Em mercados / acoes-e-indices

O que muda para o trader com o início do horário de verão no Brasil e o fim nos EUA?

Redução da liquidez e da volatilidade na abertura não é bem-vinda para os day traders

Trader
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Neste último final de semana tivemos o início do horário de verão no Brasil e o término nos EUA, mudança de fuso horário que pela grande parte dos traders, em especial para quem opera day trade, não é tão bem-vinda.

Com o ajuste dos relógios nos EUA, as cidades de Nova York -- onde fica localizada a bolsa norte-americana -- e Washington -- sede do governo -- vão ficar 3 horas atrás do horário oficial brasileiro. Como consequência, a abertura das bolsas dos EUA pulou para 12h30 (horário de Brasília), enquanto a B3 seguirá abrindo às 10h00, diferença que afeta diretamente a liquidez e isso definitivamente não é bom negócio para operações de day trade.

Aproveite o bom momento da Bolsa:  abra sua conta na Clear com taxa ZERO de corretagem!

Por definição, liquidez é a facilidade com que um ativo pode ser convertido no meio de troca da economia, ou seja, em dinheiro. Passando este conceito para o mercado financeiro, seria a facilidade de comprar ou vender determinado ativo - ação ou contratos futuros - sem pagar um alto spread ao executar sua ordem (diferença entre o preço de venda e o encerramento da operação). Com a diferença, a chance de tomar as famosas "violinadas" crescem, sem falar que a falta dos "gringos" na abertura do mercado reduz a volatilidade do mercado, componente importante quando estamos falando deste tipo de operação.

Via de regra, quanto maior a volatilidade no intraday, crescem as chances de surgirem operações de day trade ao longo do dia, ainda mais quando estamos falando da abertura do mercado, quando diversas oportunidades são abertas e estratégias executadas, como baseadas na abertura dos gaps ou até mesmo rompimento de suporte/resistência. Por fim, indicadores importantes da economia dos EUA, como PIB (Produto Interno Bruto), Relatório de Emprego e dados de inflação, serão publicados às 11h30 pelo horário de Brasília, ou seja, os investidores terão que digerir os resultados com o mercado aberto.

Uma hora a mais para compensar

Para compensar, a Bolsa brasileira irá fechar às 18h00, sendo que não teremos after-market, que são as negociações após o encerramento da sessão regular. Segundo a própria B3, a intenção é manter o fluxo de clientes estrangeiros dada a diferença de horário entre os países.

A Bolsa não informou a data exata em que o pregão voltará ao horário regular e vale lembrar que o horário de verão brasileiro vai até o dia 16 de fevereiro de 2019, enquanto nos EUA essa mudança vai durar até 10 de março do ano que vem.

 

Contato