Em mercados / acoes-e-indices

O que os gráficos apontam para o Ibovespa e o dólar no começo de 2018?

Ano que vem promete ser promissor para o índice; moeda resguarda forte potencial de alta caso supere importante resistência

Publieditorial | Traders Club - 21//06/2017
(Divulgação)

SÃO PAULO - Caminhando para uma alta de 27% este ano, a jornada do Ibovespa em 2017 não deve ser esquecida, já que tivemos em um mesmo ano o acionamento do circuit breaker em maio com o vazamento da delação de Joesley Batista, ao mesmo tempo que em 11 de setembro foi renovado o topo histórico de 29 de maio de 2008 em 73.920 pontos, agora cravado em 78.024 pontos. Com essa quinta-feira (28) marcando o último pregão do ano, os investidores já começam a projetar como será o início de 2018, que promete ser bastante promissor para o Ibovespa.

Ao encerrar o ano acima de 75.180 pontos, o mercado deixou para trás uma congestão que durou por dois meses entre a resistência citada e 70.825 pontos, confirmando mais uma vez a força de compra presente na média móvel exponencial de 21 semanas, que será o principal guia do Ibovespa em 2018. Ao observar o índice desde 2016, fica bem visível a importância da referência de suporte para a manutenção da tendência de alta do mercado. Entre maio e julho do ano passado, depois de disparar cerca de 50% da mínima cravada em 37.047 pontos, o índice descansou justamente sobre a referência de suporte, cenário bastante parecido ao visto atualmente. A única exceção foi em maio deste ano, quando o mercado foi abatido pelo vazamento da delação feita por Joesley Batista envolvendo Michel Temer e gerou muitas dúvidas sobre o ambiente político.

Portanto, enquanto seguir acima da média móvel exponencial de 21 semanas em 2018, a tendência de alta de curto prazo será mantida e a superação de 75.180 pontos na última semana do ano abre caminho para o rompimento do topo histórico em 78.024 pontos nas primeiras semanas do ano que vem, abrindo as Bandas de Bollinger para cima (ganho de volatilidade na compra) e indo em busca dos 79.815 pontos, projeção derivada do tamanho da congestão recém rompida (retângulo verde).

O cenário positivo para o mercado será anulado com a confirmação da perda da média móvel de 21 semanas, ou seja, com o índice deixando para trás o fundo cravado em 70.825 pontos, abrindo caminho para a média móvel de 50 dias, o que representa voltar para a região de 68 mil pontos.

E o dólar?
O ano também foi bastante volátil para o dólar. Depois de disparar em maior por conta do "Joesley Day" e voltar para a região de R$ 3,60, a moeda engatilhou uma forte correção por conta das melhores perspectivas para a economia e em setembro, mês que o Ibovespa renovou o topo histórico de 2009, o dólar cravou sua mínima em R$ 3,15 e desde então foi se recuperando até chegar na região de R$ 3,40 em outubro, onde firmou um topo intermediário e a "primeira perna" de alta (P1) de um "pivô de alta" (linhas verdes) em formação, que tem seu fundo cravado em R$ 3,30 - "segundo perna" do movimento (P2).

Como ainda segue congestionado no curto prazo, ou seja, sem uma definição clara do seu movimento, o dólar deve permanecer entre R$ 3,40 e R$ 3,30 no começo do ano que vem, mas a volatilidade contratada pelas eleições ao longo de 2018 pode resultar no rompimento do topo intermediário e sacramentar o "pivô de alta" em formação, que projeta o teste de R$ 3,50.

Portanto, ao mesmo tempo que temos um viés de alta já em andamento para o Ibovespa, que tem o caminho aberto para testar o topo histórico nas primeiras semanas do ano que vem, todo cuidado é pouco com o "pivô de alta" armado pelo dólar, que será confirmado (ou não) com o andamento do cenário político, que já terá seu primeiro teste de fogo em 24 de janeiro, quando será realizado o julgamento de Lula no TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Rafael Ribeiro é analista gráfico CNPI-T credenciado pela Apimec

DISCLAIMER:
Este relatório de análise foi elaborado analistas credenciados pelo CNPI indicados acima de acordo com todas as exigências previstas na Instrução CVM nº 483, de 6 de julho de 2010, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. Os analistas signatários deste relatório e a Infostocks Informações e Sistemas Ltda. (“InfoMoney”) não se responsabilizam por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação a InfoMoney e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela InfoMoney. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 483/10 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.
Os analistas indicados no relatório estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da InfoMoney, podendo também ser divulgado no site da InfoMoney. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da InfoMoney.
A InfoMoney e os analistas credenciados se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo.
Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. A InfoMoney faz parte do grupo XP. Apesar de as Sociedades XP estarem sob controle comum, os executivos responsáveis pelo InfoMoney são totalmente independentes e as notícias, matérias e opiniões veiculadas no InfoMoney não são, sob qualquer aspecto, direcionados e/ou influenciados por relatórios de análise produzidos por áreas técnicas da XP Investimentos CCTVM S.A. ou qualquer outra empresa do Grupo XP, nem por decisões comerciais e de negócio de tais sociedades, sendo produzidos de acordo com o juízo de valor e as convicções próprias da equipe interna da InfoMoney.

 

Contato