Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa cai 1% na primeira sessão do ano seguindo ADRs; dólar sobe 1% e vai a R$ 3,28

Na última sexta-feira, dia em que a Bovespa ficou fechada, o índice de ADRs Brazil Titans 20 fechou em baixa de 1,20%, o que repercutiu nesta sessão de feriados pelo mundo

Trader na Bolsa
(Bloomberg)

SÃO PAULO - Após subir 38,94% em 2016, o melhor desempenho em sete anos, o Ibovespa iniciou 2017 em expressiva queda, repercutindo principalmente a sessão negativa dos ADRs (American Depositary Receipts) na NYSE na última sexta-feira, quando o mercado brasileiro ficou fechado. Naquela data, o índice Brazil Titans 20 fechou em baixa de 1,20%, com destaque para a queda de Vale e Petrobras, enquanto bancos também tiveram desvalorização, mas menos expressiva.

Em uma segunda-feira (2) ainda em ritmo das festas de fim de ano, com um fraco volume, o Ibovespa fechou com baixa de 1,06%, aos 59.588 pontos, após chegar a cair 1,42% na mínima do dia. O volume financeiro ficou em R$ 1,876 bilhão, contra média de 21 dias de R$ 7,306 bilhões. Já o dólar comercial teve alta de 0,99%, para R$ 3,2811 na compra e R$ 3,2818 na venda, ao passo que o dólar futuro para fevereiro registrou ganhos de 0,93%, a R$ 3,310. Vale ressaltar que, em 2016, o dólar fechou em baixa de 17,7%, o maior recuo em sete anos. 

Nesta data, a sessão foi de baixa liquidez, em meio aos feriados nos EUA, Reino Unido, China e Japão. Por aqui, no último Relatório Focus referente a 2016, os economistas consultados pelo Banco Central mantiveram as projeções para o PIB (Produto Interno Bruto) registradas na última semana, com expectativa de retração de 3,49% em 2016 e alta de 0,50% em 2017. 

Para a inflação, houve o oitavo corte consecutivo para o ano passado, com as estimativas para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) recuando de 6,40% para 6,38%. Para 2017, no entanto, houve ligeiro avanço nas projeções, de 4,85% para 4,87%. As projeções para a taxa básica de juros ao final de 2017 foram reduzidas em 25 pontos-base, para 10,25%, o que levou a um dia de queda para os principais contratos de juros futuros. O contrato com vencimento para janeiro de 2018 caiu 8 pontos-base, para 11,44%, enquanto o contrato para janeiro de 2021 registrou baixa de 14 pontos, a 11,19%. 

No noticiário econômico nacional, o PMI industrial mostrou que o setor atingiu em dezembro o patamar mais fraco em seis meses em meio a fortes quedas nos volumes de produção e no nível de emprego, indo de 46,2 em novembro para 45,2 no mês passado.  Ainda hoje, às 15h, serão divulgados os dados da balança comercial referentes a dezembro. 

Cabe lembrar que o último domingo teve como destaque a posse de prefeitos pelo País. A grave situação dos governos municipais motivou discursos com promessas de corte de gastos, principalmente via redução de cargos. Ainda no noticiário político, chama a atenção a fala do ministro da Fazenda Henrique Meirelles na última quinta-feira. Ele afirmou que a trajetória de queda da inflação é muito importante, podendo permitir que o BC tenha expectativa de inflação na meta nos próximos anos e "possa continuar o processo de queda de juros”. “Quanto mais vigoroso for o processo de desinflação, maior a possibilidade de o BC reduzir juros de forma mais rápida”, disse o ministro. 

Durante a semana, no exterior, as atenções estarão voltadas à divulgação dos dados de mercado de trabalho dos EUA de dezembro, na sexta-feira, que deverá trazer sinais adicionais sobre o ritmo de crescimento da economia do país no final do quarto trimestre, conforme destaca a equipe de análise econômica do Bradesco. Na quarta-feira, haverá a divulgação da prévia do índice de preços ao consumidor da Área do Euro do último mês do ano passado, que poderá apresentar nova aceleração. Por fim, a agenda ainda contemplará a divulgação das leituras finais dos índices PMI dos EUA, da Área do Euro e da China, também referentes a dezembro. 

Destaques da Bolsa
As ações da Vale repercutiram a sessão negativa dos seus ADRs na última sexta-feira, quando os papéis fecharam em baixa superior a 3% em meio à queda de 1,94% do minério de ferro. Mesmo cenário é visto pela 
Petrobras, que também teve baixa.

No noticiário da estatal, o vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Emmanoel Pereira, no exercício da presidência, negou na quinta-feira (29) o pedido de mediação feito pela Petrobras por causa do impasse nas negociações do acordo coletivo com os petroleiros. No pedido, a empresa solicitava uma decisão cautelar, alegando a possibilidade de greve da categoria.

As maiores baixas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 KLBN11 KLABIN S/A UNT N2 17,10 -3,50 -3,50 14,46M
 MRFG3 MARFRIG ON 6,40 -3,18 -3,18 3,99M
 CSAN3 COSAN ON 37,15 -2,62 -2,62 19,38M
 WEGE3 WEG ON 15,10 -2,58 -2,58 12,45M
 PETR3 PETROBRAS ON 16,53 -2,42 -2,42 29,57M



As maiores altas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 RENT3 LOCALIZA ON EJ 34,94 +2,10 +2,10 19,13M
 BRML3 BR MALLS PARON 12,08 +1,09 +1,09 22,39M
 MRVE3 MRV ON 11,05 +1,01 +1,01 10,84M
 VIVT4 TELEF BRASILPN EJ 44,08 +0,72 +0,85 25,92M
 FIBR3 FIBRIA ON 32,11 +0,69 +0,69 19,68M



As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN 14,66 -1,41 110,25M 577,36M 6.897 
 VALE5 VALE PNA 22,85 -2,10 90,50M 491,66M 6.285 
 BBDC4 BRADESCO PN EJ 28,80 -0,69 77,14M 265,23M 8.908 
 ABEV3 AMBEV S/A ON EJ 16,31 -0,55 70,04M 211,13M 9.421 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN EDJ 33,53 -0,90 69,35M 411,84M 5.970 
 BBAS3 BRASIL ON 27,54 -1,96 54,47M 180,87M 4.784 
 CIEL3 CIELO ON 27,25 -2,29 51,28M 193,32M 4.198 
 BVMF3 BMFBOVESPA ON EJ 16,28 -1,33 45,57M 153,17M 7.661 
 GGBR4 GERDAU PN 10,84 +0,37 34,46M 136,20M 4.877 
 ITSA4 ITAUSA PN EJ 8,21 -0,85 33,96M 125,16M 7.629 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
 

 

Contato