Em mercados / acoes-e-indices

Derrocada de Vale pressiona índice de ADRs brasileiros, que fecha estável em NY apesar de ânimo internacional

Dow Jones Brazil Titans fechou estável após subir forte de olho em China e EUA, além de avanços nas negociações para interromper o shutdown

Crash
(Shutterstock)

SÃO PAULO - A sexta-feira sem bolsa no Brasil por conta do feriado em São Paulo prometia ser de alta para os ADRs (American Depositary Receipts) brasileiros, com o (Exchange Traded Fund) EWZ, que representa os papéis com maior peso no Ibovespa, e o índice Dow Jones Brazil Titans chegando a subir 1,7% na máxima do dia.

O cenário externo estava dando o tom, com o mercado de olho nos possíveis avanços das negociações entre EUA e China, notícias sobre o Federal Reserve e uma trégua na relação entre Donald Trump e o Congresso americano sobre o shutdown. Contudo, isso mudou após a notícia do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, Minas Gerais, que fez com que os papéis chegassem a cair 13% em Nova York, fechando em baixa de cerca de 8%. 

Isso gerou uma forte pressão sobre o EWZ, que teve leve alta de 0,39%, enquanto o Brazil Titans 20,  que reúne os principais ADRs de empresas brasileiras, fechasse em queda de 0,09%. 

Apesar da queda de Vale, ativos como da Petrobras tiveram uma expressiva alta em meio aos ganhos do petróleo de olho nas prometidas sanções de Donald Trump ao país. Já a Embraer, que assinou na véspera acordo para venda da área comercial à Boeing, subiu cerca de 1%. Na ponta negativa, outro destaque de queda ficou com a Suzano, com perdas de 3,77%. 

Confira o desempenho dos principais ADRs brasileiros na NYSE:

Empresa ADR Variação Preço
Petrobras PBR +1,93% US$ 15,83
Petrobras PBR.A +2,59% US$ 13,85
Vale VALE -8,08% US$ 13,66
Itaú Unibanco ITUB +1,62% US$ 10,01
Bradesco BBD +1,14% US$ 11,51
Embraer ERJ +0,98% US$ 20,70
Cemig CIG +0,52% US$ 3,84
Ambev ABEV +1,12% US$ 4,53
CSN SID +1,88% US$ 2,71
Santander BSBR +0,46% US$ 13,20
BRF BRFS +1,86% US$ 6,57
Ultrapar UGP +1,65% US$ 15,37
Sabesp SBS 0% US$ 11,32
Pão de Açúcar CBD +0,88% US$ 25,25
Eletrobras EBR +0,56% US$ 9,04
Telefônica Brasil VIV +0,32% US$ 12,68
TIM TSU 0% US$ 16,54
Gerdau GGB +1,90% US$ 4,30
Suzano  SUZ -3,77% US$ 25,53

Em Wall Street, o dia foi de ganhos para as bolsas, com destaque para a Nasdaq, que avançou 1,29%, enquanto o Dow Jones subiu 0,75% e o S&P500 teve alta de 0,85%. 

O movimento ocorreu em meio ao acordo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com os líderes do Congresso para encerrar temporariamente a paralisação do governo americano.

O pacto prevê a destinação de recursos para financiar a administração federal por três semanas, enquanto a Casa Branca e o Partido Democrata continuarão negociando os fundos para o muro no México. "Estou muito orgulhoso de anunciar o fim do shutdown e a reabertura do governo federal", disse Trump na Casa Branca.

"Apresentaremos uma nova proposta para a segurança de nossas fronteiras, e a realização do muro deve ser parte da solução", acrescentou. Essa fala pouco conciliatória ao reforçar a importância do muro, por sinal, fez com que os índices amenizassem os ganhos de cerca de 1% que registravam mais cedo. Contudo, eles seguiram em alta. 

Mais cedo, o mercado repercutia com ânimo a fala do secretário do Tesouro Steven Mnuchin, que apontou estar confiante e que estão feitos grandes progressos nas negociações entre EUA e China. Na próxima semana, o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, visita a capital americana para retomar o diálogo sobre comércio. Os índices também foram impulsionados pela notícia do Wall Street Journal de que o Federal Reserve pode terminar o seu programa de redução do balanço patrimonial antes do que o esperado pelo mercado. 

Invista melhor seu dinheiro. Abra uma conta na XP. 

 

Contato