Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa vira para queda após subir forte com ajuste do feriado; dólar cai mais de 1%

Investidores também seguem de olho em todo imbróglio político gerado pela tentativa de soltura de Lula

Investidor
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Após chegar a subir 1,18% no início do pregão refletindo o desempenho  positivo dos principais ADRs (American Depositary Receipt) na última segunda-feira (9), quando a B3 esteve fechada, o Ibovespa passou a registrar leve queda durante a sessão desta terça-feira. Blue chips, como Petrobras (PETR3;PETR4) e bancos perderam força durante a tarde, enquanto os papéis da Vale (VALE3) viraram para queda de cerca de 1%, em meio à queda do dólar. 

Ontem, em dia sem atividades na bolsa brasileira por conta do feriado de Revolução Constitucionalista de 1932 no estado de São Paulo, o índice Dow Jones Brazil Titans, que reúne os principais ADRs de empresas brasileiras, subiu 1,17% na véspera, atingindo 19.472 pontos. O destaque ficou para os ativos PBR da Petrobras, que registraram alta de 2,5% e fecharam a US$ 10,69, enquanto a BRF, por sua vez, avançou 4,4%, após o Barclays elevar sua recomendação para os ativos da companhia. Clique aqui e veja mais detalhes do movimento do mercado no feriado. Contudo, durante o pregão, o movimento perdeu força. 

Já o dólar aprofunda queda no início da tarde e passa a operar no patamar de R$ 3,81, seguindo cenário positivo no exterior para moedas emergentes e também em um movimento de ajuste. Às 14h05, a divisa tinha queda de 1,29%, a R$ 3,8146 na venda. Contudo, conforme aponta o diretor de câmbio da Wagner Investimentos, José Faria Júnior, o dólar segue em forte tendência de alta e uma correção para R$ 3,78 oferecerá uma compra, tendo como alvo final a faixa de R$ 4,00 (veja mais clicando aqui). 

No mesmo horário, os contratos com vencimento em janeiro de 2019 e 2021 operavam em queda de 0,04 ponto percentual e 0,20 p.p., cotados a 6,82% e 9,08%, respectivamente.

Apesar do dia tranquilo do mercado, os investidores ficam de olho no desenrolar dos acontecimentos políticos após a batalha judicial do domingo pela tentativa de soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

De acordo com estrategistas, o imbróglio envolvendo Lula não mudou o cenário precificado no mercado, com os investidores preficando o cenário de que Lula não poderá concorrer. Contudo, vale ficar atento: segundo os jornais de hoje, o PT se vê como vencedor do imbróglio de domingo, que reforçaria a narrativa de que o petista é perseguido pela Justiça. Com a disputa eleitoral esquentando a cada dia, é necessário monitorar quais são os impactos na disputa de outubro. 

Altas e baixas

A CVC, que caiu forte na última sexta-feira após dados operacionais abaixo do esperado pelo mercado, volta a ter um dia de forte baixa nesta sessão terça-feira, sendo seguida pela Suzano, que tem queda em um novo dia de baixa do dólar.

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 CVCB3 CVC BRASIL ON 39,64 -4,46 -17,03 49,34M
 SUZB3 SUZANO PAPELON 43,71 -4,23 +135,00 106,90M
 PCAR4 P.ACUCAR-CBDPN 76,49 -2,94 -2,20 50,03M
 ELET3 ELETROBRAS ON 14,12 -2,82 -26,99 17,90M
 SMLS3 SMILES ON EJ 51,92 -2,68 -28,01 20,55M

Já entre as maiores altas, Braskem é o destaque,  com a notícia do Valor de que o acordo para  venda da participação da Odebrecht nas ações da empresa para a LyondellBasell deve ser assinado em outubro. 

Clear oferece a menor corretagem do Brasil; Clique aqui e abra sua conta

Conforme informa o jornal, na avaliação de analistas que acompanham a indústria petroquímica, a Braskem sozinha tem valor justo na casa de R$ 60 por ação. A esse preço devem ser acrescidos o prêmio de controle - que será pago a todos os acionistas que aderirem à oferta, inclusive a Petrobras - e as sinergias. Ao somar a esse valor um prêmio de 20% a 25%, considerado razoável frente ao histórico de transações no setor, chega-se a um preço potencial de mais de R$ 70 por ação. Com isso, a empresa seria avaliada em R$ 55 bilhões, sendo mais de R$ 21 bilhões pela parte da Odebrecht. A Braskem é uma das ações da Carteira InfoMoney de julho. Veja o portfólio completo clicando aqui. 

 

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 BRKM5 BRASKEM PNA 52,53 +6,38 +27,81 87,97M
 CIEL3 CIELO ON EJ 16,62 +4,14 -27,61 44,22M
 JBSS3 JBS ON 9,66 +3,43 -1,00 47,02M
 B3SA3 B3 ON EJ 22,41 +3,03 -0,16 435,57M
 ECOR3 ECORODOVIAS ON 8,06 +2,68 -31,92 11,23M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)



Agenda da semana

A agenda econômica desta terça-feira é fraca, com destaque para os dados de preços ao produtor de junho e de pedidos de máquinas de maio do Japão, a serem revelados às 20h50. 

Na semana, o principal dado doméstico será a PMC (Pesquisa Mensal de Comércio) de maio, que segundo a GO Associados deve ter queda de 1,6% no conceito restrito (não inclui automóveis e materiais de construção) e de 4,1% no conceito ampliado. O dado será divulgado pelo IBGE na quinta-feira às 9h. Na sexta-feira, serão divulgados os dados de serviço. 

Nos EUA, o mercado avalia os dados de inflação ao consumidor na quinta-feira às 9h30, em busca de qualquer sinal de aumento acima do previsto da inflação, que poderia ampliar as apostas em alta dos juros. A estimativa mediana para o CPI anual aponta leve aceleração de 2,8% para 2,9% em junho. O Federal Reserve, por sua vez, divulgará relatório de política monetária no dia 13, que precederá fala de Jerome Powell no Congresso na semana seguinte. 

Caso Lula e mais noticiário político

Apesar dos ADRs não mostrarem um grande impacto, o caos gerado no último domingo com a batalha sobre a soltura ou não de Lula voltou a ligar o alerta sobre a política doméstica. Na manhã do dia 8 de julho, o desembargador de plantão no TRF-4, Rogério Favreto, que foi filiado ao PT por quase 20 anos, acatou um pedido de habeas corpus e mandou soltar Lula, pegando todo o Brasil de surpresa e criando uma disputa jurídica que durou o dia inteiro.

Após esta primeira decisão, o juiz Sérgio Moro se negou a cumprir a liminar dizendo que Favreto, na condição de plantonista do Tribunal, não poderia ter tomado a decisão. Com isso, ele encaminhou o caso para o relator do TRF-4, João Pedro Gebran Neto, que mandou o ex-presidente permanecer preso. Isso não foi suficiente para Favreto, que reiterou sua decisão de soltar o ex-presidente, estipulando um prazo que durou até 17h12 de domingo. Porém, nada ocorreu até este horário, sendo que cerca de uma hora depois, o presidente do Tribunal, Carlos Eduardo Thompson Flores, deu decisão contra a soltura, colocando um ponto final na disputa.

Leia também:
8 perguntas para entender a confusão jurídica que quase soltou Lula
William Waack: Dois males foram criados com "guerra de liminares" para soltar Lula
Rogério Favreto: quem é o desembargador do TRF-4 que quase soltou Lula

Conforme destaca o Estadão, o PT faz ofensiva contra prisão de Lula e deputado afirma que vai recorrer ao STF contra decisão do TRF4 de revogar libertação. Líderes partidários ouvidos pelo Estado veem aumento da chance de Lula ser libertado; há a possibilidade de o ministro Dias Toffoli, vice do STF, analisar o caso, dado que a presidente Cármen Lúcia deve assumir a presidência em três ocasiões neste mês, em viagens de Temer.

Clear oferece a menor corretagem do Brasil; Clique aqui e abra sua conta

Contato