Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa dispara 1,5% com foco nos EUA e em sinal de apoio do "centrão" a Temer

Mercado mostra força, repercutindo a decisão de juros britânica e os indicadores abaixo do esperado da economia americana

Imóveis - EUA
(Bloomberg)

SÃO PAULO - O Ibovespa fechou em alta nesta quinta-feira (15), flertando com os 58 mil pontos perto do fim da sessão. O índice seguiu as bolsas dos Estados Unidos, que subiram com a redução das apostas de aumento de juros no país na próxima semana. Pela manhã, o mercado já apresentava um desempenho positivo seguindo o desempenho das bolsas internacionais, que olhavam para a melhora na economia britânica após a manutenção das taxas de juros do Reino Unido em 0,25%. No fim do pregão, a notícia de que os partidos do chamado "centrão" se reuniram com o presidente Michel Temer para reafirmar apoio "absoluto" a ele ajudou a dar uma dose maior de ânimo aos investidores. 

O benchmark da bolsa brasileira subiu 1,49%, a 57.909 pontos. O volume financeiro negociado foi de R$ 5,457 bilhões. 

Segundo Cassiano Leme, gestor da Constância Asset, a Bolsa hoje acompanhou bem os mercados norte-americanos. "O trading tem sido muito em cima disso. Tem menos a ver com circunstâncias locais do que com a redução das apostas de um aumento de juros nos EUA", disse. Para ele, até a próxima quarta-feira (21) a volatilidade vai continuar por conta das especulações sobre a política monetária da maior economia do mundo. 

Já o dólar comercial fechou em queda de 1,24% a R$ 3,3004 na compra e a R$ 3,3017 na venda, enquanto o dólar futuro para outubro tem queda de 1,38% a R$ 3,314 no after-market. O Banco Central fez pelo segundo dia consecutivo um leilão de swaps reversos menor do que o que vinha fazendo no último mês. Foram 5.000 contratos ofertados, que foram colocados em sua integridade pelo BC. 

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2018 opera com baixa de 6 pontos-base a 12,59%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 recua 12 pontos-base a 12,11% também no after-market. 

Entre as commodities, o petróleo WTI (West Texas Intermediate) sobe 0,67% a US$ 43,87 o barril, enquanto o Brent avança 1,43% a US$ 46,97 o contrato futuro do barril para dezembro. Já o minério de ferro spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao se manteve estável em US$ 55,97 a tonelada seca.  

Dados dos EUA
As vendas no varejo dos EUA caíram 0,3% em agosto ante julho, ao valor sazonalmente ajustado de US$ 456,32 bilhões, segundo dados publicados hoje pelo Departamento do Comércio. Analistas consultados pelo The Wall Street Journal previam queda menor, de 0,1%. O recuo nas vendas de agosto foi o primeiro desde março. Em julho, o setor varejista dos EUA vendeu 0,1% mais do que no mês anterior, de acordo com revisão do indicador, que havia apontado estabilidade nas vendas originalmente.

Já o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) ficou estável em agosto na comparação com o mês anterior nos Estados Unidos, em um sinal de que a pressão inflacionária continua fraca. Economistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam alta de 0,1%.

Também saíram os pedidos de auxílio-desemprego na semana passada, que tiveram alta 1 mil na semana encerrada em 10 de setembro nos Estados Unidos, para 260 mil, informou nesta quinta-feira o Departamento do Trabalho. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam 265 mil. O dado segue em um nível consistente com contratações constantes no mercado de trabalho americano, um sinal de que o setor está ajudando na recuperação da economia do país. Esta foi a 11ª semana que os pedidos ficaram abaixo de 270 mil, uma sinal de que poucos empregadores estão demitindo. Os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior, de 259 mil, não foram revisados.

Por fim, a produção industrial dos Estados Unidos caiu 0,4% em agosto ante julho, no cálculo com ajuste sazonal, segundo dados publicados hoje pelo Federal Reserve (Fed, o BC norte-americano). O resultado veio aquém da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam declínio de 0,2%. A taxa de utilização da capacidade instalada, uma medida da ociosidade na indústria, recuou 0,4 ponto porcentual em agosto, a 75,5%, também vindo abaixo da projeção do mercado, que era de 75,7%.

Centrão fecha com Temer
O presidente Michel Temer se reuniu com líderes de partidos do bloco conhecido como "centrão". Segundo jornais, eles reafirmaram apoio "absoluto" a Temer e disseram estar unidos no objetivo de aprovar as matérias do governo que propõem um ajuste fiscal. PMDB, PP, PR, PSD, PRB, PTB e SD entregaram ao presidente um documento no qual se dizem "conscientes" dos seus papéis para um “amplo debate e aprovação” de matérias “fundamentais” para que o Brasil seja reinserido no “rol das nações competitivas e desenvolvidas”.

Discurso de Lula
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez pronunciamento nesta quinta, em São Paulo, para se defender da denúncia apresentada contra ele na Operação Lava Jato. Lula foi denunciado à Justiça pela primeira vez no âmbito da Operação Lava Jato, em anúncio feito ontem pela força-tarefa do MPF, responsável pela operação. A peça da acusação inclui a esposa do petista, Marisa Letícia da Silva, e outras seis pessoas. Os procuradores afirmam que o ex-presidente recebeu vantagens indevidas referentes à reforma de um triplex em Guarujá (SP) feita pela empreiteira OAS. Segundo o MPF, a reforma foi oferecida a ele como compensação por ações do ex-presidente no esquema de corrupção da Petrobras.

Lula voltou a falar sobre a Lava Jato, ressaltando que, desde a véspera da eleição presidencial de 2014, "eles" vêm com a "conversa" de que "o Lula e a Dilma sabiam" do esquema de corrupção na Petrobras. O petista também afirmou que mantém o bom humor diante das denúncias: "eu sei pra onde eu vou, eu sei quem me ajudou a chegar onde eu cheguei, sei quem quer que eu saia e sei quem quer que eu volte."

Decisão do BoE
As bolsas europeias subiram hoje após fortes dias de baixa, repercutindo a decisão do Bank of England de manter os juros em 0,25% de forma unânime e de olho na bateria de indicadores dos EUA. Após o corte das taxas na Grã Bretanha em agosto, os dados econômicos do país tiveram uma sensível melhora, com vendas no varejo vindo acima do esperado e o PMI (Índice Gerente de Compras, na sigla em inglês), recuperado das mínimas em 89 meses. A evolução da economia inglesa veio acompanhada de uma forte desvalorização da libra, que já caiu perto de 12% desde o "Brexit", aumentando a competitividade das exportações do país.

Mais política monetária
O encontro do BoE ocorre uma semana antes dos encontros do Fomc (Federal Open Market Committee), o comitê federal de mercado aberto dos EUA, e do Bank of Japan, o banco central japonês. Aliás, a autoridade monetária japonesa roubou a cena hoje nos mercados asiáticos, com os investidores incertos sobre se o BoJ revisará o seu programa de estímulos para a economia. Já existem especulações de que a autoridade monetária japonesa possa anunciar uma redução nas compras de títulos de longo prazo. 

Ações em destaque
As ações da Petrobras (PETR3, R$ 15,29, +2,34%; PETR4, R$ 13,51, +3,05%) subiram junto com o petróleo, além de notícias do noticiário corporativo. O ADR (American Depositary Receipt) da Petrobras teve a recomendação elevada de underperform (desempenho abaixo da média do mercado) para neutra pelo Macquarie, com preço-alvo sendo elevado de US$ 3,90 para US$ 9,70.

Ainda no radar da estatal, a Petrobras prestou esclarecimentos sobre a venda da Petrobras Argentina. A empresa informou que a venda “foi conduzida através de processo competitivo e o valor da transação foi avaliado por duas instituições financeiras, que consideraram a oferta justa para a Petrobras (fairness opinion), e por uma terceira, que confirmou que o preço era adequado (valuation report)”.

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano
 BVMF3 BMFBOVESPA ON 17,15 +3,50 +59,48
 CPLE6 COPEL PNB 33,38 +3,25 +43,42
 PETR4 PETROBRAS PN 13,51 +3,05 +101,64
 HYPE3 HYPERMARCAS ON 27,45 +2,77 +28,67
 VIVT4 TELEF BRASILPN 47,42 +2,75 +37,66

 

 

 

Quem também subiu foi a Vale (VALE3, R$ 16,64, 0,00%; VALE5, R$, 14,15, +0,14%), que "ignorou" a estabilidade do minério de ferro e avançou. 

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 ECOR3 ECORODOVIAS ON 8,34 -1,77 +63,85
 FIBR3 FIBRIA ON 23,70 -1,00 -53,52
 QUAL3 QUALICORP ON 20,18 -0,93 +50,88
 NATU3 NATURA ON 31,30 -0,79 +34,67
 KLBN11 KLABIN S/A UNT N2 16,84 -0,59 -27,22

 

 

 

Entre as quedas, os papéis da exportadora de papel e celulose Fibria (FIBR3, R$ 23,70, -1,00%) ficaram entre os maiores recuos. A desvalorização foi causada principalmente pelo recuo do dólar. 

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1
 PETR4 PETROBRAS PN 13,51 +3,05 563,16M
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN 35,79 +2,17 404,85M
 ITSA4 ITAUSA PN 8,46 +2,67 323,66M
 BBDC4 BRADESCO PN 28,61 +2,73 311,36M
 BVMF3 BMFBOVESPA ON 17,15 +3,50 174,11M
 CCRO3 CCR SA ON 16,90 +0,42 171,71M
 VALE5 VALE PNA 14,15 +0,14 161,11M
 CIEL3 CIELO ON 32,93 +1,01 159,31M
 BBAS3 BRASIL ON EJ 22,31 +1,73 154,02M
 PETR3 PETROBRAS ON 15,29 +2,34 140,34M

* - Lote de mil ações 
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
 

Operação Acrônimo
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta a 8ª fase da Operação Acrônimo, cumprindo 20 mandados em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal. Segundo a PF, as ações são desdobramento da investigação que tramita no STJ (Superior Tribunal de Justiça).

O foco da Operação está em contratos da empreiteira Odebrecht com o BNDES liberados em troca de suposto pagamento de propina. Porém, a empreiteira não é alvo, mas sim uma firma que intermediou os contratos.

Ameaça dos Estados
Depois dos Estados ameaçarem entrar em estado de calamidade financeira se não forem ajudados, a secretária do Tesouro Ana Paula Vescovi disse que o governo não vai abrir negociação. Segundo ela, o acordo para a renegociação das dívidas de Estados e municípios já ocorreu. "Esta é a posição do governo federal repassada aos governadores", afirmou.

No entanto, 16 governadores das regiões Norte e Nordeste ameaçam divulgar uma "Carta ao Povo Brasileiro" para denunciar a grave crise fiscal em que se encontram. O risco político disso para o Planalto é Temer perder o apoio de parlamentares dos estados em crise às medidas econômicas de ajuste fiscal como a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241/2016, que institui um teto para os gastos do governo igual à inflação do ano anterior.  

(Com Agência Estado)

 

Contato