Em mercados / acoes-e-indices

Moody's rebaixa BRF, Multiplus divulga resultado e mais 6 notícias no after-market

Confira os principais destaques do after-market desta quinta-feira (25)

Abílio Diniz
(divulgação)

SÃO PAULO - O sino de fechamento foi tocado às 18h15, mas as notícias não param para as ações da Bovespa. A Brasil Foods teve seu rating cortado em dois degraus pela Moody's e a Multiplus teve um aumento de 50% no seu lucro do 4º trimestre de 2014 para o 4º trimestre de 2015. Confira os principais destaques do after-market desta quinta-feira (25). 

1. BRF cortada pela Moody's
A agência de classificação de risco Moody's cortou o rating da BRF (BRFS3) de Baa2 para Ba1, ou seja, um corte em dois degraus. A ação de rating foi um prosseguimento da onda de cortes de notas corporativas realizado pela agência após o rebaixamento do rating soberano do Brasil. O outlook foi alterado para negativo, significando que mais rebaixamentos podem estar a caminho. 

2. Eletropaulo
Erros em indicadores de qualidade da distribuidora de energia Eletropaulo (ELPL3; ELPL4) que fizeram a empresa provisionar 152 milhões de reais nos últimos dois balanços trimestrais foram vistos como "grosseiros" pela fiscalização do regulador estadual e derrubaram o diretor de Operações da empresa em 2015, segundo duas fontes e documentos vistos pela Reutes. A companhia foi multada em 77 milhões de reais pela agência paulista Arsesp, sendo uma infração de 31,5 milhões no final de 2015 e uma de 45,7 milhões em janeiro deste ano, por má qualidade e falhas nos dados que medem duração e frequência de blecautes.

3. Queiroz Galvão
A Queiroz Galvão e Participações (QGEP3) comunicou que retificará o procedimento contábil atual adotado de registro do impacto da variação do dólar nas suas provisões de abandono. O efeito da variação cambial sobre a provisão de abandono, que vinha sendo contabilizado como resultado financeiro líquido até então, passará a ser registrado no respectivo ativo imobilizado, impactando a amortização no período. Esta pratica contábil está em linha com a interpretação do CPC 25 (Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes) e ICPC 12 (Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares).

4. Multiplus
A administradora de programas de fidelidade Multiplus (MPLU3) teve um lucro de R$ 125,7 milhões no quarto trimestre de 2015, um aumento de 50% em relação aos R$ 83,6 milhões do mesmo período do ano anterior, mas menos do que os R$ 144,8 milhões registrados no terceiro trimestre de 2015. Já a receita líquida foi de R$ 580,6 milhões no 4T15, 22% maior do que a registrada no último trimestre de 2014, que foi de R$ 476,1 milhões e 0,9% menor do que a vista no 3º trimestre do ano passado, que foi de R$ 586,2 milhões.  

5. Grendene
A fabricante de calçados Grendene (GRND3) teve um lucro de líquido de R$ 240,3 milhões no quarto trimestre de 2015, um crescimento de 22,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando o lucro foi de R$ 195,9 milhões. Já o Ebitda (Lucro antes de Juros, Impostos, Depreciações e Amortizações, na sigla em inglês) da companhia foi de R$ 183,3 milhões no 4T15, uma queda, quando comparado aos R$ 187,1 milhões do quarto trimestre de 2014. A receita líquida, por sua vez, foi de R$ 674,9 milhões no último trimestre do ano passado, contra os R$ 740,4 milhões do último trimestre do ano anterior, representando um recuo de 8,9%. 

6. Iochpe-Maxion
A Iochpe-Maxion (MYPK4), que opera no segmento de autopeças, teve um prejuízo líquido de R$ 16,6 milhões no quarto trimestre de 2015, após fazer um lucro líquido de R$ 40,2 milhões no mesmo período do ano passado. O Ebitda da companhia foi de R$ 164,1 milhões, no último trimestre do ano passado, uma queda de 9,6% em relação ao último trimestre de 2014. Já a receita líquida foi de R$ 1,836 bilhão no 4T15, um aumento de 24,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. 

7. CCR
A empresa de concessões de infraestrutura CCR¨(CCRO3) teve queda no lucro do quarto trimestre, afetada por menor tráfego em estradas que administra e maior custo do serviço da dívida. A empresa informou nesta quinta-feira que teve lucro líquido de R$ 244,8 milhões no quarto trimestre, queda de 36,2% ante mesmo período de 2014. O resultado operacional da CCR medido pelo Ebitda ajustado ficou em R$ 984,5 milhões, recuo de 4,1% na comparação ano a ano. A margem Ebitda ajustada caiu 9 pontos percentuais, para 58,2%.

8. Hering
A varejista de moda Cia Hering (HGTX3) vê incertezas no desempenho das vendas nos próximos trimestres sob impacto do ambiente econômico, depois de que seu lucro líquido caiu 24% nos últimos três meses de 2015, período considerado o mais importante para o comércio. A companhia anunciou nesta quinta-feira lucro líquido de R$ 83 milhões no quarto trimestre, queda de 23,9% na comparação com o mesmo período de 2014, enquanto no fechado do ano o recuo foi de 11,8%, a R$ 281,2 milhões.

(Com Reuters)

Leia também:

InfoMoney atualiza Carteira para fevereiro; confira

Analista-chefe da XP diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa

 

Contato