Em mercados / acoes-e-indices

Os 5 assuntos que vão agitar os mercados nesta quinta-feira

Pesquisa eleitoral e alívio em sobretaxa do aço pelos EUA estão no radar dos investidores 

Candidatos

SÃO PAULO - O mercado doméstico deve repercutir mais uma pesquisa eleitoral nesta quinta-feira (30). Pesquisa DataPoder360 mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na liderança, com 30% da intenção de voto, seguido por Jair Bolsonaro (PSL), com 21% das intenções. Quando o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) é apresentado como "apoiado por Lula", seu potencial de voto chega a até 34%, aponta o levantamento. 

No âmbito corporativo, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump flexibilizou a sobretaxa do aço, o que pode beneficiar as siderúrgicas brasileiras. 

Veja no que ficar de olho nesta quinta-feira (30):

1. Bolsas mundiais

As bolsas asiáticas encerraram majoritariamente em queda revertendo a abertura no positivo após o anúncio de planos de fusão entre a terceira e quarta maiores operadoras de telecomunicações da Austrália. Também no radar, está a tensão entre Estados Unidos e China, que pesa também nas bolsas da Europa. 

Os índices futuros em Wall Street apontam para uma abertura em patamar negativo após duas sessões de alta com os dados econômicos americanos e em meio à evolução das discussões e acordo de comércio global. Na segunda-feira (27), os Estados Unidos fecharam um acordo comercial com o México, que substituiria o atual Nafta entre os dois países e o Canadá, que ainda não teve suas negociações encerradas. 

O dólar se fortalece ante a maioria dos pares após Donald Trump acusar a China de minar os esforços norte-americanos para conseguir que Coreia do Norte desista de armas nucleares. Trump também assinou decretos que permitem o “alívio das limitações quantitativas” das importações de aço e alumínio de vários países. 

  • No mercado de commodities, o preço do petróleo WTI sobe e se aproxima de US$ 70 com baixa de estoques e os metais operam em queda em Londres.
  • Confira o desempenho do mercado, segundo cotação das 7h41 (horário de Brasília):

*S&P 500 Futuro (EUA) -0,12%

*Dow Jones Futuro (EUA) -0,24%

*Nasdaq Futuro (EUA) -0,15%

*DAX (Alemanha) -0,97%

*FTSE (Reino Unido) -0,75%

*CAC-40 (França) -0,43%

*FTSE MIB (Itália) -0,63%

*Hang Seng (Hong Kong) -0,89% (fechado)

*Xangai (China) -1,14% (fechado)

*Nikkei (Japão) +0,09% (fechado)

*Petróleo WTI +0,39%, a US$ 69,78 o barril

*Petróleo brent +0,43%, a US$ 77,43 o barril

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian +0,10%, a 484,50 iuanes (nas últimas 24 horas) 

*Bitcoin US$ 6.909,38 -1,80%
R$ 28.500 -0,06% (nas últimas 24 horas)

2. Agenda de indicadores

Na agenda doméstica, destaque para o resultado de julho da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), às 9h (de Brasília). A taxa de desemprego deve ficar estável em 12,4% no trimestre encerrado em julho, segundo a GO Associados, que diz ainda que os dados devem continuar mostrando um cenário de fraco crescimento do pessoal ocupado, especialmente com carteira assinada.

A Secretaria do Tesouro Nacional informa o resultado fiscal de julho do governo central, às 14h30, que inclui o Tesouro Nacional, o Banco Central e a Previdência. A GO Associados estima déficit primário de R$ 12,9 bilhões no mês levando a um resultado negativo de R$ 94 bilhões em 12 meses.

Nos Estados Unidos serão divulgados os índices de preços do PCE (Personal Consumption Expenditure) referentes ao mês de julho, às 9h30. O indicador é o preferido do Fed (Federal Reserve, o banco central norte-americano) para acompanhar a inflação do país e auxiliar no processo de decisão de política monetária do país. Também às 9h30, serão divulgados os pedidos de seguro-desemprego.

Quer proteger seus investimentos das incertezas das eleições? Clique aqui e abra sua conta na XP Investimentos

3. Conexão Brasília no IMTV

O Conexão Brasília desta semana entrevista os cientistas políticos Carlos Eduardo Borenstein, da consultoria Arko Advice, e Paulo Moura, especialista em comunicação política. Na pauta, destaque para o início das propagandas eleitorais no rádio e na televisão e as esperadas estratégias de cada candidato para a fase mais importante da corrida presidencial. O programa é transmitido ao vivo, a partir das 10h (horário de Brasília), pela IMTV e pela página do InfoMoney no Facebook.

4. Noticiário político 

Pesquisa DataPoder360 divulgada na noite de quarta-feira (29) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na liderança, com 30% da intenção de voto, seguido por Jair Bolsonaro (PSL), com 21% das intenções. Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) aparecem empatados com 7%, e Marina Silva (Rede), com 6%.

Quando o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) é apresentado como "apoiado por Lula", seu potencial de voto chega a até 34%, aponta o levantamento. A taxa de “voto com certeza” em Haddad é de 8% e esse é o voto mais consolidado do petista. No entanto, o ex-prefeito tem rejeição de 52%. O potencial de voto em Bolsonaro, Ciro Gomes, Marina, Alckmin e Álvaro Dias (Podemos) varia de 5% a 9% –ou seja, praticamente todos empatados dentro da margem de erro de 2 pontos para mais ou para menos quando se trata de ter eleitores dizendo que “votam com certeza” nesses nomes.

Em nenhuma pesquisa realizada pelo DataPoder360 Bolsonaro esteve abaixo dos 14% de intenção de voto. Ele é também o nome com maior rejeição na disputa pela Presidência, porém os eleitores que votam em Bolsonaro parecem estar firmemente decididos.

Sobre a situação da candidatura de Lula, a presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministra Rosa Weber, marcou para sexta-feira (31) uma sessão extraordinária em que deve ser julgado o pedido de liminar para que o ex-presidente seja proibido de fazer propaganda no horário eleitoral gratuito. A sessão foi marcada para 14h30 e irá julgar também o registro de candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB). A defesa do petista tem até 23h59 desta quinta-feira para contestar as impugnações à sua candidatura.

Nas sabatinas, o terceiro candidato à presidência da República entrevistado no Jornal Nacional, da TV Globo, foi o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), que precisou passar boa parte do tempo defendendo a aliança construída por sua campanha com os partidos do chamado "centrão" (PP, DEM, PR, PRB e Solidariedade) e prestando explicações sobre acusações envolvendo correligionários e figuras próximas à sua gestão no Executivo estadual.

O tema da ética na política e o combate à corrupção ocupou cerca de 15 dos 27 minutos totais da entrevista. Ainda houve questionamentos sobre a continuidade do senador Aécio Neves e do ex-governador e ex-presidente tucano Eduardo Azeredo no PSDB. "Aécio não foi condenado. Está sendo investigado e vai responder na Justiça. Azeredo já está afastado da política há muito tempo. Ele vai sair do PSDB, não precisa nem expulsar", justificou. Quando teve seu comportamento comparado ao de adversários que critica, Alckmin rebateu: "Não vamos a porta de penitenciária para contestar a Justiça". 

"A sensação é que, com perfil mais tradicional que seus candidatos rivais, o tucano acabou entrando mais no jogo de William Bonner e Renata Vasconcellos e perdeu o controle da entrevista", avaliou a equipe de análise da XP Política. O Jornal Nacional da Globo entrevista Marina Silva (Rede) nesta quinta-feira (30). 

5. Noticiário corporativo

De 15 a 30 companhias brasileiras estão prontas para listarem suas ações na bolsa até o final de 2019, movimento que pode deslanchar após o fim das eleições presidenciais deste ano, disse o presidente-executivo da B3, Gilson Finkelsztain, em entrevista à Reuters. 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou, na noite de quarta-feira (29), que vai aliviar as cotas de importação de aço e alumínio que excedam as cotas livres do pagamento das sobretaxas impostas pelo governo em março. A decisão beneficia Brasil, Argentina e Coreia do Sul.

A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) aprovou as primeiras empresas aptas a participar da 5ª Rodada de partilha do pré-sal. Foram aprovadas a BP, a CNODC, a DEA Deutsche Erdoel, a QPI, a Shell e a Total. Ao todo, 12 empresas manifestaram interesse à ANP, e outras solicitações serão analisadas nas próximas reuniões da Comissão Especial de Licitação da autarquia.

A ANP desinterditou na quarta-feira (29) as instalações da Refinaria de Paulínia (Replan), da Petrobras, que não foram afetadas pelo incêndio ocorrido no último dia 20. A agência  informou que a desinterdição ocorre após verificação das condições de segurança do isolamento das unidades envolvidas no acidente por uma equipe do órgão. 

  • A CSN cancelou sua distribuição de dividendos após decisão da Justiça de bloquear os proventos. 

Quer investir pagando apenas R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear.

Contato