Em mercados / acoes-e-indices

Zema recua na privatização de Copasa e Cemig, Cyrela e Eztec divulgam prévias do 3º trimestre e mais notícias

Confira os destaques corporativos desta quarta-feira (17)

Cemig 02 -
(Divulgação Cemig)

SÃO PAULO - Os preços do petróleo subiram pelo quarto dia seguido nesta quarta-feira (17), depois que os dados da indústria mostraram um declínio surpreendente nos estoques de petróleo dos EUA. Além disso, a tensão com o desaparecimento de um proeminente jornalista saudita alimentou preocupações com o abastecimento. A notícia pode impactar as ações da Petrobras (PETR3; PETR4).

No radar, o candidato ao governo de Minas Gerais pelo partido Novo, Romeu Zema, voltou atrás nas propostas de privatizações da Cemig e da Copasa, Cyrela e Eztec divulgam prévias do terceiro trimestre, Carrefour divulga desempenho de vendas e mais notícias.

Confira os destaques corporativos desta quarta-feira (17):

Cyrela (CYRE3)

A Cyrela divulgou ontem após o fechamento do mercado a prévia dos resultados operacionais do terceiro trimestre. O volume de lançamentos foi de R$ 918 milhões, um aumento de 72,7% em relação ao realizado no mesmo período do ano anterior, as vendas líquidas totalizaram R$ 943 milhões e as Vendas sobre Oferta (VSO) de 12 meses ficou em 39,4% - 32,7% acima do apresentado no mesmo trimestre de 2017. No período foram lançados 12 empreendimentos.

Em relatório intitulado “céus mais claros adiante”, o Bradesco BBI afirmou que espera que a companhia continue entregando uma  sólida geração de caixa sólida.

“Continuamos otimistas com os dados operacionais de Cyrela para os próximos trimestres, e vemos a companhia bem posicionada no atual mercado, com cerca de metade do seu volume advindo do segmento de baixa renda, enquanto os projetos de média e alta renda podem se beneficiar com uma retomada da economia”, escrevem os analistas.

Carrefour Brasil (CRFB3)

O Carrefour divulgou o desempenho de vendas do terceiro trimestre. De acordo com a empresa, as iniciativas do “Plano de Transformação Carrefour 2022”, combinadas com os avanços adicionais da estratégia omnicanal, ajudaram a impulsionar o desempenho de vendas em todos os formatos no trimestre”.

No período, as vendas brutas totais, ex-gasolina, cresceram 8,3%, enquanto as Vendas Mesmas Lojas (LfL, ou like-for-like) aceleraram para 5,1%, mostrando um crescimento em todos os formatos. Os resultados do 3º trimestre devem ser anunciados no próximo dia 7.

Para os analistas do Bradesco BBI, a aceleração no crescimento do SSS (Vendas nas Mesmas Lojas, na sigla em inglês), é positivo. “Esperamos ver uma maior aceleração no quarto trimestre com o aumento da inflação dos alimentos”, escrevem.

A equipe de análise destaca que os resultados do Carrefour vieram abaixo dos apresentados pelo Pão de Açúcar (na segunda-feira). “Se excluirmos o e-commerce dos 3% de aumento no SSS do Carrefour, o crescimento do SSS nos hipermercados ficou próximo de 0%, o que é consideravelmente abaixo dos 7,4% reportados pelo GPA em seus hipermercados”, escrevem.

Com relação aos desempenhos de vendas, os analistas do BTG Pactual escrevem: “Seguimos com uma visão estrutural cautelosa para os grandes players do setor de varejo de alimentos, preferindo inclusive ficar fora de ambos (CRFB e PCAR). No relativo, a preferência é por PCAR”.

A hora de investir em ações é agora: abra uma conta na Clear com taxa ZERO de corretagem!

Tenda (TEND3)

A Construtora Tenda divulgou a prévia dos resultados operacionais do 3º trimestre. No período, a companhia registrou R$ 577 milhões em lançamentos - aumento de 18% na comparação com o mesmo período do ano anterior -, desempenho recorde de Vendas Líquidas de R$ 489,9 milhões (27% superior ao terceiro trimestre de 2017) e 32% de Vendas sobre Oferta (VSO), um incremento de 6,8 p.p. frente ao 3º trimestre de 2017.

Na opinião do Bradesco BBI, o motivo por trás dessa performance é a grande absorção de unidades lançadas no programa Minha Casa Minha Vida. “Além do fato de que Tenda deva continuar entregando dados operacionais sólido nos próximos trimestres, o que deve impactar positivamente o lucro, também devemos continuar vendo um sólido fluxo de caixa livre”, escrevem os analistas.

Eztec (EZTC3)

A Eztec divulgou ontem após o fechamento do mercado a prévia dos resultados operacionais do terceiro trimestre de 2018. A companhia registrou vendas líquidas no valor de R$ 121,4 milhões, superiores ao do mesmo período do ano anterior.

As vendas brutas vieram em R$ 167,2 milhões, com avanço de 24% em relação ao trimestre anterior, com boa velocidade de vendas e leve aceleração na venda de estoques. Os distratos, por sua vez,  ficaram em R$ 45,8 milhões.

Em relatório, o BTG Pactual comenta os resultados da construtora e reforça que os números vieram fracos. “Apesar de reconhecermos a lucratividade e um forte histórico de Eztec, acreditamos que os resultados devem permanecer fracos por um tempo (uma vez que as vendas e os lançamentos estão levando mais tempo para se recuperarem), enquanto o valuation não é particularmente atrativo”, escrevem.

Cemig (CMIG4); Copasa (CSMG3)

Em entrevista ao G1, o candidato ao governo de Minas Gerais Romeu Zema (Novo), recuou das propostas de privatizações da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) e da Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais).

“Eu havia mencionado que nós tínhamos como plano privatizar a Cemig, Copasa etc. Mas hoje essas empresas estão mal gerenciadas, com valor de mercado muito pequeno e nós não vamos vender nada barato”, disse. E completo: “Bem lá na frente pode até privatizar, mas talvez nem seja necessário”.

Vale destacar que, em entrevista concedida ao InfoMoney na segunda-feira passada (8), Zema apontou interesse em privatizar a Cemig e a Copasa caso eleito, mas disse que as medidas não seriam imediatas, e que, primeiro, gostaria que as companhias atingissem um valor de mercado justo. Vale destacar que os papéis das duas empresas dispararam desde que ganhou força a chance de Zema ir para o segundo turno e, depois, com o candidato do Novo aparecendo surpreendentemente em primeiro lugar no resultado do primeiro turno, o que levou a um grande otimismo de diversas casas de análise

Eletrobras (ELET6)

O Senado rejeitou por 34 votos a 18 e uma abstenção, o projeto de lei que alteraria regras do setor elétrico e buscava viabilizar a privatização de distribuidoras da Petrobras. Desta forma, vai ao arquivo e não terá validade. Além disso, após a decisão, as distribuidoras do Amazonas e de Alagoas devem ser liquidadas.

Vale (VALE3)

De acordo com a Vale, o fluxo de caixa livre da companhia este ano será de US$ 10 bilhões, sem contar os desinvestimentos, que já superaram a meta estipulada para 2018. Neste cenário, a questão da dívida da companhia saiu do horizonte. Desta forma, o maior uso do caixa será na política de dividendos e de recompra e ações.

Ainda de acordo com a estatal, há a expectativa de que a Samarco retome suas operações no início de 2020, com capacidade reduzida, devendo incrementar sua produção lentamente ao longo dos anos. "Cabe ressaltar, porém, que essa estimativa continua totalmente condicionada à obtenção das licenças necessárias para a operação, cujo processo ainda está em discussão e sujeito à aprovação pelas autoridades competentes, o que pode impactar essa estimativa", escreve a Vale.

Invista em ações da Vale sem pagar taxa de corretagem: abra uma conta na Clear

 

Contato