Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa cai 1,5% de olho na crise da Turquia e em dia de definições eleitorais

A sessão também é marcada pelo vencimento de opções sobre Ibovespa e pela reta final da temporada de balanços

Turquia e Estados Unidos
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Após duas sessões de alta de mais de 1% do Ibovespa, a sessão desta quarta-feira (15) é de queda para o índice, acompanhando o exterior em meio à crise na Turquia, mas também de olho no noticiário político. Às 10h48 (horário de Brasília), o índice registrava baixa de 1,51%, a 77.411 pontos, enquanto o dólar avançava cerca de 1%, superando os R$ 3,91. 

A sessão também é marcada pelo vencimento de opções sobre Ibovespa e pela reta final da temporada de balanços, além de uma bateria de indicadores econômicos nos EUA, como vendas no varejo e produção industrial. 

O clima de aversão ao risco voltou ao mercado, levando à queda da maior parte das bolsas mundiais e também de moedas emergentes, apesar da reação da lira após medidas do governo turco contra vendas a descoberto da moeda e para taxar produtos americanos. O ambiente negativo também se revela em baixas da bolsa de Xangai e das commodities.

Nesta quarta, a Turquia anunciou em retaliação aos EUA um aumento das tarifas de vários produtos importados do país. "As taxas de importação de determinados produtos foram aumentadas de modo recíprocos aos ataques deliberados da administração americana a nossa economia", anunciou no Twitter o vice-presidente turco Fuat Oktay.

No mercado de commodities, o cobre e outros metais caem em Londres e o minério recua na China; petróleo também cede influenciado por alta em estoques americanos. Tal movimento leva à queda de Petrobras (PETR3;PETR4) e Vale (VALE3)

Quer investir pagando apenas R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear.

A aversão ao risco também afeta o mercado de juros futuros, com o contrato com vencimento em janeiro de 2021 tendo alta de 0,12 ponto percentual, a 9,34%, enquanto o contrato com vencimento no mesmo mês de 2023 tinha alta de 0,10 ponto percentual, a 10,83%. 

Já no campo econômico, o IBC-Br em junho teve 3,29% na comparação mensal, em linha com a estimativa de 3,3% e anulando o efeito do tombo de 3,28% (revisado) no maio travado pela greve dos caminhoneiros.

Altas e baixas do Ibovespa

Os maiores destaques da bolsa são os referentes a resultados. A Kroton reportou queda de 12,8% em seu lucro líquido ajustado, para R$ 562 milhões e vê seus papéis caírem forte, sendo seguida pela Qualicorp,  que teve lucro líquido consolidado de R$ 88,6 milhões, crescimento de 24% ante o segundo trimestre de 2017. Já o Ebitda ajustado foi de R$ 214,4 milhões, apontando recuo de 9,7% em decorrência de maior gasto com pessoal e despesas operacionais ligadas ao processo de reajuste que busca maior retenção de clientes.

Em seguida, está a Estácio, com alta do lucro líquido de 42,5%, para R$ 236,9 milhões. O Ebitda ficou em R$ 274,1 milhões, aumento de 7,9% na comparação anual. 


As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 KROT3 KROTON ON 10,38 -4,51 -42,65 21,81M
 QUAL3 QUALICORP ON 18,11 -4,43 -39,45 33,26M
 ESTC3 ESTACIO PARTON 24,39 -3,67 -25,00 18,50M
 MRFG3 MARFRIG ON 6,90 -3,63 -5,74 13,90M
 BTOW3 B2W DIGITAL ON 29,17 -3,09 +42,29 7,92M

 

Enquanto isso, um dos maiores destaques da bolsa fica para a JBS, que também reportou os seus números. A JBS teve prejuízo de R$ 827 milhões, revertendo resultado positivo do segundo trimestre do ano passado. O resultado negativo é decorrente do impacto bilionário de variação cambial sobre o resultado financeiro da companhia. A companhia afirmou sem o impacto cambial, o lucro líquido seria de R$ 3 bilhões. A despesa financeira líquida somou R$ 4,7 bilhões. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi de de R$ 4,24 bilhões, aumento de 12,8% em base anual.  Para ver mais destaques do mercado, clique aqui.

 

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 BBSE3 BBSEGURIDADEON EDR 25,45 +4,35 -4,73 57,57M
 JBSS3 JBS ON 9,20 +3,14 -5,71 43,74M
 ELET3 ELETROBRAS ON 15,45 +2,45 -20,11 13,35M
 CPLE6 COPEL PNB 20,68 +2,38 -16,78 2,76M
 ELET6 ELETROBRAS PNB 17,78 +2,07 -21,67 8,95M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)



O Ibovespa apresenta baixa de 1,29% e atinge 77.588 pontos; volume financeiro é de R$ 1.331 milhões IBOVESPA

Dia de definições na política

Já no noticiário político, o PT deve registrar Lula candidato a presidente pelo partido, enquanto seu vice e provável substituto na disputa eleitoral, Fernando Haddad, fala em isentar imposto de quem ganha até 5 salários mínimos e diz que teto imposto pelo governo a gastos inviabiliza setor público. Enquanto isso, Ciro Gomes diz que o novo presidente deve dedicar os seis primeiros meses a reformas e ferir privilégios da Previdência; já o candidato Jair Bolsonaro (PSL) fala em fundir ministérios e Geraldo Alckmin promete imposto menor a empresas. Vale ressaltar que os partidos e coligações políticas têm até hoje às 19h para apresentar os pedidos de registro das candidaturas.

Também em destaque, está a pesquisa divulgada pelo Paraná Pesquisas que mostrou que, em um cenário sem o ex-presidente Lula, Bolsonaro lidera a corrida presidencial, com 23,9% dos votos. Marina Silva (Rede) aparece em segundo lugar, com 13,2% das intenções de voto, seguida por Ciro, com 10,2%. Alckmin tem 8,5%, seguido por Álvaro Dias (PODE) com 4,9%, enquanto Fernando Haddad, aparece com 3,8% dos votos. Veja mais clicando aqui. O mercado também já fica em alerta para as próximas pesquisas: a XP/Ipespe será revelada na sexta de manhã, enquanto Ibope e MDA divulgam levantamentos na próxima segunda-feira. 

 

 

Contato