Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa sobe 1,5% de olho na "reta final" do impeachment e bom humor em Wall Street

Além do discurso da presidente afastada no Senado, mercado digere Jackson Hole da última sexta-feira e projeções de menos cortes da Selic para 2017

Bovespa - Bloomberg
(Bloomberg)

SÃO PAULO - O movimento de alta consolidado pelo Ibovespa durante a manhã ganhou ainda mais força durante a tarde, com os investidores acompanhando a "reta final" do impeachment de Dilma Rousseff e embalados pelo bom humor visto em Wall Street. Com isso, o índice fechou com alta de 1,55%, a 58.610 pontos nesta segunda-feira (29), com um volume financeiro de R$ 5,368 bilhões. Na máxima do dia, alcançada às 14h50, o benchmark bateu 58.957 pontos, subindo 2,15%, uma alta de 1.250 pontos em relação ao último fechamento.

Já o dólar futuro com vencimento em setembro recuou 1,01%, a R$ 3,238 - no começo do dia, o contrato da moeda chegou a subir 0,8%. Já o dólar comercial fechou com queda de 1,21%, na mínima do dia, cotado a R$ 3,2323 na venda. Movimento semelhante do câmbio também foi visto no mercado de juros: tanto os DIs curtos quanto os longos passaram a operar no campo negativo após marcarem altas no começo desta segunda-feira.

Em entrevista ao InfoMoney, o estrategista-chefe da XP Investimentos, Celson Placido, afirma que a fala de Dilma não teve nenhuma novidade, acabou sendo mais uma vez um discurso defensivo, citando a palavra "golpe" e a ideia de que Michel Temer seria um "usurpador". Analistas já destacam que o mercado precifica o impeachment, mas ainda há a expectativa da entrada de um fluxo com o término do processo, o que pode derrubar o dólar.

“O mercado está procurando motivos para volatilidade, olhando para o Senado tentando encontrar algo, mas o Fed e o relatório de emprego no fim da semana devem fazer mais preço na Bolsa nestes dias”, disse Pablo Spyer, diretor da mesa de trade da Corretora Mirae. Para ele, o movimento de alta do Ibovespa tem mais relação com a melhora do humor no mercado norte-americano do que na fala de Dilma - os índices Dow Jones e S&P500 subiram cerca de 0,5%.

Indefinição na Bolsa
Se no começo do pregão as ações do "kit Selic" lideravam as perdas por conta das projeções vistas no Boletim Focus de cortes mais brandos na Selic, no fim do dia praticamente todas as ações do índice subiram. Das 59 ações que fazem parte da carteira teórica, apenas a Usiminas (USIM5, R$ 3,43, -4,19%) recuou mais de 2%.

Dentre os destaques de alta, ficaram as blue chips Vale, Petrobras, Itaú Unibanco e Bradesco com ganhos na faixa de 2% - juntas, estas 4 empresas respondem por mais de 30% da carteira teórica do Ibovespa. Sobre Petrobras, fontes da Bloomberg afirmam que a empresa fará a "maior venda da história"; já sobre os bancos, destaque para notícia que saiu no O Globo no domingo falando sobre o interesse de compradores das ações da herdeira do Bradesco.

O setor elétrico também apareceu entre as maiores altas, após o Morgan Stanley elevar para compra a recomendação das ações da Cesp (CESP6) e da CPFL Energias Renováveis (CPRE3).

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 WEGE3 WEG ON 16,83 +4,86 +14,46 57,74M
 CESP6 CESP PNB 13,93 +4,74 +4,59 24,36M
 BBAS3 BRASIL ON EJ 23,82 +4,02 +66,24 205,98M
 BRAP4 BRADESPAR PN 10,77 +3,86 +115,83 6,53M
 ECOR3 ECORODOVIAS ON 8,42 +3,31 +65,42 16,76M



As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 USIM5 USIMINAS PNA 3,43 -4,19 +121,29 126,49M
 MULT3 MULTIPLAN ON N2 58,81 -1,39 +56,07 53,12M
 PCAR4 P.ACUCAR-CBDPN 51,72 -0,69 +23,59 49,31M
 BVMF3 BMFBOVESPA ON EJ 17,86 -0,61 +66,08 128,52M
 MRFG3 MARFRIG ON 5,12 -0,39 -19,37 12,83M



As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN ATZ 12,87 +2,55 468,23M 595,19M 25.937 
 ABEV3 AMBEV S/A ON 19,24 +0,26 254,99M 236,34M 25.195 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN 36,36 +1,76 236,12M 408,14M 19.426 
 BBAS3 BRASIL ON EJ 23,82 +4,02 205,98M 180,18M 24.264 
 VALE5 VALE PNA 15,43 +2,39 187,16M 325,62M 17.101 
 BBDC4 BRADESCO PN 29,16 +1,82 171,57M 269,02M 17.122 
 PETR3 PETROBRAS ON 15,19 +1,54 146,96M 136,47M 15.235 
 UGPA3 ULTRAPAR ON ED 75,40 +1,62 133,95M 87,32M 7.357 
 ITSA4 ITAUSA PN 8,71 +1,52 130,91M 155,02M 17.699 
 BVMF3 BMFBOVESPA ON EJ 17,86 -0,61 128,52M 189,03M 15.001 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
 

Discurso de Dilma
Às 9h53, Dilma Rousseff iniciou seu depoimento no Senado. Durante sua fala, a presidente afastada chamou o impeachment de "chantagem explícita de Eduardo Cunha", disse que sua vitória nas eleições foi uma afronta à elite brasileira e voltou a classificar o impeachment como golpe. "Estamos a um passo de uma verdadeira ruptura institucional, estamos a um passo de um verdadeiro golpe de Estado", disse Dilma (clique aqui para acompanhar a cobertura geral do evento).

Nesta sessão, Fed e Focus
O mercado segue repercutindo o evento ocorrido em Jackson Hole na última sexta-feira, que elevou a chance de alta de juros principalmente por conta da fala do vice-presidente do Federal Reserve, Stanley Fischer, que afirmou que a fala da chairwoman Janet Yellen é compatível com altas de juros este ano. A probabilidade de alta no mês que vem subiu para 42% na sexta-feira, ante 32% na véspera e 10% um mês atrás; para dezembro, chance em um mês passou de 49% para 66%.

Na Ásia, o efeito deste discurso foi um aumento na expectativa por estímulos no Japão. O presidente do BoJ, Haruhiko Kuroda, disse no sábado que a instituição financeira não hesitará em tomar medidas de flexibilização monetária para alcançar a meta de inflação, de 2%.   

Por aqui, destaque para o Relatório Focus, divulgado toda segunda-feira pelo Banco Central e trazendo as projeções dos economistas para os principais indicadores do País. O boletim mostrou nova queda nas estimativas para o IPCA de 12 meses - de 5,34% para 5,32% - mas a projeção para 2016 do principal índice de preços subiu de 7,31% para 7,34%, enquanto a projeção da Selic para 2017 subiu de 11,0% para 11,25% ao ano. O Focus mostrou ainda uma melhora na estimativa do PIB para 2016 - de queda de 3,20% para -3,16% -, enquanto a Selic para dezembro foi mantida em 13,75%.

Para a semana, agenda carregada
Nos EUA, a agenda da semana reserva o relatório de emprego na sexta-feira (2) às 9h30, que deve mostrar criação de 175 mil vagas em agosto, enquanto a taxa de desemprego cairá para 4,8%. Ainda por lá, o vice-presidente do Fed, Stanley Fischer, falará à BloombergTV nesta terça-feira (30) Às 17h30 (horário de Brasília).

Na Chinatrês importantes dados serão revelados na noite de quarta-feira (31): os PMIs (Índices Gerentes de Compras) da indústria e de serviços da agência estatal NBS, que saem às 22h (horário de Brasília), e o PMI de manufaturas da Markit/Caixin, às 22h45. O mais importante, para nós brasileiros, é o PMI da indústria chinesa, para o qual se espera uma leve queda para 50,3 pontos, ante um resultado anterior de 50,6.

No Brasil, além do desenrolar do impeachment, teremos na quarta-feira o desfecho da 2ª reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) liderada por Ilan Goldfajn, cuja expectativa é de manutenção da Selic em 14,25% ao ano. O encontro, que tem formato novo, ocorre da 14h30 às 18h nos dois dias. O resultado sai na quarta após este período.

Também na quarta-feira, mas às 9h, será divulgado o PIB brasileiro do segundo trimestre, que os analistas da LCA Consultores esperam que fique em -3,5% na comparação anual, contra um resultado anterior de -5,4%.

 

Contato