Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa cai 1% arrastado por bancos em meio a derrocada do Bradesco; dólar sobe

Vale e Bradesco divulgaram resultados do segundo trimestre; mercados mundiais têm dia de cautela de olho em BoJ e Fomc

Bradesco_Bloomberg

SÃO PAULO - O Ibovespa registra perdas nesta quinta-feira (28), pressionado por bancos após o resultado decepcionante do Bradesco, que lidera as perdas no setor mais pesado do índice. Lá fora, as bolsas operam entre perdas e ganhos com destaque para a repercussão do Fomc (Federal Open Market Committee), que manteve os juros nos EUA na banda entre 0,25% e 0,5% ao ano, além de novos rumores sobre a atuação do Bank of Japan (o banco central japonês). O mercado já espera pelo discurso da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, na conferência anual de Jackson Hole no fim de agosto. 

Às 14h03 (horário de Brasília) o benchmark da bolsa brasileira registra queda de 1,03%, a 56.266 pontos. Já o dólar comercial tem alta de 0,36% a R$ 3,2829 na venda, enquanto o dólar futuro para agosto avança 0,43% a R$ 3,281. 

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2018 tem ganhos de 4 pontos-base a 12,90%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 registra ganhos de 5 pontos-base a 12,10%. 

Ações em destaque
O Bradesco (BBDC3, R$ 28,52, -3,35%; BBDC4, R$ 27,62, -4,03%), por sua vez, cai após divulgar o seu resultado referente ao segundo trimestre. Houve uma queda de 7,6% do lucro líquido contábil na comparação com o mesmo período do ano anterior, totalizando R$ 4,134 bilhões. O lucro líquido ajustado caiu na mesma proporção, somando R$ 4,161 bilhões; a estimativa dos analistas consultados pela Bloomberg era de um lucro de R$ 4,25 bilhões.

O banco também cortou previsões para a carteira de crédito deste ano, com a perspectiva de expansão da carteira de crédito sendo reduzida para um intervalo de queda de 4% a estabilidade sobre 2015 ante estimativa anterior de crescimento de 1% a 5%.

Ainda sobre o banco, segundo o Valor Econômico, dez executivos do Bradesco foram denunciados hoje pela Procuradoria da República do Distrito Federal no âmbito da Operação Zelotes. A denúncia se refere às supostas irregularidades cometidas junto ao Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais). 

Acompanham o Bradesco nas quedas as ações do Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 33,07, -1,43%), da Itaúsa (ITSA4, R$ 8,25, -0,96%) e do Banco do Brasil (BBAS3, R$ 20,68, -3,72%). Juntos, esses 5 papéis respondem por 26,13% da carteira teórica do Ibovespa. 

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 PCAR4 P.ACUCAR-CBDPN 49,67 -7,68
 USIM5 USIMINAS PNA 3,11 -6,04
 BBDC4 BRADESCO PN 27,63 -4,00
 BBAS3 BRASIL ON 20,68 -3,72
 BBDC3 BRADESCO ON 28,51 -3,39

 

 

Na mesma linha, o Grupo Pão de Açúcar (PCAR4, R$ 49,70, -7,62%) vê seus papéis despencarem após os números do segudno trimestre. A companhia teve prejuízo de R$ 583 milhões de reais, ante resultado negativo de R$ 13 milhões de reais registrado no mesmo período de 2015. O resultado atribuível aos acionistas controladores foi de prejuízo de R$ 276 milhões, ante lucro de R$ 66 milhões no segundo trimestre de 2015. O Ebitda caiu 59%, para R$ 279 milhões. Em termos ajustados, a geração de caixa recuou 1 por cento, a R$ 760 milhões.

As ações da Vale (VALE3, R$ 18,71, -1,11%; VALE5, R$ 14,90, -1,19%), que subiam após a companhia divulgar um balanço do segundo trimestre de 2016 considerado sólido e em linha com as expectativas, passaram a cair. Isso também apesar da alta de 3,41% do minério de ferro negociado em Qingdao, cotado a US$ 60,07 a tonelada.

A mineradora registrou uma queda de 30% no lucro líquido, para R$ 3,585 bilhões; no segundo trimestre de 2015, a mineradora registrou lucro de R$ 5,144 bilhões. A queda no lucro ocorreu principalmente por uma provisão anunciada na véspera de R$ 3,733 bilhões relacionada ao rompimento de uma barragem da Samarco, sua joint venture com a BHP Billiton, no ano passado. No primeiro semestre, a Vale lucrou R$ 9,896 bilhões, revertendo prejuízo de R$ 4,395 bilhões do mesmo período de 2015.

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 NATU3 NATURA ON 28,47 +4,52
 MRFG3 MARFRIG ON 5,48 +1,29
 KROT3 KROTON ON 14,43 +1,12
 RADL3 RAIADROGASILON 62,84 +1,09
 EQTL3 EQUATORIAL ON 54,23 +1,08

 

Na outra ponta, as ações da Natura (NATU3, R$ 28,47, +4,52%) disparam após números melhores que o esperado do resultado do segundo trimestre. A maior fabricante de cosméticos do país, registrou lucro líquido de R$ 91 milhões no segundo trimestre, uma queda de 22% em relação ao mesmo período do ano passado. Já o Ebitda caiu 3,5% e somou R$ 345 milhões no período refletindo, principalmente, o aumento da carga tributária (alta de 31,3%) e o impacto desfavorável do câmbio no custo dos produtos vendidos. Na mesma base de comparação, a receita da companhia cresceu 5%, para US$ 2 bilhões, prejudicada pela carga tributária.

Em outro comunicado, a Natura disse que o conselho aprovou o não pagamento de dividendos intermediários e de juros sobre capital próprio para o primeiro semestre de 2016.

Cautela com Fomc e BoJ
No noticiário internacional, o  dia é de cautela para a maior parte das bolsas mundiais, com os mercados digerindo a reunião do Fomc (Federal Open Market Committee) com tom menos "hawkish" na véspera e na expectativa pelo encontro do Bank of Japan. Além disso, de acordo com duas fontes ouvidas pela agência Reuters, o governo japonês está planejando gastos fiscais diretos de cerca de 7 trilhões de ienes (US$ 67 bilhões) para ajudar a financiar um pacote de estímulo econômico totalizando mais de 28 trilhões de ienes; esse volume pode decepcionar alguns players do mercado que esperam gastos maiores.

Já o dólar lá fora prolonga as perdas em relação a maior parte das moedas após o Fed reiterar abordagem gradual para alta de juros; moeda americana perde para 12 de 16 principais divisas globais.

Agenda de indicadores
Hoje foi divulgado o IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado), que subiu 0,18% em julho na comparação mensal e alta de 11,63% na base anual. Já às 14h a secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, comentará o resultado primário do Governo Central - entidade formada por Banco Central, Previdência e Tesouro Nacional -, em coletiva à imprensa. 

Bank of England
A libra cai com expectativas de que BOE corte juros pela 1ª vez em mais de 7 anos na reunião do próximo dia 4 de agosto. Já os índices futuros norte-americanos têm um dia de leve alta, repercutindo também a bateria de resultados; empresas como Facebook e Anglo American informam lucro acima do esperado; Lloyds Banking, Royal Dutch Shell e Dialog Semiconductor caem após balanços. Já as bolsas europeias caem, lideradas por bancos antes de resultados de testes de estresse, em dia movimentado com concentração de balanços. 

Entrega da defesa de Dilma
Já no noticiário nacional,  o presidente da Comissão Especial do Impeachment no Senado, Raimundo Lira (PMDB-PB), prorrogou por 24 horas o prazo para que a defesa da presidente afastada, Dilma Rousseff, entregue os documentos com as alegações finais do processo. Com isso, essa quinta-feira (28) será o último dia para a entrega dessas alegações.

Agenda de Meirelles
Destaque ainda para a agenda do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que se reúne às 11h com o ministro da indústria, comércio exterior e serviços Marcos Pereira e participa de reunião da CMN (Conselho Monetário Nacional) às 14h30. Ainda sobre Meirelles, o ministro quer tirar poder do Planejamento sobre gastos e está tratando diretamente com o presidente interino Michel Temer sobre transferir para a sua pasta a Secretaria do Orçamento, hoje no Ministério do Planejamento, segundo O Estado de S. Paulo. 

A transferência reduziria o poder de Romero Jucá, que segundo analistas ainda age como um ministro informal atuando com o interino Dyogo Oliveira. A área política muito provavelmente deve oferecer resistência a essa reivindicação de Meirelles. 

Assista ao InfoMoney na Bolsa desta quinta-feira: ,

 

Contato