Em mercados / acoes-e-indices

Suzano salta 8,5% após concluir fusão; Taurus despenca 22% com realização de lucros após decreto de Bolsonaro

Confira os destaques da Bolsa na sessão desta terça-feira (15)

Commodity_papel_celulose

SÃO PAULO - O Ibovespa fechou em queda de 0,44% após renovar máxima histórica, mas seguiu acima dos 94 mil pontos.

Durante a sessão, a China animou com renovação de promessas de estímulo, mas o índice não conseguiu segurar os ganhos. Contudo, algumas ações tiveram um forte desempenho positivo, caso da Suzano. Já a Forjas Taurus passou a despencar após o decreto de Bolsonaro com realização de lucros após disparar 160% desde dezembro. 

Confira esses e mais destaques desta terça-feira:

Petrobras (PETR3; PETR4)

A sessão foi de ganhos para o petróleo em meio aos cortes de produção feitos pela Opep e Rússia, mas o ambiente de maior cautela global seguiu restringindo um rali mais forte para os papéis da companhia. 

No radar da companhia, ela informou que possui interesse em exercer o direito de preferência em 3 blocos da 6ª rodada de licitação sob o regime de partilha da produção. Os blocos de interesse são Aram, Norte de Brava e Sudoeste de Sagitário, como operador e com percentual de 30%.

O valor correspondente ao bônus de assinatura a ser pago pela companhia, considerando que o resultado do leilão confirme apenas a participação indicada, é de R$ 1,8 bilhão.

Também no radar da estatal, a FUP (Federação Única dos Petroleiros) entrou com uma ação civil pública contra o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, por improbidade administrativa, em função da nomeação de Carlos Victor Nagem como novo gerente-executivo de Inteligência e Segurança Corporativa.

De acordo com o movimento sindical, Nagem “não possui as qualificações exigidas pelo PCR (Plano de Cargos e Remuneração) da estatal”.

Para esta quarta-feira (16), a Petrobras manteve inalterado os preços do diesel e da gasolina nas refinarias, em R$ 1,9484 e R$ 1,4624, respectivamente.

Suzano (SUZB3)

A Suzano Papel e Celulose e a Fibria anunciaram a conclusão da fusão entre as duas companhias, o que impulsionou os ativos SUZB3. Essa é a maior alta para os ativos desde 16 de março, quando os papéis saltaram 21,80%. 

A última etapa da fusão foi realizada na segunda-feira após a Suzano ter feito o pagamento de R$ 27,8 bilhões aos acionistas da Fibria. Assim, eles passaram a deter participação na Suzano, nova marca da empresa.

Com a fusão, foi criada uma gigante global  com capacidade de produção de 11 milhões de toneladas de celulose e 1,4 milhão de toneladas de papel por ano.

Em relatório, a Moody’s Investors Service afirmou que a dívida bruta da Suzano pode cair para 3 vezes o Ebitda (Lucros, Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização, na sigla em inglês) até o final deste ano após a conclusão da aquisição da Fibria.

Também no radar da companhia, o Bradesco BBI recomendou compra para as ações da companhia após a conclusão da transação com a Fibria, estimando um preço-alvo de R$ 60 - o que totaliza um upside de 54,40% em relação ao último fechamento. 

Veja mais em:
Após começo de ano sem brilho, fusão Suzano-Fibria pode impulsionar ações na Bolsa?

Taurus Armas (FJTA3; FJTA4)

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça o decreto que flexibiliza a posse de armas no Brasil, uma das principais promessas de campanha do presidente da República. A medida deve ser publicada ainda em edição extra do "Diário Oficial da União" desta terça. 

Nesta sessão, as ações da Taurus Armas, ex-Forjas Taurus, chegaram a avançar até 11% à espera do decreto, mas amenizaram na hora do pronunciamento e passaram a cair forte durante a tarde, fechando em queda de 22%. Vale ressaltar que, em 2018, os papéis da então Forjas Taurus (que mudou de nome no começo de 2019) foram a maior alta da Bolsa com ganhos de 180% com a expectativa de facilitação do acesso de armas no País. Em 2019, os papéis chegaram a subir 108%. 

O decreto foi assinado durante evento no Palácio do Planalto. “Como o povo soberanamente decidiu, para lhes resguardar o direito à legítima defesa, vou agora, como presidente, usar esta arma”, afirmou Bolsonaro, mostrando a caneta como se fosse sua arma. “Estou restaurando o que o povo quis em 2005”, acrescentou Bolsonaro mencionando o referendo realizado há 14 anos.

Leia também: 
- Ação PN da Taurus negocia todo o seu valor de mercado na bolsa

O decreto refere-se exclusivamente à posse de armas. O porte de arma de fogo, ou seja, o direito de andar com a arma na rua ou no carro não está no texto. 

A assinatura do decreto ocorreu logo depois da reunião ministerial coordenada por Bolsonaro todas as terças-feiras, às 9h, no Planalto, desde que assumiu o poder em 1º de janeiro. Veja mais clicando aqui

Vale (VALE3)

A ação da Vale chegou a ter leve alta acompanhando o noticiário chinês, mas fechou em queda em meio ao movimento de realização de lucros. 

No radar internacional, o governo da China reiterou hoje que irá ampliar esforços para estimular sua economia após divulgar números de comércio externo bem mais fracos do que o esperado.

Autoridades econômicas da China prometeram hoje que vão reduzir impostos, intensificar gastos em infraestrutura e melhorar condições de crédito para pequenas empresas, como parte de uma estratégia para combater a maior desaceleração econômica do país desde a crise financeira de 2008.

No radar da mineradora, o Cade aprovou sem restrições a aquisição de controle pela Vale da São Bento, São Galvão e Santo eloy, atualmente detidas pelo FIP Salus e pela Ventos de São Januário.

Os requerentes afirmam que a operação é uma “boa oportunidade para a Vale expandir seus ativos de geração de energia, em especial no segmento de geração eólica”.

Sanepar (SAPR11)

A Sanepar informou que o diretor de investimentos da companhia, Joel de Jesus Macedo, vai acumular a diretoria financeira e de relações com investidores até a eleição dos novos titulares. Na última sexta-feira (11), o conselho da Sanepar destituiu a diretoria e elegeu um novo CEO.

Klabin (KLBN11)

A Klabin está negociando um crédito bancário de US$ 1,1 bilhão para o prazo de 5 anos. De acordo com o jornal Valor Econômico, o objetivo é fazer um refinanciamento de passivos. O custo da operação será de 1,35% mais a taxa Libor e será divida em duas linhas: uma de US$ 600 milhões via pré pagamento de exportação e outra de US$ 500 milhões na modalidade de crédito rotativo.

Siderúrgicas

O governo brasileiro está tentando convencer a União Europeia a não sobretaxar o aço brasileiro. Segundo o jornal O Globo, a UE alega que as indústrias locais sofrem com a concorrência dos produtos importados e anunciou que pretende aplicar salvaguardas a todos os países exportadores. O parlamento europeu deve votar sobre a proposta nesta semana.

Oi (OIBR4)

A Oi informou em comunicado que a Assembleia Geral Ordinária da companhia está marcada para o dia 30 de abril.

Companhia Hering (HGTX3)

A Hering teve um dia de forte volatilidade em dia de prévia operacional. A companhia divulgou o desempenho das vendas no 4º trimestre de 2018 e registrou um crescimento do SSS (Vendas nas Mesmas Lojas, na sigla em inglês) de 13%.  O número de lojas caiu de 799 em 2017 para 761 em 2018.

Apesar do aumento das vendas nas mesmas lojas, a empresa ficou em território negativo para vendas consolidadas, registrando queda de 1,4% na receita líquida.

Para 2018, as vendas caíram 1,9% devido a: (i) a greve dos caminhoneiros impactando principalmente lojas multimarcas e franqueados; (ii) deterioração do tráfego de pedestres durante o período da Copa do Mundo; e (iii) clima mais quente no inverno dificultando as vendas da coleção.

"A nosso ver, apesar dos esforços recentes da empresa para atualizar suas coleções e melhorar suas operações de lojas, ainda não podemos adotar uma postura mais otimista sobre o case. Apesar de acreditar que os resultados podem dar um impulso a Hering, vamos esperar por uma execução mais assertiva e melhor dinâmica de top line antes de ficarmos mais confiantes", avaliaram mais cedo os analistas do Brasil Plural, que possuem recomendação equalweight para os ativos HGTX3.

Seja sócio das maiores empresas da bolsa: abra uma conta na XP - é de graça!

 

Contato