EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados / acoes-e-indices

Estatais caem até 4% de olho no risco político; só uma ação do Ibovespa sobe mais de 1%

Confira os destaques do mercado desta segunda-feira (16) 

Petrobras
(André Valentim / Banco de Imagens Petrobras)

SÃO PAULO - Repercutindo a queda de commodities e digerindo o último Datafolha, que mostrou um cenário de indefinição para a corrida eleitoral e o candidato reformista Geraldo Alckmin patinando na pesquisa, o Ibovespa fechou em forte queda de 1,75%, a 82.861 pontos.

Bancos e estatais, como a Eletrobras (ELET6), registraram as maiores perdas, assim como as siderúrgicas - em especial a Usiminas - que possuem maior beta (ou seja, são mais sensíveis as variações tanto positivas quanto negativas do mercado). Por outro lado, entre as maiores altas, estão papéis defensivos, como Suzano (SUZB3) e Klabin (KLBN11), sendo que os papéis da primeira foram os únicos do Ibovespa a subir mais de 1%.  Confira abaixo os principais destaques do índice:

 

Nova prévia do Ibovespa

A B3 divulgou na manhã desta segunda-feira (16)  a segunda prévia da carteira do Ibovespa, que será válida de maio a agosto de 2018, confirmando a inclusão da B2W (BTOW3) e da Gol (GOLL4), a saída da Marfrig (MRFG3). Uma novidade foi a inclusão da CVC (CVCB3), que não constava na primeira prévia. 

Bancos

Em meio ao cenário de indefinição eleitoral apontado pelo Datafolha publicado no último domingo, os papéis de bancos (um dos mais sensíveis ao noticiário político), registram baixa. Bradesco (BBDC3;BBDC4), Banco do Brasil (BBAS3) e Itaú Unibanco (ITUB4) caem até 3%. 

No Datafolha divulgado no fim de semana, Marina Silva encosta em Jair Bolsonaro e Joaquim Barbosa surge à frente de Ciro Gomes. Alckmin, nome tido como reformista mais bem colocado na pesquisa, segue estagnado, enquanto Lula perde apoio, mostrando um cenário complicado para os reformistas. 

Vale (VALE3)

Em um dia de queda do minério, de 2,56% em Dalian, a sessão foi de perdas para a Vale. No radar da companhia, a mineradora ainda registrou uma produção de 82 milhões de toneladas de minério no primeiro trimestre de 2018, acima da projeção mediana de 75,4 milhões de toneladas da commodity de analistas consultados pela Bloomberg, mas em queda de 4,9% na base anual. 

A produção ficou 4,2 milhões de toneladas e 11,4 milhões de toneladas abaixo do primeiro trimestre de 2017 e quarto trimestre de 2017, respectivamente, devido principalmente à decisão da gestão do segundo trimestre de 2017 de reduzir a produção de minério de baixa qualidade, diz a empresa, "reforçando o posicionamento da Vale como produtor premium e resultando na maior realização de preços e melhor margem desde o primeiro trimestre".

"O período de chuvas mais intenso também impactou a produção do primeiro trimestre", apontou a Vale em comunicado. "Como resultado de uma produção premium e flexível, o teor médio de Fe atingiu 64,4% no trimestre, superando os 63,9% na base anual e os 64,3% na base trimestral, de longe o melhor resultado entre os concorrentes", afirmou a empresa.

A Vale reafirmou que o seu guidance de produção para 2018 permanece em torno de 390 milhões de toneladas.

As siderúrgicas também registraram baixa, ainda mais intensas, caso de CSN (CSNA3), Usiminas (USIM5) e Gerdau (GGBR4). 

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Petrobras (PETR4)

As ações da Petrobras fecharam em expressiva baixa, de olho no preço do petróleo e no noticiário político. Os futuros da commodity operaram em baixa de mais de 1% durante boa parte da sessão, num movimento de realização de lucros após acumularem ganhos superiores a 8% e renovarem sucessivas máximas em três anos na última semana, à medida que diminuíram os riscos geopolíticos à oferta da commodity.

Vale ressaltar que na sexta-feira (13), o WTI atingiu o maior nível desde dezembro de 2014, horas antes de os EUA liderarem uma ofensiva militar na Síria, com participação do Reino Unido e França.

O escopo da operação, no entanto, foi limitado e aparentemente não ampliou as tensões com o regime sírio ou com seus aliados, como a Rússia. Washington alega ter lançado a ofensiva na Síria em retaliação a um suposto ataque com armas químicas que matou dezenas de sírios. Segundo analistas do Commerzbank, o petróleo mostra tendência de queda porque a Rússia, antigo aliado da Síria, não respondeu à operação dos EUA, como havia ameaçado.

BRF (BRFS3)

Em meio ao impasse na BRF, o acionista Luiz Fernando Furlan apresentou os nomes de Luiza Helena Trajano e Vicente Falconi Campos como candidatos para a eleição do conselho de administração da companhia, que ocorrerá em 26 de abril, informou a empresa em comunicado.

"Ambos os candidatos conhecem o setor e a companhia", disse Furlan, segundo o documento. Ele destacou o “currículo profissional dos candidatos e o quanto eles podem contribuir para a BRF”. A companhia disse que não será mais adotado o sistema de chapas, pois a eleição passará a ser realizada pelo procedimento de voto múltiplo, segundo outro comunicado divulgado à CVM na noite de sexta-feira. José Aurélio Drummond Jr. apresentou formalmente à empresa solicitação para não concorrer aos cargos no conselho de administração, segundo o mesmo comunicado.

 

Embraer (EMBR3)

Atenção para duas notícias da Embraer. Ela informou que até o momento não há definição acerca da estrutura de participação da empresa e tampouco da governança de
possível nova sociedade que venha a ser criada com a Boeing caso venha a ser implementada uma combinação de negócios.

O comunicado é resposta a pedido de esclarecimentos pela B3 sobre notícia publicada no jornal O Estado de S. Paulo em 13 de abril de que governo quer 20% de Embraer em joint venture. A Embraer diz que não tem como comentar as intenções do governo brasileiro mencionadas na notícia.

A Embraer ainda comunicou que entregou 14 jatos para o mercado de aviação comercial nos Estados Unidos, Europa e Ásia Pacifico ao longo do primeiro trimestre de 2018. No segmento de aviação executiva, 11 unidades foram entregues nesse período, sendo oito jatos leves e três jatos grandes. 

"O principal destaque do trimestre foi a certificação tripla do jato E190-E2, primeira aeronave da segunda geração de E-Jets de aviões comerciais", que recebeu o Certificado de Tipo da
Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), da Federal Aviation Administration (FAA), dos Estados Unidos, e da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (European Aviation Safety Agency -EASA).

Eletropaulo (ELPL3)

A Eletropaulo informou que a Justiça de São Paulo manteve a decisão favorável à empresa em recurso contra a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), que a desobriga de pagar R$ 769,6 milhões aos consumidores da região metropolitana de São Paulo. A Aneel determinou em 2013 que a Eletropaulo devolvesse aos consumidores R$ 626 milhões, que, segundo a agência, a empresa recebeu irregularmente via conta de luz. O valor foi atualizado em dezembro de 2017.

A Eletropaulo recorreu e venceu em primeira instância. Na última sexta, o Tribunal Regional Federal da 1º Região (TRF-1) concluiu o julgamento do recurso em segunda instância, e deu novamente deliberação favorável à companhia. Assim, a Eletropaulo não precisará restituir os consumidores, até decisão de mérito.

Ainda no radar da empresa, o Cade aprovou a aquisição do controle da Eletropaulo pela Energisa. A aprovação foi sem restrições, disse a Energisa em comunicado. A decisão ainda está sujeita a recurso pelo prazo de 15 dias da data de sua publicação no Diário Oficial da União.

IRB (IRBR3)

As ações da IRB Brasil tiveram a recomendação elevada de 'market perform' para 'outperform' pelo Itaú BBA. O preço-alvo foi elevado de R$ 41 para R$ 50, implicando em um potencial de
alta de 18% em relação ao último fechamento.

Qualicorp (QUAL3)

A Qualicorp teve a recomendação elevada de neutra para outperform pelo Safra, com o preço-alvo sendo reduzido de R$ 34,30 para R$ 30,00, implicando em um potencial de alta de 32% em relação ao último fechamento.

(Com Agência Estado e Bloomberg)

 

Contato