Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa firma queda puxado por derrocada de bancos apesar de bom desempenho da Vale

Mercado tem dia de perdas e ganhos com o noticiário extremamente agitado por indicadores

Trader
(Bloomberg)

SÃO PAULO - O Ibovespa vira para queda nesta quinta-feira (21), com bancos pressionados pela piora do humor lá fora. Os índices Dow Jones e S&P 500, nos EUA apresentam quedas de 0,55% e 0,44% respectivamente após o Japão decepcionar os mercados ao negar que vá fazer estímulos no modelo conhecido como "dinheiro de helicóptero". Ao mesmo tempo, o BCE (Banco Central Europeu), fez o esperado e manteve a taxa de juros em 0%, com o presidente da autoridade monetária, Mario Draghi, afirmando que a autoridade monetária está pronta para agir se necessário para conter as consequências negativas do "Brexit". Por aqui, o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) ficou um pouco acima do esperado. 

 Às 15h30 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa brasileira tinha queda de 0,53%, a 56.279 pontos. Já o dólar comercial avança 0,97% a R$ 3,2800 na venda, enquanto o dólar futuro para agosto sobe 0,70% a R$ 3,291. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2018 sobe 14 pontos-base a 12,79%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 sobe 4 pontos-base a 11,96%. 

BCE
O BCE decidiu nesta quinta manter as taxas de juros na zona do euro em 0%, como era esperado pela mediana dos economistas consultados pela pesquisa Bloomberg. Já a taxa de depósitos foi mantida em -0,4%, também em linha com o esperado pelo mercado.

Assim como esperado, as compras de ativos dos 19 países da zona do euro dentro do programa de estímulos conhecido como "Quantitative Easing" foram mantidas em 80 bilhões de euros por mês. 

O presidente do BCE, Mario Draghi, reiterou que o BCE está pronto, com vontade e capaz de agir se necessário para conter uma recessão na Europa provocada pelo "Brexit". 

IPCA-15
O IPCA-15 avançou 0,54% entre os dias 15 de junho e 15 de julho, frente à alta de 0,40% no período anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (20). Em 12 meses, o avanço da inflação foi de 8,93% contra os 8,98% registrados no período anterior. 

A mediana das expectativas dos economistas projetava avanço de 0,45% no período analisado. Para o acumulado em 12 meses, a expectativa da mediana dos analistas era de em torno de 8,83% de inflação.

Copom mantém juros
Ontem, o Copom decidiu manter a taxa básica de juros em 14,25% ao ano, o que já era amplamente esperado pelo mercado. Para a Rosenberg Associados, o mercado recebe bem este novo formato de comunicado. Segundo a consultoria, pelo texto, não há espaço para corte de juros tão cedo, "praticamente sepultando as chances de corte em agosto e outubro". Contudo, ainda há muita divergência entre as projeções de analistas. A maioria continua esperando corte em outubro, mas já há quem imagine que uma redução das taxas virá apenas em 2017. 

O fato é que o cenário, apesar de projetar um maior otimismo, ainda está indefinido, já que a autoridade monetária depende de que a expectativa de inflação de 2017 convirja para a meta e de que o IPCA corrente dê sinais de desaceleração consistente. Além de tudo isso, o BC ainda precisa contar com o bom trabalho do governo em cortar gastos. Para saber mais, clique aqui

Ações em destaque
Dentro do setor mais pesado no Ibovespa, o financeiro, bancos grandes caem. Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 33,46, -2,62%), Bradesco (BBDC3, R$ 29,33, -1,58%; BBDC4, R$ 28,55, -1,65%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 20,63, -3,37%) mostram perdas. Juntas, as quatro ações respondem por pouco mais de 20% da participação na carteira teórica do nosso benchmark.

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 BBAS3 BRASIL ON 20,65 -3,28
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN 33,46 -2,62
 ITSA4 ITAUSA PN 8,21 -2,03
 CSAN3 COSAN ON 33,96 -1,99
 NATU3 NATURA ON 27,58 -1,92

 

 

As ações PNs da Petrobras (PETR3, R$ 13,63, -0,15%; PETR4, R$ 11,76, -0,51%) voltam a recuar, sucumbindo ao peso do petróleo. Lá fora, o contrato do petróleo Brent registrava queda de 1,78%, a US$ 46,33 o barril, enquanto o WTI virava para uma forte variação negativa de 1,88%, a US$ 44,88 o barril. 

No radar da empresa, segundo O Globo, a sinalização da Petrobras de que está disposta a oferecer o controle da BR Distribuidora para um sócio privado aumentou o apetite do mercado pela empresa. Na reunião do Conselho de Administração da Petrobras, amanhã, vai ser discutido qual o melhor modelo a adotar para a venda de parte das ações da BR. Além da venda do controle está também a opção de divisão da distribuidora por áreas de negócios, para futuras vendas de participações.

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 USIM5 USIMINAS PNA 2,71 +8,84
 VALE3 VALE ON 17,30 +4,79
 CSNA3 SID NACIONALON 10,72 +4,59
 BRAP4 BRADESPAR PN 10,29 +3,42
 CESP6 CESP PNB 14,93 +2,89

 

As ações da Vale (VALE3, R$ 17,30, +4,78%; VALE5, R$ 14,00, +2,71%), por outro lado, sobem. No noticiário da mineradora brasileira, ela divulgou esta manhã seu relatório de produção. A companhia produziu 86,8 milhões de toneladas no segundo trimestre de 2016, superando em 800 mil toneladas as estimativas do mercado para o período. O volume registrado representa uma redução de 2,8% da produção na comparação anual. A produção de pelotas registrada pela Vale também apresentou retração no mesmo comparativo, ao somar 10 milhões de toneladas, 18% a menos ante o segundo trimestre de 2015.

Destaque também para Carajás, que alcançou recorde de produção para um segundo trimestre, de 36,5 milhões de toneladas, o que corresponde a um aumento de 15,5% na comparação anual. A mineradora também informou que sua controlada -- em conjunto com a anglo-australiana BHP-Billiton -- Samarco planeja retomar operações em 2017, embora o momento ainda seja incerto.

Ainda influenciando na cotação das ações da mineradora, o minério de ferro spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao teve alta de 2,54% a US$ 57,17 a tonelada seca. 

Os reajustes de Temer
Ainda no radar econômico, o presidente interino Michel Temer sancionou sem vetos os projetos de lei que garantem reajustes para servidores do Judiciário e do Ministério Público Federal (MPF). Os aumentos serão pagos gradativamente em parcelas até 2019, e, somente no ano que vem, vão gerar impacto de mais de R$ 5 bilhões. 

Japão
O presidente do Bank of Japan (o banco central japonês), Haruhiko Kuroda, apagou perspectivas de estímulo por meio do chamado “dinheiro de helicóptero”, em que governo emite títulos perpétuos, sem data de vencimento, não negociáveis em mercado e sim comprados diretamente pelo Banco Central. Kuroda disse que não há necessidade, nem possibilidade de dinheiro de helicóptero no Japão. A ideia tinha sido sugerida por Ben Bernanke, o que fez com que o iene se fortalecesse. “Neste momento, o Banco do Japão tem 3 opções com flexibilização quantitativa e qualitativa com taxas de juros negativas”, disse Kuroda; essas políticas podem ser expandidas.

Kuroda também repetiu que está determinado a livrar o Japão de sua mentalidade de deflação, e que não há limitações significativas para mais estímulo monetário pelo BOJ, se necessário. Já as bolsas chinesas tiveram a primeira alta da semana, com os investidores voltando ao mercado em busca de barganhas.

 

Contato