Em mercados / acoes-e-indices

Presidente brasileiro da Renault-Nissan, Carlos Ghosn é detido por fraude fiscal; ações despencam 13%

A montadora informou que seu diretor executivo, Hiroto Saikawa, proporá agora ao Conselho de Administração da Nissan que tire Ghosn e Kelly de seus cargos

Carlos Ghosn - CEO Nissan
(Kim Kyung-Hoon/Reuters)

SÃO PAULO - O presidente e diretor-executivo do grupo Renault-Nissan, o franco-brasileiro de origem libanesa  Carlos Ghosn, foi detido por suspeitas de fraude fiscal, informou o jornal japonês Yomiuri. 

Nesta segunda-feira (19), as autoridades japonesas deflagraram uma operação de investigação em meio às suspeitas de que o executivo da gigante automobilística tenha subestimado seus rendimentos em declaração de impostos. 

As autoridades japonesas fizeram buscas na sede da Nissan, assim como em outros locais relacionados com a fabricante de automóveis.

A notícia surpreendeu muitos analistas, uma vez que Ghosn é muito bem avaliado mundialmente e conseguiu recuperar a Nissan da ameaça de falência. 

A montadora japonesa disse também nesta segunda-feira, em comunicado, que Ghosn usou ativos da empresa para uso pessoal e que havia investigação de possíveis práticas impróprias de Ghosn e do diretor Greg Kelly por vários meses. A Nissan ainda confirmou que  Ghosn está sob investigação depois que ele supostamente violou a lei financeira japonesa.

A montadora informou que seu diretor executivo, Hiroto Saikawa, proporá agora ao Conselho de Administração da Nissan que tire Ghosn e Kelly de seus cargos. 

As ações da Nissan já haviam parado de ser negociadas nesta segunda-feira após essas informações, mas as ações da Renault - que também tem Ghosn como CEO e presidente - atingiram seu nível mais baixo em três anos e registravam baixa de 13% às 8h47 (horário de Brasília). 

De acordo com a Promotoria de Justiça de Tóquio, a remuneração de Ghosn totalizou quase 1,1 bilhão de ienes, ou cerca de US$ 9,7 milhões de dólares, no ano fiscal de 2016. Porém, para o ano fiscal de 2017, o executivo relatou um total de 730 milhões de ienes - queda de 33%.

Nascido no Brasil, descendente de libaneses e cidadão francês, iniciou sua carreira na Michelin na França e depois foi para a Renault. Ele se juntou à Nissan em 1999 depois que a Renault comprou uma participação controladora e se tornou seu presidente-executivo em 2001.

(Com Agências)

 

Contato