Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa pode alcançar 100 mil pontos no 1º semestre, diz gestor de fundo campeão de rentabilidade

Marcos Saravalle entrevista o gestor do fundo GTI Dimona Brasil, quarto melhor fundo de ações dos últimos dois anos

SÃO PAULO - O Ibovespa vive dias de glória neste início de ano, com ganhos de 6,50%, e se o cenário-base do mercado se confirmar – e o novo governo conseguir dar um rumo para a situação fiscal, abrindo espaço para uma maior recuperação da economia –, a bolsa deve ser um dos melhores investimentos em 2019.

Em meio a tantas ações, quais delas escolher para fazer parte do seu portfólio? Marcos Saravalle, especialista da XP Investimentos, fala sobre as oportunidades na bolsa em 2019 para formar um patrimônio consistente no programa "30 minutos para se aposentar com ações" desta semana. 

Saravalle também recebe Rodrigo Glatt, gestor do fundo GTI Dimona Brasil, quarto melhor fundo de ações dos últimos dois anos, conforme ranking do InfoMoney. Vale destacar que os outros três fundos aplicam apenas em uma ação, como Magazine Luiza e Petrobras. O fundo rendeu 123,18% nos últimos 24 meses.

Para 2019, Glatt está otimista, embora uma parte das ações já estejam precificadas, especialmente a reforma da Previdência for encaminhada. "Acho que isso vai trazer o investidor que está de fora e pode estar voltando, que é o estrangeiro", explica. Se esse cenário de concretizar, "é bem possível" que o Ibovespa supere os 100 mil pontos ainda no primeiro semestre. 

Glatt explicou que o ano passado foi adverso em meio às eleições presidenciais e a guerra comercial entre Estados Unidos e China. Na medida em que a proposta de um governo mais liberal foi se aproximando da vitória, a percepção de risco diminuiu e fez com o fundo melhorasse sua performance, especialmente no último trimestre de 2018. 

Aproveite a baixa dos juros e diversifique: invista em ações com a melhor corretora do Brasil e com assessoria GRATUITA. Abra uma conta na XP!

Para 2019, Glatt estima bom desempenho das ações de bancos e destaca os papéis de Itaúsa em relação ao Itaú, com destaque para a política de dividendos da empresa. Sobre Cielo, o gestor afirma que há o receio de que a empresa perca espaço no mercado, especialmente após a abertura de capital das concorrentes PagSeguro e Stone na Nasdaq. 

Saravalle e Glatt também avaliaram a atratividade das ações da Usiminas e os fundamentos atuais da empresa.

Acompanhe o programa, na íntegra, no vídeo acima. 

 

Contato