Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa acelera ganhos e sobe 1,5% com alta do petróleo se unindo à "esperança" sobre Fomc

Mercado de petróleo aponta leve recuperação após a forte queda da véspera

Jerome Powell
(Federal Reserve)

SÃO PAULO - A recuperação do petróleo se une à "esperança" sobre sinalizações mais brandas do Federal Reserve e faz com que o Ibovespa acelere os ganhos na tarde desta quarta-feira (19). Às 13h14 (horário de Brasília), o benchmark da Bolsa avançava 1,50%, a 87.908 pontos, enquanto o dólar comercial acelerou as perdas e tinha baixa de 0,68%, a R$ 3,875. 

O Brasil acompanha o exterior, com as principais bolsas mundiais de olho no comitê do Fed, que deve elevar o juro em 0,25 ponto percentual hoje, apesar da pressão contrária de Donald Trump. Mas os investidores seguem atentos mesmo sobre sinalizações sobre uma possível pausa em 2019. 

Diante do temor da recessão, a expectativa é de que o Fed passe a ter uma postura mais "dovish" ("amena") e possa reduzir a quantidade de altas de juros nos próximos meses. A tensão agora fica para o caso da decisão desta quarta mostrar uma postura oposta, ou seja, "hawkish", com um ritmo mais intenso de elevações. Veja a análise completa clicando aqui

Contribuindo para o cenário positivo, o Senado americano introduziu uma medida de curto prazo para evitar o shutdown (ou paralisação) do governo dos EUA. 

Em um cenário de maior tranquilidade para os mercados no aguardo da decisão do Fomc, as taxas dos principais contratos de juros futuros registram queda, também revertendo parte da alta da véspera com a leitura menos "dovish" da ata do Copom frente o comunicado do dia da decisão de manter a Selic em 6,5% ao ano. Com isso, houve a diminuição da expectativa de possíveis cortes na taxa básica de juros ano que vem. Nesta sessão, o contrato futuro com vencimento em janeiro de 2021 tem queda de 6 pontos-base, para 7,45%, enquanto o de vencimento em janeiro de 2023 tem baixa de 14 pontos-base, a 8,73%. 

No mercado de commodities internacional, o petróleo acelerou os ganhos e sobe cerca de 2% após despencar 7,3% na véspera, com preocupações do mercado sobre excesso de oferta e desaceleração do crescimento. A alta do petróleo gera impacto nas ações da Petrobras, com os ativos PN subindo quase 4%. 

Seja sócio das maiores empresas da bolsa com TAXA ZERO de corretagem! Clique aqui e abra uma conta na Clear! 

Na China, o dia foi de queda acompanhando o petróleo da véspera, mas os sinais sobre a relação entre chineses e americanos foram positivos para o mercado. Segundo comunicado do Ministério de Comércio chinês, autoridades com nível de vice-ministro de ambos os país dialogaram sobre o comércio bilateral por telefone nesta quarta-feira.

Soma-se ao cenário mais positivo a aprovação pela Comissão Europeia do orçamento da Itália para 2019, depois que Roma concordou em reduzir suas metas de déficit para os próximos três anos.  O orçamento não é considerado o ideal, mas suspende medidas disciplinares por parte da União Europeia contra a Itália.

Destaques do mercado

Em destaque no noticiário corporativo, o conselho de administração da Petrobras aprovou a distribuição antecipada aos acionistas sob a forma de juros sobre o capital de R$ 4,293 bilhões, ou R$ 0,05 por ação ON e de R$ 0,70 por ação PN (bruto). Em fato relevante, a companhia destaca que o valor será pago em até 60 dias após a Assembleia Geral Ordinária (AGO) a ser realizada em 25 de abril de 2019, ou em outra data a ser deliberada na AGO. Desta forma, os papéis PN registram avanço, enquanto os ONs caem. Também em destaque, a Vale avança pelo quinto dia seguido em meio à alta do minério. 

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 BTOW3 B2W DIGITAL ON 38,25 +4,34 +86,59 75,44M
 RAIL3 RUMO S.A. ON 16,95 +4,31 +30,69 71,43M
 CCRO3 CCR SA ON 12,20 +4,01 -20,30 30,88M
 PETR4 PETROBRAS PN N2 22,86 +3,91 +43,20 1,91B
 CMIG4 CEMIG PN 13,13 +3,79 +103,13 75,70M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 ELET3 ELETROBRAS ON 23,98 -3,38 +23,99 97,08M
 ELET6 ELETROBRAS PNB 27,82 -3,03 +22,56 41,45M
 ECOR3 ECORODOVIAS ON 9,42 -0,32 -17,43 13,05M
 ESTC3 ESTACIO PARTON 23,81 -0,29 -22,28 32,40M
 QUAL3 QUALICORP ON 13,57 -0,22 -54,63 4,94M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)



Reforma da Previdência no radar

As reformas em pauta para o ano que vem seguem sendo destaque no noticiário político de fim de ano. Conforme aponta o Estadão, governadores eleitos articulam frente para votar Previdência com regras que alcancem os servidores estaduais. A frente pró- reforma já tem o apoio de governadores de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás e Pará. Segundo a publicação, o futuro ministro da economia Paulo Guedes marcou para janeiro uma reunião com governadores para antecipar a reforma da Previdência. 

Já o Valor informa que o governo Bolsonaro vai adotar o projeto de reforma da Previdência enviado ao Congresso pelo presidente Michel Temer, em vez de formular e sugerir uma nova Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

Contudo, a consultoria de risco político Eurasia faz um alerta em relatório: o plano de Bolsonaro de não distribuir ministérios para possíveis aliados no Congresso pode ser risco para reformas. A estratégia desagrada líderes partidários e presidente eleito provavelmente terá de revê-la parcialmente no ano que vem.

Vale ressaltar que  o presidente eleito  desembarca hoje (19) em Brasília para comandar a primeira reunião ministerial com sua equipe completa. Os 22 ministros já indicados deverão estar presentes na residência oficial da Granja do Torto, utilizada por Bolsonaro como residência oficial quando está em Brasília.

(Com Agência Brasil, Agência Estado e Bloomberg)

 

Contato