Em mercados / acoes-e-indices

Petrobras tem dia instável entre novo CEO e petróleo, Cielo tem nova sessão de forte baixa e Vale cai com tensão comercial

Confira os destaques do mercado na sessão desta segunda-feira (19)

fachada Petrobras
(Agência Petrobras / Stéferson Faria)

SÃO PAULO - A sessão é de perdas para o Ibovespa, com o mercado repercutindo o impasse comercial entre EUA e China e em um dia de instabilidade para o petróleo, com o mercado aguardando novos sinais da Opep. A sessão é marcada ainda pelo vencimento de opções sobre ações, o que aumenta a volatilidade do índice, em uma semana marcada por feriado na terça-feira na B3 e na quinta-feira em Wall Street. Confira os destaques:

Petrobras (PETR3;PETR4)

A sessão é movimentada para a Petrobras. Os papéis chegaram a abrir em queda, passaram a subir mais de 1% repercutindo o novo CEO da estatal, mas voltaram a cair seguindo o petróleo, que cai mais de 1% à espera de novos sinais da Opep sobre corte de produção para segurar o preço da commodity. 

No radar da estatal, Roberto Castello Branco será o novo presidente da companhia, segundo nota o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo Guedes, Ivan Monteiro continuará no cargo até a nomeação de Jair Bolsonaro no começo de janeiro.

Castello Branco tem tem doutorado em Economia pela FGV e pós-doutorado pela Universidade de Chicago. Uma de suas primeiras atuações profissionais foi como professor na Escola de Pós-Graduação em Economia da própria FGV. Em seguida, em 1985, assumiu o cargo de diretor de Normas e Mercado de Capitais do Banco Central, no governo de José Sarney. Nos anos seguintes atuou como diretor em diversas instituições financeiras. 

Em 1999 se tornou diretor de Relações com Investidores e economista-chefe da Vale, cargo em que ficou por quinze anos. Após sua saída da mineradora, entre 2015 e 2016 foi membro do conselho de administração da Petrobras. Atualmente, Castello Branco atua como diretor da FGV.

Os investidores da Petrobras ainda aguardam possíveis desdobramentos sobre a cessão onerosa. A companhia pode receber uma bolada do governo federal caso seja aprovada a revisão do contrato, que está prevista para ser votada nesta semana. Notícias recentes apontam que este valor deve chegar a R$ 30 bilhões.

Banco do Brasil (BBAS3)

Com a entrada de Castello Branco programada para janeiro, o futuro ministro da Economia de Bolsonaro já articula o retorno de Ivan Monteiro ao comando do Banco do Brasil, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo. Antes de ir para a Petrobras, Monteiro era vice-presidente de Finanças do banco estatal, sendo que era considerado um dos melhores na área pelo mercado financeiro.

Suzano (SUZB3)

Em um dia de queda para a maior parte das ações brasileiras, a sessão começou com ganhos para a Suzano com a alta do dólar. A divisa americana chegou a registrar ganhos de 0,59%, a R$ 3,762, mas amenizou a alta, fazendo com que a ação virasse para perdas. 

Vale (VALE3)

A ação da Vale registra queda seguindo as preocupações com a disputa comercial entre EUA e China. O vice-presidente americano, Mike Pence, fez duras críticas à China em encontro no fim de semana, dizendo que os países devem evitar se endividar junto ao país asiático e que os EUA não estão com pressa em encerrar a guerra comercial.

Na sexta-feira (16), o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que poderá não impor mais tarifas a produtos chineses depois de Pequim enviar uma lista de medidas, numa indicação de que deseja superar as atuais divergências comerciais. O comentário gerou especulação sobre um possível acordo quando Trump se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, às margens de uma cúpula do G-20 a ser realizada na Argentina, no fim deste mês.

Segundo informações da Bloomberg, a Vale pretende utilizar recursos próprios para financiar o projeto da mina de níquel que fica localizada em Nova Caledônia, uma ilha no Pacífico. 

IMC (MEAL3)

A Sapore, por meio de sua controladora Abanzai, publicou edital com os termos da OPA (Oferta Pública de Aquisição de Ações) para comprar até 49,99% da IMC, donas das redes de restaurantes Viena e Frango Assado. O preço será de R$ 8,00 por ação e o leilão na B3 será realizado em 19 de dezembro às 12h00 (horário de Brasília).

Minerva (BEEF3)

A empresa quer vender boi vivo para o Irã em 2019, segundo informações do O Estado de S. Paulo. De acordo com a reportagem, a expectativa da companhia é de que os iranianos alcancem a mesma importância da Turquia para o setor de boi em pé no Brasil. De acordo com a Associação Brasileira dos Exportadores de Animais Vivos, os turcos respondem por mais de 80% dos embarques deste segmento no Brasil e a entidade espera que a receita com essas vendas chegue a US$ 700 milhões em 2018.

TIM (TIMP3)

A Telecom Italia, que controla as operações da TIM no Brasil, nomeou Luigi Gubitosi como seu novo executivo-chefe, em substituição a Amos Genish, que foi afastado do cargo na semana passada. Com a notícia, a ação da empresa italiana dispara mais de 5% na bolsa de Milão e esse efeito deve ser visto pelas ações negociadas na bolsa brasileira.

Cielo (CIEL3)

A sessão é mais uma vez de forte queda para a Cielo, com duas notícias no radar da companhia.  O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu uma investigação contra as principais bandeiras de cartões do país para apurar possíveis violações: Visa,  Mastercard, American Express e Elo são alvos do órgão antitruste na investigação. Com essa variação, a baixa acumulada desde o início do ano chega a 57,32%.

Além disso, uma das principais concorrentes da Cielo na "guerra das maquininhas", a Stone teve uma enxurrada de início de cobertura nos EUA nesta segunda-feira. Com elogios para a execução da empresa e seu plano de expansão de mercado, justamente que levando a derrocada da Cielo, BTG Pactual e Morgan Stanley recomendaram compra para os papéis da empresa, enquanto Goldman Sachs e JPMorgan iniciaram com recomendação neutra para as ações. 

O Credit Suisse foi além, iniciou Stone com recomendação underperform e reduziu a recomendação da Cielo também para underperform. 

Aproveite as oportunidades da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO de corretagem!

 

 

Contato