Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa sobe 1% e retoma os 65 mil pontos com exterior em alta ofuscando "delação do fim do mundo"

Alta do minério de ferro e exterior em alta impulsiona os ganhos no início da sessão 

Trader Bolsa surpreso feliz
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa inicia a semana com ganhos, registrando alta de 1%, a 65.322 pontos às 10h26 (horário de Brasília) e retomando os 65 mil pontos após três sessões. O benchmark da Bovespa, que retoma o horário de funcionamento das 10h às 17h, segue o bom humor externo e acompanha a sessão positiva para o minério de ferro, com a commodity negociada em Qingdao com ganhos de 1,78%, a US$ 88,26 a tonelada, enquanto Dalian registra ganhos mais expressivos, de 4,26%.  

O dia é ganhos para as commodities em meio ao cenário chinês. O  o diretor do Centro de Pesquisa de Desenvolvimento do Conselho de Estado, Li Wei, disse no fim de semana que a segunda maior economia do mundo está em uma base mais estável. Li disse no domingo que o risco de uma queda acentuada na economia chinesa diminuiu. Os temores de um maior aperto monetário na China também diminuíram depois que uma autoridade do governo disse no domingo que o risco da dívida para as principais empresas estatais da China é controlável.

Por outro lado, no Brasil, o cenário de tensão continua por conta da tão temida lista de Rodrigo Janot, procurador-geral da República. A tensão em Brasília cresce antes do procurador encaminhar ao STF entre esta segunda e terça-feira a lista com cerca de 80 pedidos de abertura de inquérito de integrantes do governo e da oposição
baseada na delação de executivos da Odebrecht, a chamada "delação do fim do mundo". Relatos dos jornais, contudo, sugerem um impacto limitado no mercado, dado que o sigilo deve ser mantido por algum tempo e a Constituição impede que o presidente seja investigado por fatores anteriores ao seu mandato.

Atenção ainda para o Focus: economistas de mercado consultados pelo Banco Central revisaram para baixo suas projeções para os principais indicadores da economia em 2017,  As expectativas dos especialistas consultados semanalmente pela autoridade monetária para o PIB (Produto Interno Bruto) recuaram de 0,49% para 0,48%, enquanto as estimativas para a inflação oficial medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) caíram de 4,36% para 4,19%, e a taxa de juros esperada para o fim do ano cedeu de 9,25% para 9,00%

De acordo com o levantamento, as projeções para o PIB de 2018 passaram de 2,39% para 2,40%, enquanto a taxa Selic esperada para o fim do ano caiu de 9,00% para 8,75%.  A estimativa para o IPCA foi mantida em 4,50%. Já a taxa de câmbio esperada para o fim de 2017 foi mantida em R$ 3,30, e a referente ao fim de 2018 também seguiu inalterada em R$ 3,40. Na sondagem TOP5 de curto prazo, a estimativa mediana para a Selic no fim de 2017 baixou de 9,25% p/ara 9,00% e foi elevada de 8,50% para 8,75% em 2018. Em meio a essas revisões, e também após o Credit Suisse apontar inflação abaixo da meta em 2017, os contratos de juros futuros registram queda nesta sessão. O contrato com vencimento em janeiro de 2021 tem queda de 0,05 ponto percentual, a 9,95%, enquanto o contrato mais curto, com vencimento em janeiro de 2018, tem queda de 0,04 ponto percentual, para 10,04%. 

O dólar, por sua vez, registra um dia de ganhos, com o contrato futuro com vencimento em abril em alta de 0,59%, a R$ 3,178, enquanto o dólar comercial sobe 0,54%, a R$ 3,1605 na venda. O mercado fica de olho na reunião do Fomc (Federal Open Market Commitee), com os dirigentes do Fed já praticamente cravando uma alta de juros na próxima quarta-feira (15).  

Destaques da Bolsa
Em meio à forte alta do minério de ferro, um dos grandes destaques de ganhos do índice fica com as ações da Vale, com os papéis ON registrando ganhos de cerca de 4%. A Petrobras, por sua vez, oscila, com as ações PN em leve queda e as ON em leve alta, também de olho na sexta sessão seguida de queda do petróleo e após a notícia de que o TCU pode atrasar em 18 meses a venda da BR Distribuidora. 

A Cemig, por sua vez, sobe forte após a Reuters informar citando uma fonte que a estatal mineira planeja vender uma participação majoritária em duas unidades e listá-las em São Paulo e Nova York nos próximos meses, uma medida que poderia ajudar a terceira maior concessionária de energia do Brasil a reduzir a dívida e diminuir o peso das decisões governamentais na empresa.  

Entre os destaques de baixa, está a WEG, que vê seus papéis caírem cerca de 1% após ter a recomendação rebaixada para neutra pelo Goldman Sachs. 

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

C?d. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 VALE3 VALE ON 30,95 +4,38 +20,52 11,63M
 CMIG4 CEMIG PN 11,41 +4,20 +47,99 8,79M
 VALE5 VALE PNA 29,22 +3,65 +25,19 110,99M
 BRAP4 BRADESPAR PN 22,60 +3,43 +52,19 2,21M
 CYRE3 CYRELA REALTON 13,39 +2,21 +30,38 398,09K

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

C?d. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 CCRO3 CCR SA ON 17,83 -1,33 +11,72 1,98M
 ESTC3 ESTACIO PARTON 15,26 -1,23 -3,42 865,82K
 WEGE3 WEG ON 17,19 -0,92 +11,32 824,36K
 SMLE3 SMILES ON 59,39 -0,75 +32,86 257,19K
 LAME4 LOJAS AMERICPN 15,41 -0,58 -9,22 2,07M
* - Lote de mil a??es
1 - Em reais (K - Mil | M - Milh?o | B - Bilh?o)


Destaques da semana
O destaque da semana é a reunião do Fomc, na quarta-feira (15). O banco central dos EUA divulgará às 15h sua decisão de juros e a chairwoman Janet Yellen discursará às 15h30. As apostas majoritárias são que a autoridade monetária deve elevar os juros e a expectativa dos investidores agora é por sinalizações sobre a quantidade de aumentos ao longo de 2017 - se os três que estão precificados atualmente ou quatro. Na quinta-feira, às 9h, é a vez da decisão do BoE (Bank of England) sobre a taxa de juros na Inglaterrra.

Nos Estados Unidos, a inflação ao produtor dos EUA medida pelo PPI será conhecida na terça-feira, às 9h30. Na quarta, no mesmo horário, sai a inflação ao consumidor, calculada pelo CPI. Na quinta-feira (16) também às 9h30 sairão os pedidos de auxílio desemprego de março e, na sexta-feira (17) às 10h15, a produção industrial de fevereiro.

Ainda nesta segunda, serão divulgados os números das vendas do varejo na China, às 23h. Na terça, às 7h, saem os dados da produção industrial da zona do euro. Na quinta, também às 7h, será conhecida a inflação ao consumidor da zona do euro medida pelo CPI. No Brasil, os investidores devem monitorar o leilão tradicional de LTN e NTN-F pelo Tesouro Nacional na quinta, às 11h.

Na Europa, os investidores também acompanham as eleições parlamentares na Holanda, no dia 15, as primeiras do ano no continente e que servirão de termômetro da força de partidos populistas e antissistema. Ainda em 2017, eleitores da França e da Alemanha irão às urnas e suas escolhas selarão o futuro da zona do euro.

Noticiário político
Além da grande expectativa pela lista de Janot, o mercado segue de olho na agenda de aprovação de reformas (que será influenciada pela lista do PGR). As comissões que analisam as reformas previdenciária e trabalhista na Câmara ouvirão especialistas e discutirão os detalhes dos projetos. Vale lembrar que cresceu a resistência entre os parlamentares ao texto apresentado pela equipe econômica do governo. Integrantes do PSDB, um dos principais partidos da base aliada de Temer, devem apresentar nesta semana sugestões de alteração nas regras que estabelecem a idade mínima e as regras de transição para a aposentadoria.  

Em meio a resistências, o governo pode desistir de idade mínima progressiva
e deixar questão para ser tratada posteriormente, informou o Globo. Também no Globo, relator Arthur Maia disse que parte sobre regra de transição está muito mal
formulada e que reforma não passa como foi enviada. STF retoma julgamento sobre ICMS na base de PIS/Cofins na quarta-feira.



 

 

Contato