Em mercados / acoes-e-indices

Decisão de Marco Aurélio dificulta venda de ativos da Petrobras, Embraer pode pagar dividendo de até US$ 1,7 bi e mais notícias

Confira os destaques corporativos desta quinta-feira (20)

Marco Aurélio Mello
(Carlos Humberto /SCO/STF)

SÃO PAULO - Os preços do petróleo caem nesta quinta-feira (20), retomando quedas vistas no início da semana, em meio a preocupações com o excesso de oferta e as perspectivas para a economia global. A notícia pode impactar as ações da Petrobras (PETR3; PETR4).

No radar InfoMoney desta quinta-feira (20), Cielo faz parceria com Banco Original para vencer concorrência, Embraer pode pagar dividendos de até US$ 1,7 bilhão após venda para Boeing, subsidiária da Ambev no Canadá faz parceria para bebidas cannabis e mais notícias.

Confira esses e mais destaques corporativos desta manhã:

Petrobras (PETR3; PETR4)

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu a eficácia de um decreto que dificulta a venda de ativos da Petrobras. O decreto 9.355 permitia que a estatal vendesse, por exemplo, campos de petróleo sem licitação e potencial venda de refinarias da estatal.

Segundo o Ministro, cabe ao Congresso, e não ao Executivo, legislar sobre licitações e contratações da Petrobras. Agora, a decisão será submetida ao plenário, em data ainda não definida, mas que deve ocorrer na “abertura do primeiro semestre do judiciário em 2019”.

Ainda no radar da companhia, a Petrobras manteve para amanhã (21) o preço da gasolina inalterado nas refinarias em R$ 1,6202/litro após revisão.

CCR (CCRO3)

A agência de classificação de risco Moody’s mudou ontem a perspectiva de rating da CCR, de ‘em revisão’ para ‘negativa’, dados possíveis efeitos negativos de investigações envolvendo denúncias de irregularidades pela Rodonorte, subsidiária da companhia no Paraná.

Lojas Americanas (LAME3)

Em reunião anual com investidores, a Lojas Americanas afirmou que espera grande potencial pela frente com a possibilidade de abertura de 3 mil lojas pelo Brasil, além do lançamento de franquias, para o modelo de lojas de conveniência. Após a reunião, a equipe de research da XP Investimentos reiterou compra para os papéis da companhia, com preço-alvo de R$ 21.

B2W Digital (BTOW3)

A XP Investimentos reiterou compra para os papéis de B2W com preço-alvo de R$ 43, após evento com investidores em que a companhia apresentou iniciativas de seu ciclo 2017-2019 com foco na plataforma digital, incluindo evolução de sortimento, "crédito seller" com taxas competitivas e soluções de logística.

Cielo (CIEL3)

A Cielo anunciou ontem uma parceria com o Banco Original para “oferecer um novo modelo de oferta digital e soluções de pagamento para o segmento de micro e pequenos empreendedores”. A iniciativa vem em meio a um ambiente de multiplicação de concorrentes.

Ambev (ABEV3)

A subsidiária canadense da Ambev, a Labatt, fechou uma parceria com a High Park Farms para pesquisar bebidas não alcoólicas contendo extratos presentes na cannabis. Segundo comunicado, cada uma das empresas poderá investir até US$ 50 milhões e a parceria está limitada ao Canadá.

Embraer (EMBR3)

De acordo com o jornal o Valor Econômico, com os recursos recebidos da Boeing a Embraer poderá distribuir dividendos extraordinários aos acionistas no valor de US$ 1,6 bilhão a US$ 1,7 bilhão - contra uma média de US$ 250 milhões distribuídos atualmente por ano.

Multiplan (MULT3)

A Multiplan confirmou que houve um aumento de 10% nas vendas reportadas por lojistas nos shoppings centers da companhia em novembro.

Gerdau (GGBR4)

O Conselho da Gerdau aprovou o adiantamento do aumento de capital de R$ 1,1 bilhão, que será feito na controlada Gerdau Aços Longos. Também foram aprovados aportes de capital, na forma de aumento de capital, no valor de até R$ 260 milhões (na Gerdau Hungria Kft) e de até R$ 300 milhões (na GTL Equity Investments).

Além disso, foi aprovada a aquisição de 1.299.783 ações ordinárias nominativas da Gerdau Aços Longos, de propriedade de Gerdau Açominas pelo valor de R$ 56,5 milhões.

Linx (LINX3)

O Itaú BBA atualizou suas estimativas para o ativo para incorporar premissas macro e os resultados mais recentes. Os analistas rolaram o preço-alvo para R$ 30 em 2019 (contra R$ 19,50 em 2018), mantendo a recomendação de ‘market perform’.

Iochpe Maxion (MYPK3)

A equipe de análise do Itapu BBA rolou o preço-alvo para os papéis da Iochpe Maxion no próximo ano para R$ 30, reafirmando a recomendação de ‘outperform’. “Com um balanço mais confortável, a Iochpe pode fortalecer sua presença global, concentrando-se no aumento da capacidade em países com baixos custos de produção e/ou com mercado interno forte”, escrevem os analistas.

E completam: “Projetamos aumentar a geração de caixa, principalmente apoiada pela melhora do EBITDA, contribuindo para uma maior desalavancagem”.

Seja sócio das maiores ações da bolsa: invista na Clear com corretagem ZERO

 

Contato