Em mercados / acoes-e-indices

Kroton dispara após rumor sobre nova oferta pela Estácio; Petrobras salta 3% e CSN desaba 6%

Confira os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão

Petrobras - Bloomberg
(Bloomberg)

SÃO PAULO - O Ibovespa teve sessão volátil nesta terça-feira (7), em meio a novidades políticas, bom humor externo e declarações de Ilan Goldfajn. O dólar, por sua vez, que abriu em alta, virou para o negativo com a possibilidade de o Banco Central, sob comando de Goldfajn, intervir menos no câmbio. No fechamento da Bovespa, o contrato futuro do dólar marcava queda de 1,26%, a R$ 3,473. 

Na Bolsa, as ações da Petrobras apareceram entre as maiores altas desta sessão, puxadas pelo preço do petróleo no mercado internacional e elevação de preço-alvo das ações ordinárias pelo UBS. Por outro lado, as ações da Vale descolaram do movimento do minério de ferro e afundaram, após o Bradesco BBI apontar que a mineradora pode ter de provisionar R$ 1,2 bilhão para Samarco. 

Além disso, destaque também para informação da Bloomberg divulgada próxima ao fechamento do pregão. Segundo fonte disse à agência de notícias, a Kroton estaria disposta a oferecer prêmio pela Estácio e também incluir cláusula de antecipação das assembleias de acionistas para definir termos finais da proposta antes da aprovação do Cade, como parte da disputa contra a Ser Educacional. As ações da Kroton ganharam força com a notícia e fecharam em alta superior a 1%. 

Confira abaixo os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão:

Vale e siderúrgicas
As ações da Vale (VALE3, R$ 16,57, -1,89%; VALE5, R$ 12,99, -0,15%) seguiram pressionadas nesta sessão, apesar da forte alta do minério de ferro lá fora. O mercado digeriu um relatório do Bradesco BBI apontando que a mineradora pode ter de provisionar R$ 1,2 bilhão para Samarco. Em meio ao pessimismo gerado em torno da companhia, os papéis descolam do preço do minério de ferro, que fechou hoje em valorização de 2,80% no porto de Qingdao, na China, a US$ 52,54 a tonelada.

Já as ações da Bradespar (BRAP4, R$ 7,96, -0,13%) - holding que detém participação da mineradora - fecharam perto da estabilidade, enquanto os papéis do setor siderúrgico perderam força e caíram forte no final do dia, com Gerdau (GGBR4, R$ 6,31, -0,63%), Usiminas (USIM5, R$ 1,88, -2,08%) e CSN (CSNA3, R$ 6,99, -5,41%). 

Em relatório, o Bradesco BBI prevê provisões de R$ 1,2 bilhão da Vale dada a necessidade de recursos para operação da Samarco. O banco corta estimativa do minério de ferro no longo prazo de US$ 55 a tonelada para US$ 45 a tonelada, em razão da inclinação negativa da curva de custos e da persistente oferta superavitária. A conclusão do acordoNacala/Moatize deve liberar US$ 3 bilhões do balanço da Vale.

O acordo Moatize/Nacala deve ser concluído no 2º semestre de 2016. Ao mesmo tempo, outras alternativas, como venda de opção de compra para produção futura de minério de ferro, estão sendo discutidas - ainda em estágio inicial. A Samarco, Vale e BHP Billiton Brasil formalizaram criação de fundação que desenvolverá e executará programas ambientais e socioeconômicos com a finalidade de reparar e compensar os danos causados pela ruptura da barragem da Samarco, segundo anúncio em 2 de março.

Além disso, a Vale Overseas ofertou US$ 1,25 bilhão em notas de cinco anos, com rendimentos de 5,875% a 6%, disse uma pessoa familiar com ao assunto à Bloomberg, mas que pediu anonimato por não estar autorizada a falar publicamente. Os coordenadores da oferta foram: BB Securities, Bank of America Merrill Lynch, Bradesco, HSBC e Santander.  

No radar da Vale também, o presidente interino Michel Temer quer tirar Murilo Ferreira do comando da mineradora, enquanto os acionistas controladores resistem a fazer uma mudança agora, diz Valor Econômico. Os sócios da Vale têm receio de que troca seja vista pelo mercado como interferência política, com efeitos negativos sobre a imagem da companhia. A Valepar, holding que comanda a Vale, é controlada pelos fundos de pensão Funcef, Previ, Petros e Funcesp, além de Bradespar, holding do Bradesco, Mitsui e BNDESPar.

Já sobre a Gerdau, a companhia e seus executivos foram alvo de ação coletiva nos Estados Unidos após investidores americanos alegarem ter sofrido perdas com o escândalo de corrupção revelado pela Operação Zelotes, segundo informações do jornal O Globo. O processo vem na sequência do Bradesco, que foi alvo de ação coletiva de investidores americanos na segunda-feira. 

Petrobras (PETR3, R$ 11,13, +3,06%; PETR4, R$ 8,62, +1,89%)
Os papéis da Petrobras fecharam em fortes ganhos, entre a alta dos preços do petróleo no mercado internacional e um relatório otimista do UBS. Nesta sessão, o contrato do petróleo Brent subiu 0,86%, a US$ 51,41 o barril, enquanto o WTI teve alta de 0,67%, a US$ 50,36 o barril. 

No radar da estatal, o UBS elevou o preço-alvo das ações ordinárias da Petrobras de R$ 8,00 para R$ 12,00. A mudança deve-se por redução de risco no Brasil e apreciação do real frente ao dólar. O banco segue com recomendação neutra para a estatal. As ações preferenciais tiveram preço-alvo mantido em R$ 10,00. 

Sabesp (SBSP3, R$ 26,68, +1,14%)
O Haitong iniciou cobertura das ações da Sabesp com recomendação de compra e preço justo de R$ 33,00. "Nós acreditamos que a Sabesp é uma boa opção para portfólios de valor, vendo um potencial de alta de 23% e estável crescimento de fluxo de caixa nos próximos anos", comentaram os analistas Sergio Tamashiro e Gabriel Brilhante em relatório do banco. 

Pão de Açúcar (PCAR3, R$ 42,62, +1,62%)
As ações do Pão de Açúcar chegaram a subir 2,5% nesta sessão, indo a R$ 43,00, após elevação de recomendação pelo Deutsche Bank. O banco revisou a recomendação das ações da companhia de manutenção para compra. 

Indusval (IDVL4, R$ 1,40, +11,11%)
As ações do Indusval chegaram a subir 22,22%, a R$ 1,54, na máxima do dia, após informações da Reuters apontarem que o grupo chinês Shanghai Pengxin está negociando a compra do controle do banco Indusval. A aquisição é uma estratégia para se expandir para além de commodities na América Latina, afirmaram três fontes com conhecimento direto do assunto. Representantes do Pengxin e sócios do Indusval discutiram potenciais cenários para um acordo, disseram duas das fontes. As negociações estão em estágio preliminar e podem não resultar em um negócio, disseram as fontes.  

Oi (OIBR3, R$ 1,39, +6,92%; OIBR4, R$ 1,23, +4,24%)
A Oi estima que vai investir cerca de R$ 1,6 bilhão na instalação de fibra ótica na Baixada Fluminense, no adensamento do sinal 3G e em melhorias do atendimento ao consumidor, informa o jornal Folha de S. Paulo. O dinheiro equivale a metade da soma do valor das multas que a Anatel aplicou com o que a Oi já iria gastar para adaptar seus serviços aos padrões de qualidade impostos pela agência. 

Tereos (TERI3, R$ 60,75, -0,41%)
A Tereos contratou bancos para roadshow com investidores, dizem fontes para a Bloomberg. A captação de 400 milhões de euros com títulos de sete anos deve suceder encontros com investidores programado para 7-9 de junho, segundo pessoas familiarizadas com o assunto e que pediram anonimato por não estarem autorizadas a falar publicamente. O uso dos recursos será para propósitos gerais da companhia e refinanciamento de dívida.

Além disso, o CEO (Chief Executive Officer) da Tereo vê alta em preço do açúcar com impasses em portos. O congestionamento em portos alavancará os preços durante o verão europeu, disse presidente do conselho de administração da companhia, Alexis Duval, em entrevista em Paris. A situação deve voltar à normalidade após mercado se tornar bem abastecido.

Marcopolo e Tupy
A Marcopolo (POMO4, R$ 2,37, -5,95%) foi rebaixada de neutra para underweight pelo JPMorgan; o mesmo banco elevou de neutra para overweight a recomendação para Tupy (TUPY4, R$ 12,65, -1,17%). 

Restoque (LLIS3, R$ 3,84, -8,79%)
A Restoque-Inbrands deve ter capitalização de R$ 500 milhões, diz o Valor Econômico. As duas empresas anunciaram na quinta-feira à noite, por meio de fato relevante enviado ao mercado, que negociam uma fusão.  

Ser Educacional (SEER3, R$ 12,80, +3,06%)
As ações da Ser Educacional seguiram em alta na Bovespa, acumulando ganhos de 14% nas últimas quatro sessões, na esteira da proposta feita pela companhia - comunicada ao mercado no final de semana - para união com a Estácio (ESTC3, R$ 14,79, +1,72%). Segundo o Valor, os gestores da Estácio são favoráveis à oferta da Ser. direção da Estácio inclina-se pela proposta da Ser Educacional, segundo o jornal.

Nesta tarde, a Bloomberg informou que a Kroton (KROT3, R$ 12,85, +1,18%) estaria disposta a oferecer prêmio pela Estácio e também incluir cláusula de antecipação das assembleias de acionistas para definir termos finais da proposta antes da aprovação do Cade, como parte da disputa contra a Ser Educacional. O objetivo seria evitar a preocupação de acionistas da Estácio de que a oferta poderia ser revisada posteriormente, como ocorreu quando a Kroton adquiriu a Anhanguera em 2014, disse uma pessoa à Bloomberg, que não quis se identificar porque as discussões são privadas. Após a notícia, as ações da Kroton, que caíram 4,33% na máxima do dia, ganharam força na Bolsa e fecharam em alta de 1,65%. 

Em 2 de junho, a Kroton ofereceu uma relação de troca de 0,977 ação sua por ação da Estácio. No final de semana, a Ser Educacional enviou uma proposta não-vinculante para unir-se à Estácio com prêmio de 9% sobre R$ 11,08, preço de fechamento da ação em 1° de junho, disse o diretor de relações com investidores Rodrigo Alves em teleconferência. 

ViaVarejo (VVAR11, R$ 6,40, -0,16%)
A Citi Corretora cortou hoje a recomendação das ações da Via Varejo para venda, ajustando o preço-alvo para R$ 5,90, depois de resultados piores do que o esperado no 1° trimestre. "
Mesmo com a companhia ganhando participação de mercado, o crescimento das vendas continua negativo. Ainda, a estratégia de preços mais competitivos adotada no ano passado deve prejudicar os lucros de 2016, resultando em reação negativa da ação", comentaram os analistas em relatório divulgado hoje. 

 

Contato