Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa sobe 1% e volta aos 86 mil pontos com alta das commodities e sinal positivo da economia

Fluxo estrangeiro e expectativa de crescimento da economia favorecem o cenário otimista

SÃO PAULO - O Ibovespa sobe 1,20% e às 15h27 (horário de Brasília) voltou a testar a faixa de 86 mil pontos, com os investidores animados após o resultado surpreendente da indústria brasileira em dezembro, como também acompanhando o bom humor do mercado internacional em vista da alta do petróleo, fato que impulsiona as ações da Petrobras (PETR3; PETR4). Em vista da euforia no 1º pregão do mês, fica a pergunta: o mercado terá força para seguir com o movimento de alta de janeiro?

Uma nova disparada do mercado dependerá do fluxo dos estrangeiros, que por enquanto segue bastante forte tanto no mercado de ações, que neste ano acumula saldo positivo de R$ 9 bilhões, como pelas emissões das empresas no mercado internacional, mostrando o apetite dos "gringos". Olhando para os gráficos, a faixa de 86 mil pontos que definirá o rumo do mercado neste começo de mês.

No pregão passado, o índice atingiu 86.200 pontos, último objetivo da perna de alta entre 79.440 e 72.680 pontos e que será chave para o futuro do mercado. Confirmando o rompimento deste patamar, o Ibovespa tem o caminho aberto para 88.600 e 96.000 pontos, todos objetivos derivados do pivô de alta do gráfico semanal armado entre 60.410 e 77.870 pontos. Vale lembrar que o mercado seguirá com sua tendência de alta principal enquanto permanecer acima de 79.440 pontos.

Economia em recuperação
A produção industrial acelerou de 0,2% para 2,8% na passagem de novembro para dezembro, enquanto os analistas de mercado esperavam avanço de 2%. Com isso, após três anos de queda, a indústria brasileira avançou 2,5% em 2017, marcando o melhor resultado anual desde 2010, quando disparou 10,2%.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta

Em vista do melhor desempenho de indicadores mensais e as melhores condições financeiras, vide a expectativa do mercado de que a Selic permanecerá próxima de 7% ao ano por um bom tempo, o UBS revisou a estimativa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro neste ano de 3,1% para 3,3%. Na visão do banco, as eleições continuam sendo o principal risco para as projeções.

Destaques do mercado
Na ponta positiva, além de Petrobras, destaque para as ações da Cielo (CIEL3), com os investidores otimistas pelo resultado da empresa que será divulgado na noite desta quinta-feira. Do lado negativo, atenção para as ações do Bradesco (BBDC3; BBDC4), que recuam em vista do resultado abaixo do esperado no quarto trimestre (veja mais aqui).

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 PETR4 PETROBRAS PN ATZ 20,54 +4,26 +27,58 700,98M
 PETR3 PETROBRAS ON 22,09 +3,71 +30,63 168,64M
 GGBR4 GERDAU PN 14,91 +3,54 +20,44 141,51M
 HYPE3 HYPERMARCAS ON 37,52 +3,25 +6,96 54,44M
 BBSE3 BBSEGURIDADEON 32,07 +3,09 +12,57 56,89M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 BBDC4 BRADESCO PN 39,85 -2,21 +17,79 756,98M
 BBDC3 BRADESCO ON 38,59 -1,88 +20,43 45,42M
 FLRY3 FLEURY ON 29,55 -1,50 +0,24 43,72M
 RADL3 RAIADROGASILON 83,23 -1,42 -9,34 52,54M
 SMLS3 SMILES ON 80,99 -1,41 +6,71 51,63M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

Decisão do Fed
O mercado ainda reflete a última decisão do Fed, que logo após sua divulgação fez o Ibovespa perder fôlego na reta final do dia. Na última reunião sob o comando de Janet Yellen, os membros do BC dos EUA decidiram manter a taxa de juros norte-americana no intervalo de 1,25% a 1,50%, confirmando as expectativas do mercado. Contudo, algumas sinalizações foram interpretadas como hawkish, ou seja, favoráveis pela retirada de estímulos.

No comunicado, os dirigentes apontaram para um cenário um pouco mais otimista com relação a inflação ao comentar que os preços deverão acelerar em direção a 2% este ano e depois se estabilizar. O comunicado disse que os aumentos de juros no futuro serão graduais, mas a surpresa foi o uso da palavra "adicionais", fato que elevou as apostas de 4 altas nos juros para este ano, afirmou o diretor da mesa de câmbio da Wagner Investimentos, José Faria Júnior. Por conta desta sinalização do Fed, os rendimentos dos Treasuries norte-americanos de 10 anos, que registraram novo salto e atingem 2,75%, o maior patamar em 10 anos.

Reforma da Previdência
Com a volta do Congresso após o recesso, as articulações sobre a reforma da Previdência ganham destaque no noticiário. Segundo o Valor, Michel Temer insiste, mas Rodrigo Maia resiste a votar o texto na semana do dia 19. O presidente da Câmara aponta que o governo não possui votos suficientes e não aceita ser responsabilizado por eventual fracasso da investida. Segundo o jornal, Maia disse que "ninguém vai morrer se reforma não passar", pois mercado já precificou.

Ao site Poder 360, Temer disse que concorda com Maia: “ele tem os pés no chão. Quando ele diz que ainda não tem os votos [para aprovar a reforma da Previdência], coincide com o que nossa articulação política também tem falado. Faltam alguns votos para chegar aos 308 necessários”. O presidente ainda apontou que, se passar de fevereiro, é difícil a aprovação da reforma. 

Eleições
Após a pesquisa Datafolha, a primeira após a condenação do ex-presidente Lula em segunda instância, o noticiário político segue movimentado. Segundo O Globo, o governo já não trabalha mais com a hipótese de ter Henrique Meirelles ou Maia como o candidato. Nos resultados da pesquisa divulgados na quarta-feira, ambos marcaram apenas 1% das intenções de votos. Enquanto isso, Luciano Huck, que apareceu com 8% das intenções de voto, comemorou a pesquisa e que aliados trabalham pela candidatura dele - mas ele ainda não se coloca como candidato, segundo a Folha.

Clear oferece a menor corretagem do Brasil; Clique aqui e abra sua conta

 

Contato