$ 1,788 bilhão da dívida da Eletrobras. R$ 129,8 milhões são referentes à nona parcela, depositada na última quarta-feira (30). 

>> A Embraer e a norte-americana SkyWest assinaram um contrato para um pedido firme de nove jatos E175 cujas entregas devem começar em 2019. A encomenda tem valor de US$ 422 milhões e já está incluída na carteira de pedidos firmes (backlog) do quarto trimestre de 2018 da Embraer. A SkyWest Airlines operará todos os nove E175, configurados com 76 assentos.

Desde 2013, a SkyWest encomendou um total de 158 jatos E175, incluindo essas nove unidades. Com este novo contrato, a Embraer vendeu mais de 565 jatos E175 para companhias aéreas na América do Norte desde janeiro de 2013, sendo a responsável por mais de 80% de todos os pedidos neste segmento de jatos de 70 a 76 assentos, de acordo com a companhia.

"Somente o programa E-Jets da Embraer já registrou mais de 1.800 pedidos firmes e 1.500 entregas. Atualmente, os E-Jets fazem parte da frota de 70 clientes em 50 países. A versátil família de aeronaves de 70 a 150 assentos é operada por companhias aéreas de baixo custo assim como linhas aéreas principais e regionais", diz a Embraer.

>> A EZTec lançou o Vértiz Club Home em São Paulo, com VGV (Valor Geral de Vendas) de R$ 98,6 milhões. O empreendimento contará com 2 torres residenciais de médio padrão, com total de 168 unidades, segundo
comunicado ao mercado. 

>> Ainda sobre construtoras, em relatório, o Itaú BBA destacou as perspectivas para a temporada de balanços do quarto trimestre. A expectativa é de que as construtoras voltadas para média/alta renda serão os destaques positivos do período, após a sólida demonstração na frente operacional. Cyrela, EZTEC e Direcional provavelmente apresentarão resultados positivos, avaliam eles. Já as empresas de shopping devem apresentar uma melhora moderada na frente operacional, suportada por fortes vendas dos lojistas em Novembro.

>> O Conselho de Administração da Localiza aprovou aumento do capital social
em R$ 1,82 bilhão, com emissão de 55,2 milhões de novas ações ordinárias
a R$ 33 cada, segundo comunicado ao mercado.

>> Uma AGE nesta quinta-feira aprovou a incorporação da totalidade das ações da NTC Veículos de Locação e a posterior emissão, pela Unidas, de 1,38 mi de novas ações ON, segundo comunicado. A Unidas, antes da incorporação, comprou 21,9 milhões de ações da NTC, representativas de 55,55% do seu capital social. Os acionistas da NTC, em conjunto, passaram a deter participação de 0,9328% no capital social da Unidas.

>> A Fertilizantes Heringer vai fechar fábricas e centros de distribuição como parte de um plano de reestruturação para lidar com dívidas, informa a Reuters. A companhia enviou mensagem para trabalhadores de pelo menos 10 instalações informando o fechamento. Não está claro quantos funcionários seriam demitidos.  A assessoria de imprensa de Heringer não confirmou a informação.

>> O Itaú BBA atualizou as estimativas para a Energias do Brasil com um novo preço-alvo de R$ 23 por ação para 2019, mantendo recomendação de compra  no papel, uma vez que vê a empresa como um dos players privados mais baratos dentro da cobertura.

"A Energias do Brasil se encaixa na nossa tese 'de volta aos fundamentos', em que procuramos empresas com risco/retorno atrativos (IRR de 10,9% vs. 8,5% para a média do setor), com boas métricas qualitativas (gestão e alocação de capital). Acreditamos que os principais receios em relação a empresa estão sendo gradualmente eliminados com uma melhor alocação de capital, metas claras de gerenciamento e maior eficiência operacional", afirmam os analistas.

>> A ação da Marfrig teve a recomendação elevada de underperform para marketperform pelo Itaú BBA com preço-alvo de R$ 7,00. Os analistas apontam que há muita incerteza sobre "outros resultados financeiros", despesas de capital de giro e margens de longo prazo nos EUA para chegar em um preço-alvo, mas boas margens provavelmente evitarão queima de caixa no quarto trimestre de 2018. 

(Com Agência Estado e Agência Brasil)

 

Contato