EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados / acoes-e-indices

Vale cai em dia 'D', varejistas disparam até 11% após estreia da Amazon e ex-OGX salta 23%

Confira abaixo os principais destaques de ações da bolsa desta quarta-feira

SÃO PAULO - O Ibovespa teve pregão de recuperação nesta quarta-feira (18) depois de cair por dois dias seguidos acompanhando as bolsas dos Estados Unidos e o cenário de "trégua política" com a possível superação de uma iminente crise institucional. O índice encerrou a sessão em alta de 0,51%, a 76.591 pontos, com apenas 12 das 59 ações que compõem sua carteira teórica no negativo. 

Destaque entre as quedas para a Vale, com investidores atentos à assembleia especial sobre conversão de ações VALE5 por VALE3 marcada para hoje às 17h00. Do outro lado, as varejistas mostraram forte recuperação após estreia frustrante da Amazon no Brasil  

Confira abaixo os principais destaques de ações da bolsa desta sessão:

Vale (VALE3, R$ 32,27, -0,95%; VALE5, R$ 29,78, -0,63%)
Após chegarem a subir mais de 1%, as ações da companhia viraram para queda ao final desta manhã. A Vale realiza assembleia especial sobre conversão de ações VALE5 por VALE3 nesta quarta às 17h. Este é mais um passo para a "transformação da companhia". Em fevereiro, a maior produtora de minério de ferro do mundo apresentou um roteiro para encerrar um acordo de 20 anos que entregava o controle da empresa a um grupo de acionistas públicos e privados. A Vale já convenceu quase os detentores de cerca de 85% das ações preferenciais a concordarem com uma nova estrutura acionária que remove o poder do grupo de controle -- e o risco de intromissão do governo. Ainda há resistentes, mas a mineradora tem um plano B para conseguir entrar no Novo Mercado. 

Veja mais em:  Vale chega ao dia "D" precisando do apoio de detentores de 40 milhões de ações

Ainda hoje a Vale informou que seus acionistas elegeram, por ampla maioria, os dois conselheiros independentes da companhia Sandra Guerra e Isabella Saboya, ambas candidatas do fundo britânico Aberdeen. Com elas, o conselho de administração da mineradora terá três mulheres entre as 12 cadeiras. Elas tomam posse no próximo 26 de outubro.  

Além disso, segundo prévia da Bloomberg, a Vale deve ter produzido 94,9 milhões de toneladas no terceiro trimestre, incluindo compra de terceiros, mais que os 92,1 milhões do mesmo trimestre do ano passado, de acordo com estimativa de quatro analistas ouvidos pela Bloomberg. Esta seria a maior produção trimestral para a companhia em 75 anos. A mineradora, que vai divulgar o relatório de produção do terceiro trimestre na quinta-feira antes da abertura dos mercados, tem acelerado as operações com novos depósitos na região amazônica, criados para atender a alta demanda chinesa.

A Rio Tinto, maior rival da Vale, também está em ritmo de recorde anual de produção, BHP teve queda de 3% na produção divulgada nesta quarta-feira. O preço do minério de ferro, que entrou em bear market no mês passado, se recuperou parcialmente nesta semana após recorde de importação da China em setembro. Os preços estão no patamar de US$ 63/tonelada, após alcançar os US$ 95 em fevereiro e cair para US$ 53 em junho. O crescimento na oferta da Vale vem da mina S11D, que deve produzir até 23 mi toneladas este ano e até 90 mi até 2020, disse a cia. no mês passado. A mineradora brasileira busca aumentar o ferro de alta qualidade de 40% para 50% de toda a produção. 

Também pesam no movimento das ações da Vale as expectativas do mercado com relação aos dados do PIB (Produto Interno Bruto) chinês, a serem divulgados nesta noite. O presidente do banco central do país, Zhou Xiaochuan, estima que a economia cresça 7% no período. Na abertura do XIX Congresso do partido comunista, o presidente da China, Xi Jinping, defendeu que o governo desempenhe um papel maior na economia, ao mesmo tempo em que reiterou o papel “decisivo” dos mercados.

Do lado do minério de ferro, os contratos futuros da commodity negociados na bolsa chinesa de Dalian subiram 0,44% nesta sessão, a 459 iuanes.

Petrobras (PETR3, R$ 16,61, 0,00%; PETR4, R$ 16,16, +0,19%)
A 3ª Vara da Justiça Federal de Sergipe concedeu liminar determinando a suspensão da cessão de 22,5% da participação da Petrobras na área de Iara e da cessão de 35% da participação da empresa no campo de Lapa para a Total, informou a estatal em comunicado ao mercado. A companhia diz que está tomando as medidas judiciais cabíveis em prol dos seus interesses e de seus investidores.

Já a coluna do Broad, do Estadão, informou que a estatal mantém o ritmo para ter tempo de lançar a oferta inicial de ações (IPO, em inglês) de sua subsidiária BR Distribuidora ainda em dezembro. No mesmo dia em que protocolou o prospecto do IPO na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), na segunda, já marcou reuniões de sondagens iniciais com investidores, processo conhecido como “pilot fishing”. Dependendo do apetite dos investidores, a estatal definirá qual o porcentual da BR que colocará na mesa, algo entre 25% e 40%. Nos bastidores, a ideia é de que a operação alcance R$ 7 bilhões, o que, se confirmado, dará à empresa o título de maior oferta de 2017. Procurada pelo jornal, a Petrobras não comentou.

A Petrobras ainda cortou o  preço da gasolina em 0,5% e elevou o diesel em 0,2%. Os preços são para as refinarias a partir de 19 de outubro, segundo informação no site da estatal.

Por fim, a estatal informou que a produção total de petróleo e gás foi de 2,79 milhões de boed (barris de óleo equivalente por dia). Desse total, 2,68 milhões de barris produzidos no Brasil e 106.000 boed no exterior, segundo comunicado. A produção média de petróleo no país foi de 2,17 milhões de barris, alta de 2,8% na base de comparação mensal. O resultado se deve, principalmente, à normalização da operação após parada programada dos FPSOs Cidade de Itaguaí e Cidade de Maricá, ambos operando no campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos”. A produção de gás natural no Brasil, excluído o volume liquefeito, foi de 81,5 milhões de m³/d; alta de 2% na base mensal. Já a produção de petróleo e gás natural na camada pré-sal foi de 1,68 milhão boed, alta de 6,6% na mesma base de comparação. Nos campos do exterior, a produção de petróleo foi de 64.000 bpd, alta de 3,3%. O aumento foi consequência da normalização da produção em campos produtores nos EUA após a passagem do furacão Harvey. A produção de gás natural foi de 7,2 mi de m³/d, queda de 6,9%. 

JBS (JBSS3, R$ 8,15, -1,45%)
A JBS paralisou as atividades em 7 unidades de carne bovina em Mato Grosso do Sul. A companhia afirmou que a paralisação de compra e abate é por tempo indeterminado e se deve à "insegurança jurídica" no estado. Os colaboradores continuarão recebendo salários normalmente até definição sobre o tema. A JBS "está empenhando seus melhores esforços para a manutenção da normalidade das suas operações".

Ainda sobre a JBS, a Folha informa que uma auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União) concluiu que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) pagou indevidamente 20% a mais por ações da JBS na operação para apoiar a compra do frigorífico National Beef Packing e da divisão de carnes da Smithfield Foods, ambos nos Estados Unidos. O relatório aponta "dano ao erário" de ao menos R$ 303 milhões no negócio, feito em 2008. O julgamento do processo está previsto para esta quarta-feira (18). 

Marfrig (MRFG3, R$ 6,52, +0,31%)
A Marfrig teve perspectiva alterada de positiva para estável pela Standard & Poor's. A mudança reflete visão de que o déficit no fluxo de caixa operacional livre irá pressionar as métricas da companhia para os próximos trimestres e impedir desalavancagem, diz a agência de classificação de risco em relatório.

"Apesar de potencial IPO da Keystone acelerar pagamento de dívida, há incertezas sobre habilidade da Marfrig de executar sua agressiva estratégia de crescimento", aponta a S&P. A companhia deve se desviar de sua expectativa anterior de desalavancagem e deve manter métricas de crédito em linha com perfil de risco de alta alavancagem. A estratégia de aumentar market share no mercado brasileiro ainda é arriscado, já que necessita investimentos significantes no capital de giro e aumento de abastecimento de gado, o que deve gerar maiores custos, comenta. 

Carrefour (CRFB3, R$ 16,30, +4,69%)
O Carrefour Brasil divulgou prévia operacional, com vendas consolidadas subindo 5,5% para R$ 12,2 bilhões no terceiro trimestre de 2017 na comparação anual. As vendas brutas do Atacadão aumentaram 5,6%, para R$ 8,51 bilhões, enquanto o Carrefour teve aumento de 5%, para R$ 3,73 bilhões, segundo comunicado ao mercado. As vendas nas mesmas lojas do Atacadão cresceram 1,6%, do Carrefour cresceram 0,1%. Já as vendas mesmas lojas totais do grupo cresceram 1,1%. O banco CSF, por sua vez, teve aumento de 22,8% no faturamento, para R$ 4,9 bilhões. O grupo ainda abriu 17 novas lojas no trimestre.

Varejistas
Após uma sucessão de pregões no vermelho, em meio à tensão dos investidores com a notícia de expansão da Amazon no Brasil, as companhias do setor tiveram forte recuperação nesta quarta-feira em estreia frustrante da gigante americana no País. As ações de Magazine Luiza (MGLU3, R$ 70,72, +10,85%), B2W (BTOW3, R$ 20,92, +8,73%) e Via Varejo (VVAR11, R$ 23,08, +7,40%), que chegaram a afundar até 23% nos últimos 4 pregões, subiram forte hoje.

Destaque também para as varejistas com foco em lojas físicas, que subiram forte "por tabela", inclusive a Lojas Americanas (LAME4, R$ 18,42, +2,39%), controladora da B2W, e o Pão de Açúcar (PCAR4, R$ 79,90, +3,97%), controlador da ViaVarejo. Além delas, chamou atenção o desempenho da Lojas Renner (LREN3, R$ 37,50, +4,31%)

Em relatório, os analistas do JP Morgan apontaram que a Amazon não é uma ameaça completa, pois tem um longo passo para percorrer, que passa desde reforçar sua marca entre os brasileiros como questões de logística. Sobre esse último assunto, o presidente do Magazine Luiza, Frederico Trajano, resume bem o desafio: "a Amazon não vai ter moleza no Brasil. Lá fora ela tem Fedex, Sedex, DHL, entre outras. Então, ela não precisa ter sequer um caminhão ou um motoboy. Aqui, a gente depende de uma única empresa, o Correios, que ainda por cima é estatal", afirmou durante evento realizado na Casa do Saber.

Na avaliação dos analistas Stephen Duvignau, da Fama Investimentos, Rodrigo Furtado, da XP Gestão, e Giovanna Scottini, da Eleven Financial, a queda dos papéis desde a divulgação da notícia da entrada da Amazon foi exagerada e isso acabou gerando uma oportunidade de compra para as ações: e o mais interessante, uma entrada que atende desde os investidores mais conservadores até os mais arrojados. Para ler a íntegra das analises, clique aqui.

Renova (RNEW11, R$ 7,75, -0,26%)
A Renova Energia informou que o prazo de exclusividade concedido à Brookfield para realizar trâmites referentes a um aporte primário na empresa de energia renovável acabou nesta terça-feira, mas afirmou que isso não altera o estágio da negociação para a citada operação. 

A Renova, controlada pela Cemig e pela Light, havia dado à Brookfield exclusividade de 60 dias, prazo renovado por mais 30 dias, para due diligence e negociação de documentos finais para um aporte primário na companhia.

Eztec (EZTC3, R$ 23,00, -1,41%)
A Eztec informou na terça-feira sua prévia operacional do 3° trimestre. As vendas líquidas da empresa atingiram no período R$ 715 milhões com a venda da Torre B do Ez Towers pelo valor de R$ 650 milhões. Mesmo desconsiderando esse efeito, a empresa apresentou aceleração em vendas líquidas, a melhor marca em sete trimestres, finalizando em R$ 65 milhões, contra vendas líquidas negativas em R$ 18 milhões no mesmo período de 2016. 

Já os lançamentos da empresa no período, incluindo a Torre B, totalizaram R$ 793 milhões, enquanto os distratos atingiram R$ 100 milhões no trimestre.  O Itaú BBA espera reação neutra a resultados operacionais “em linha”.

Cemig (CMIG4, R$ 8,25, +1,48%)
Segundo a coluna do Broad, do Estadão, Bradesco e Citi assumiram a liderança da captação externa que a Cemig pretende realizar: ambos são importantes credores da companhia elétrica mineira e desempenham papel mais relevante na condução da venda de até US$ 1,5 bilhão em títulos de sete anos da Cemig para investidores estrangeiros. Os recursos serão usados para alongar a dívida com as instituições financeiras. Segundo o jornal, a previsão é de que a transação ocorra no começo de novembro. Cemig e os bancos não comentaram.

Wiz (WIZS3, R$ 16,49, +4,70%) e BB Seguridade (BBSE3, R$ 29,04, +1,54%)
Segundo a coluna do Broad, do jornal O Estado de S. Paulo, recebidas com surpresa na lista de interessados no balcão da Caixa Seguridade, as seguradoras de Bradesco e Banco do Brasil também assinaram acordo de confidencialidade (NDAs, na sigla em inglês) para acessar a base de dados da companhia. Apesar de já estarem conectadas a bancos, a lógica, como geralmente ocorre em transações de fusões e aquisições, é conhecer o terreno do vizinho. A própria Caixa já sinalizou que poderia interromper conversas com potenciais parceiros ligados a bancos (bancassurance). No setor de cartões, contudo, Bradesco, BB e Caixa são sócios na bandeira Elo. Procuradas pelo jornal, Bradesco Seguros e BB Seguridade não comentaram. 

Veja mais: "Call binário" podendo até dobrar de valor? A explicação sobre o caso Wiz - e as chances da empresa na bolsa

Aliansce (ALSC3, R$ 18,70, +1,30%)
O conselho de administração da Aliansce aprovou a abertura de um programa de recompra de até 550.000 ações ordinárias, de emissão da empresa, sem redução de seu capital social. As ações representam 0,27% do total das ações ONs da companhia em circulação no mercado. O prazo máximo para aquisição dos papéis é de 365 dias, a partir de 17 de outubro.

Segundo a empresa, as ações adquiridas serão utilizadas para fazer frente aos compromissos de incentivo de longo prazo dos executivos, conforme Plano de Opção de Compra de Ações e de Incentivos Atrelados a Ações da Companhia, aprovado na Assembleia Geral de Acionistas, realizada em 6 de setembro de 2017. As ações poderão, ainda, ser mantidas em tesouraria, canceladas ou alienadas posteriormente, diz a companhia. 

Eletrobras (ELET3, R$ 20,82, +1,26%; ELET6, R$ 24,39, +1,54%)
A Eletrobras Termonuclear (Eletronuclear) obteve aval do Cade para ingressar como terceira interessada em processo administrativo instaurado para apurar suposta prática de condutas anticompetitivas no mercado de obras de montagem eletromecânica na usina Angra 3, segundo despacho publicado no Diário Oficial e publicado no website do órgão.

O processo envolve Construtora Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Construtora Norberto Odebrecht, Queiroz Galvão, EBE –Empresa Brasileira de Engenharia, Techint e UTC Engenharia. 

Copel (CPLE6, R$ 27,10, -0,62%)
A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou a Companhia Paranaense de Energia (Copel) a retomar temporariamente a operação comercial das três turbinas da Usina Termelétrica de Araucária, localizada no município de mesmo nome, no Paraná. Com a autorização, publicada ontem (16), no Diário Oficial da União, será possível gerar até 484 megawatts (MW).

O contrato de autorização vale até 31 de dezembro de 2018. A medida foi tomada após solicitação do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) à Petrobras para “viabilizar” combustível para as termelétricas operacionalmente disponíveis, mas que estão paradas.

A decisão do comitê foi tomada diante da previsão de que o armazenamento dos reservatórios das usinas hidrelétricas fique abaixo do verificado em 2014, ano mais crítico do histórico recente.

Embraer (EMBR3, R$ 16,22, +0,93%)
A Embraer confirmou que a primeira entrega do E190-E2 para Widerøe, cliente-lançador da aeronave, ocorrerá em abril de 2018, segundo comunicado. Widerøe, companhia aérea regional da Escandinávia, iniciará operações regulares com a aeronave pouco tempo após a entrega. A companhia escandinava assinou contrato com a Embraer para até 15 jatos E2 que consiste em três pedidos firmes para o E190-E2, primeiro integrante da segunda geração da família de E-Jets, além de direitos de compra 12 E2s. O pedido tem um preço de lista potencial de até US$ 873 milhões, se todos os direitos de compra forem exercidos. 

Oi (OIBR4, R$ 4,77, -5,17%)
Após acumularem uma disparada de mais de 40% no acumulado do mês, as ações da companhia tiveram pregão de correção nesta quarta-feira. No noticiário, a China Telecommunications analisa a Oi entre vários alvos potenciais de investimento, disse Yang Jie, presidente do conselho da companhia chinesa. “Nós buscamos ativamente a expansão no exterior e analisamos muitos projetos diferentes, incluindo Oi”, disse Yang em entrevista no 19º Congresso do Partido em Pequim nesta quarta-feira.

“Mas ainda temos de chegar a alguma decisão sobre comprar ou não, se para investir ou não. Nós divulgaremos se houver informações para divulgar”. Os comentários representam as sinalizações públicas mais explícitas da estatal chinesa, que é controladora da China Telecom, sobre seu interesse na operadora brasileira. Investimento na Oi se basearia nos planos de expansão externa da China Telecom após o lançamento dos serviços móveis em Hong Kong este ano.

Dommo Energia (DMMO3, R$ 1,28, +25,49%)
O Conselho de Administração da Dommo Energia (ex-OGX) aprovou termo vinculante com Azibras Exploração de Petróleo e Gás, subsidiária do Grupo Seacrest, para a cessão de participação indivisa de 30% no Bloco BS-4, segundo fato relevante na noite desta terça-feira.

A Dommo detém 40% do BS-4, QGEP Participações tem 30% e Barra Energia do Brasil Petróleo e Gás os 30% restantes. O valor da transação compreende pagamento dos cash calls em atraso acrescidos de valores relativos ao Capex até o 1º óleo totalizando aproximadamente US$ 33 milhões, além de pagamentos contingentes no montante de aproximadamente US$ 30 milhões. A transação está sujeita ao cumprimento de todas as condições precedentes previstas no documento assinado, entre elas, aprovação prévia pelas demais sociedades que integram o Consócio BS-4, aprovação da cessão pela ANP e celebração de contrato de Farm-Out.

Após concluída a transação, a Dommo Energia permanecerá com 10% na concessão, “o que, no entendimento da administração, representa participação mais adequada à estratégia e ao contexto da companhia, tendo em vista os compromissos de investimentos futuros a serem requeridos para as demais fases de desenvolvimento do ativo”. O bloco BS-4 é formado pelos campos de Atlanta e Oliva, na Bacia de Santos, e fica em torno de 185 quilômetros da costa da cidade do Rio de Janeiro, em lâmina d’água de aproximadamente 1.500 metros, segundo o fato relevante. 

A Dommo Energia afirmou que "vinha mantendo esforços para alienação total ou parcial de sua participação no Bloco BS-4, como forma de equalizar valores junto às demais sociedades que compõem o Consórcio BS-4, e como alternativa para reforço da posição de caixa da companhia e de sua estrutura de capital”. 

(Com Agência Estado e Bloomberg)

Contato