Em mercados / acoes-e-indices

Os 5 assuntos que vão agitar o pregão desta terça-feira

Veja o que de mais essencial você precisa saber antes de começar a operar nesta terça-feira

Xi Jinping
(Tomohiro Ohsumi)

SÃO PAULO - O Ibovespa registrou o quinto mês seguido de alta em outubro, chegando a ultrapassar os 65 mil pontos na última segunda-feira. Novembro começa com o mercado de olho nas eleições dos EUA, além de repercutir positivamente os dados do PMI da China. A temporada de balanços também segue no radar. Confira no que se atentar nesta terça-feira (1):

1. Bolsas mundiais
As bolsas mundiais amanhecem nesta terça-feira registrando um dia misto. Os mercados chineses registraram alta após os dados do PMI do gigante asiático acima do esperado. Por outro lado, as bolsas europeias recuam com bancos, após o balanço do terceiro trimestre abaixo do previsto do Standard Chartered. Além disso, o mercado segue na expectativa pela reunião da próxima quarta-feira do Fomc (Federal Open Market Committee), que coincidirá com o feriado no Brasil. Nesta terça, nos EUA, o mercado ficará atento aos dados do ISM sobre manufatura e o PMI.

Além disso, os investidores seguem atentos à reta final das eleições americanas: segundo pesquisa Reuters/Ipsos divulgada na segunda-feira, a vantagem da democrata Hillary Clinton teve uma leve oscilação desde que o FBI disse no fim da semana passada que examinava novos emails na investigação sobre a ex-secretária de Estado. Hillary tinha uma vantagem de 5 pontos percentuais sobre o seu rival republicano, Donald Trump, de acordo com a pesquisa de 26 a 30 de outubro, menos do que os 6 pontos percentuais registrados na pesquisa de cinco dias na última quinta-feira. Já o Real Clear Politics, que calcula uma média dos resultados das principais pesquisas, mostra uma redução da vantagem da democrata de 4,6 pontos na sexta para 2,5 na segunda-feira.

Às 07h51, este era o desempenho dos principais índices:

* FTSE 100 (Reino Unido) -0,15%

* CAC-40 (França) -0,42%

*DAX (Alemanha) -0,18%

*Dow Jones futuro (EUA) +0,16%

* Xangai (China) +0,69% (fechado)

*Hang Seng (Hong Kong) +0,93% (fechado)

* Nikkei (Japão) +0,10% (fechado)

*Petróleo brent +0,25%, a US$ 48,73 o barril

2. Agenda internacional
A atividade do setor industrial da China expandiu no ritmo mais rápido em mais de dois anos em outubro devido ao boom da construção, com empresas menores cada vez mais otimistas, sugerindo que a segunda maior economia do mundo está se estabilizando. O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial atingiu 51,2 em outubro, muito mais forte do que em setembro e o nível mais alto desde julho de 2014; a expectativa era de uma leitura de 50,4. Já o PMI oficial do setor de serviços mostrou expansão no ritmo mais rápido desde dezembro de 2015, com o dado oficial subindo para 54,0 em outubro de 53,7 em setembro.

Destaque ainda para a decisão de política monetária do Bank of Japan, que decidiu nesta terça-feira não expandir o estímulo apesar de adiar a perspectiva para atingir sua meta de inflação de 2%, sinalizando que vai manter sua postura a menos que um forte choque do mercado ameace afetar a frágil recuperação. Em uma ação altamente esperada, o Banco do Japão manteve a taxa de juros em -0,1%, cobrando por parte das reservas em excesso que as instituições financeiras deixam no banco central. O BoJ também manteve a meta de rendimento do título do governo de 10 anos em torno de zero por cento.

Já na agenda dos EUA, destaque para os dados do PMI de manufatura dos EUA referentes a outubro, a serem divulgados às 11h45. Já ao 12h, serão revelados os dados de gasto com construção referente a setembro e o ISM manufatura de outubro. 

3. Agenda doméstica
Em destaque na agenda doméstica, a CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) do Senado começa a debater nesta terça-feira (1º) a proposta de emenda à Constituição (PEC 55/2016) que estabelece um teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos. O relator da proposta é o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), que só deve apresentar seu parecer durante a reunião.  

Ainda no Brasil, o mercado ficará atento aos dados da produção industrial a serem revelados às 9h pelo IBGE. A atividade deve ter apresentado alta de 0,6% em setembro na comparação mensal, contra queda de 3,8% em agosto, segundo estimativa mediana em pesquisa Bloomberg.

4. Nova Carteira InfoMoney
Nesta terça-feira às 14h (horário de Brasília), Thiago Salomão e João Sandrini estarão AO VIVO na InfoMoneyTV para apresentar a Carteria Recomendada InfoMoney para o mês de novembro. O portfólio de outubro rendeu 9,14% e chegou a 53,63% de rentabilidade em 2016 - o Ibovespa subiu 49,02% no mesmo período. A nova carteira estará disponível na página do Guia Onde Investir 2016 a partir das 10h.

5. Destaques corporativos
A temporada de balanços segue no radar dos invetidores. A TIM registrou um lucro líquido normalizado pela venda de torres e outros impactos de R$ 200 milhões no 3° trimestre, crescimento de 14% sobre igual período do ano passado. A Smiles informou lucro líquido de R$ 144,7 milhões no período, alta de 47% ante mesmo período de 2015. Já elétrica EDP Energias do Brasil fechou o trimestre com lucro líquido de R$ 230,8 milhões, alta de 317,2% ante o mesmo período de 2015, principalmente devido ao melhor resultado financeiro. A M.Dias Branco, fabricante de massas e biscoitos, reportou um lucro líquido de R$ 269,7 milhões no trimestre, resultado 63,4% acima do registrado no mesmo período de 2015. Por sua vez, a administradora de shopping centers Multiplan viu seu lucro líquido cair 0,9% no período, para R$ 58,03 milhões. Além dos balanços, destaque também para a Bradespar, holding que detém participação na Vale, que propôs dividendos zero aos acionistas em 2016 (confira mais destaques corporativos clicando aqui).  

(Com Reuters e Bloomberg)

 

Contato