Em mercados / acoes-e-indices

Os 5 assuntos que vão agitar os mercados nesta sexta-feira

Confira os destaques do mercado na sessão desta sexta-feira (30)

Onyx Lorenzoni e Paulo Guedes
(Valter Campanato/Agência Brasil)

SÃO PAULO - Após renovar a máxima histórica de fechamento na véspera, aos 89.710 pontos, a sessão deve ser de maior cautela para o Ibovespa nesta sexta-feira (30), com o exterior cauteloso antes da reunião do G20.

Enquanto isso, o noticiário político segue sendo destaque no Brasil, com os futuros ministros Paulo Guedes e OnyxLorenzoni  buscando entendimentos com Congresso. A agenda econômica também é agitada, com dados do PIB e resultado primário. Confira no que ficar de olho nesta sexta-feira (30): 

1. Bolsas mundiais

Após sessões de alta com uma postura mais "dovish" (branda) da ata do Fomc e do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, a sexta-feira é de queda para os índices futuros americanos e para as bolsas europeias, enquanto o dólar se fortalece com investidor assumindo cautela antes de encontro do G20.

Já as bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira, com investidores sinalizando otimismo de que os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, farão algum tipo de avanço no sentido de aliviar as tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo. Trump e Xi vão se encontrar neste sábado (01) à noite, às margens da reunião de cúpula de dois dias do G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo) que terá início hoje na Argentina.

As ações chinesas tiveram alta apesar de novas evidências de que a economia do gigante asiático está desacelerando. Dados oficiais mostraram que o índice de gerentes de compras (PMI) do setor industrial da China caiu de 50,2 em outubro para 50 em novembro, indicando estagnação da atividade manufatureira, enquanto o PMI de serviços recuou de 53,9 em outubro para 53,4 em novembro, sugerindo expansão mais fraca do segmento.

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na XP e conte com assessoria especializada e gratuita

No mercado de commodities, o petróleo opera em baixa após subir 2,3% na véspera, recuperando perda anterior; cobre recua e outros metais sobem em Londres.

Confira o desempenho do mercado, segundo cotação das 8h08 (horário de Brasília):

*S&P 500 Futuro (EUA) -0,32%

*Dow Jones Futuro (EUA) -0,27%

*Nasdaq Futuro (EUA) -0,32%

*DAX (Alemanha) -0,64%

*FTSE (Reino Unido) -0,75%

*CAC-40 (França) -0,49%

*FTSE MIB (Itália) -0,21%

*Hang Seng (Hong Kong) +0,21% (fechado)

*Xangai (China) +0,81% (fechado)

*Nikkei (Japão) +0,40% (fechado)

*Petróleo WTI -0,93%, a US$ 50,97 o barril

*Petróleo brent -0,42%, a US$ 59,26 o barril

*Bitcoin US$ 4.196,72 -3,11%
R$ 16.450 -2,92% (nas últimas 24 horas)

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian -0,44%, a 455,00 iuanes (nas últimas 24 horas) 

2. Agenda econômica

No mercado doméstico, destaque para a divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) do terceiro trimestre na sexta-feira (30) pelo IBGE às 9h (horário de Brasília). A expectativa, de acordo com expectativa mediana da Bloomberg, é de avanço de 0,8% na comparação trimestral e 1,6% comparado ao mesmo período do ano passado

Já o Banco Central divulga o resultado primário do setor público às 10h30 e comenta os dados em coletiva de imprensa às 11h00. Estimativa para o resultado primário consolidado de outubro é de R$ 7,8 bilhões, ante déficit de R$ 24,6 bilhões em setembro, segundo estimativa da Bloomberg; se confirmado, será primeiro dado mensal positivo desde abril.

O Banco Central oferta até 13.830 contratos de swap para rolagem na 2ª feira e sinaliza rolagem integral de swaps janeiro até 21 de dezembro. O total de contratos de swap cambial do BC equivale a cerca de US$ 68,9 bilhões, dos quais US$ 10,4 bilhões vencem em 2 de janeiro, segundo a autoridade monetária. A Aneel ainda divulga bandeira tarifária para dezembro; segundo o Valor, a conta de luz deve voltar à bandeira verde.

Nos EUA, às 12h45, sai nos EUA o índice de Gerente de Compras de Chicago de novembro. 

3. Conexão Brasília na IMTV

O Conexão Brasília desta semana recebe Rafael Cortez, analista político da Tendências Consultoria. Na pauta, destaque para as movimentações do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) já na etapa final das nomeações de seu ministério, as expectativas para a agenda de ajuste fiscal na próxima legislatura e as impressões sobre a equipe formada para o futuro governo. O programa é transmitido ao vivo, a partir das 14h45 (horário de Brasília), pela IMTV e página do InfoMoney no Facebook.

4. Noticiário político 

O destaque nos jornais de hoje fica com a busca do governo eleito de Jair Bolsonaro com o Congresso. Segundo a coluna do Estadão, o futuro ministro da Economia Paulo Guedes jantou secretamente com o senador Renan Calheiros (MDB-AL) buscando aproximação, e ambos teriam aprovado o encontro. Renan teria brincado que a partir de agora será liberal com relação a Chicago, em referência à escola de Guedes, e conservador em relação a Curitiba, terra de Sérgio Moro. 

O jornal também destaca que, com a Esplanada dos Ministérios quase completa, Bolsonaro começará  diálogo com as bancadas partidárias. Recebe na próxima terça-feira os 30 deputados federais do PRB. O PR também conseguiu agendar conversa enquanto que o Painel, da Folha, cita também o MDB e informa que o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), procurou o PSDB para conversas. 

Em entrevista a Roberto D´ávila que vai ao ar hoje na Globo News, Onyx disse que base do novo governo no Congresso terá 350 parlamentares, - um número que, se confirmado, daria margem de folga para governo aprovar reformas como a Previdência, que exige 308 votos.

Os cargos para os ministérios estão quase completos, sem que a bancada evangélica tenha sido contemplada. Contudo, segundo informa O Globo, alguns dos principais líderes da bancada afirmaram que a pastora evangélica Damares Alves, assessora parlamentar de Magno Malta (PR-ES), foi convidada por Bolsonaro para ocupar o posto de ministra de Direitos Humanos e Mulheres.

Vale ficar de olho ainda no STF: a Segunda Turma do Supremo marcou para a próxima terça-feira (4) o julgamento de mais um pedido de liberdade feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O processo estava liberado para julgamento pelo relator, ministro Edson Fachin.  Fazem parte do colegiado os ministros Gilmar Mendes, Celso de Mello, Cármen Lúcia, Fachin e o presidente, Ricardo Lewandowski.

5. Noticiário corporativo

A Petrobras segue mais uma vez em destaque no radar corporativo. De acordo com informações do jornal O Globo, o governo tenta evitar adiamento de megaleilão do pré- sal. Mesmo com a indefinição no Senado sobre o projeto de lei que dá segurança para a licitação, o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Félix, vai apresentar nesta sexta-feira a investidores nos Estados Unidos as informações.

Ainda sobre estatais, Lewandowski concedeu nesta quinta-feira liminar para revogar decisão anteriormente dada por ele que impedia a venda da distribuidora da Eletrobras no Alagoas (Ceal), segundo documento obtido pela Reuters. Já o Globo informa que a Cemig compra ações de bancos na Light por R$ 650 milhões, mas se mantém minoritária.

Já a IMC diz que novo edital de OPA não esclarece proposta da Sapore. A Suzano realiza teleconferência com analistas e investidores sobre próximas etapas da operação com a Fibria às 12h. Por fim, após lay-off, a BRF retomará abates de frango em Chapecó em janeiro, diz o Valor. 

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na XP e conte com assessoria especializada e gratuita

 

Contato