Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa cai com China; DI sobe após rumor sobre mudança de meta e ações no fiscal

Dia é de cautela para as bolsas mundiais, com Xangai em queda de 2,5% com os dados fracos do lucro industrial; Vale e Petrobras caem 2%

Ações

SÃO PAULO - O Ibovespa registra leve queda na sessão desta segunda-feira (28), acompanhando o dia de cautela das bolsas mundiais, com destaque para o noticiário chinês e também em meio às discussões sobre a reunião hoje da presidente Dilma Rousseff com a junta orçamentária para fechar as contas, segundo o Estadão. Às 10h04 (horário de Brasília), o Ibovespa registra leve queda de 0,31%, a 43.880 pontos, com destaque para as ações da Petrobras e da Vale, que caem entre 1,5% e 2%. A Petrobras registra baixa forte com a queda de 2,11% do brent, negociado a US$ 37,09 o barril. 

Quer saber onde investir em 2016? Veja no Guia Especial InfoMoney clicando aqui!

No noticiário externo, Xangai registra baixa de mais de 2,5% nesta segunda-feira, suas maiores perdas em um mês, com os dados fracos do lucro industrial e com a reforma iminente e questões de como as companhias serão listadas pesando sobre os mercados. O dia também é de cautela para as bolsas europeias.  

Juros futuros
Já no noticiário nacional, na última semana do ano, Dilma reúne Jaques Wagner, Nelson Barbosa e Valdir Simão - junta orçamentária - para discutir o fechamento das contas deste ano, incluindo os R$ 57 bilhões em pedaladas, diz o jornal O Estado de S. Paulo. As manobras estão no centro do pedido de impeachment da presidente.

Segundo o jornal, o governo pede a aliados empenho para aprovar contas do governo de 2014 até março, para deixar mais robusta a defesa contra o impeachment.

Ainda no noticiário econômico, destaque para o Focus: economistas elevaram mais uma vez a expectativa para a taxa básica de juros no fim de 2016, mantendo a perspectiva de início de aperto monetário já em janeiro, após o Banco Central reforçar a possibilidade de novo aumento no começo do ano. A projeção para a Selic no fim do próximo ano é agora de 15,25 por cento, ante 14,75 por cento na semana anterior.

Sobre inflação, vale destacar a notícia do blog de Fernando Rodrigues, do UOL, de que o governo pode discutir elevar a meta de inflação para 5,5% ao ano. Com esse noticiário, os juros futuros registram um dia de alta, com o contrato futuro para janeiro de 2017 subindo 4 pontos percentuais, para 15,87%, enquanto o contrato para janeiro de 2021 tem alta de 6 pontos, a 16,54%. Além disso, o mercado reage a notícias sobre saque de Fundo Soberano e recebimento pela União de dividendos do BNDES com vistas a melhorar quadro fiscal. 

Voltando ao Focus, em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), os economistas continuam vendo contração de 3,7 por cento em 2015. Para 2016 a retração prevista chegou a 2,81 por cento, ante recuo de 2,8 por cento no relatório anterior.

Destaques corporativos
No noticiário corporativo, destaque para a Braskem (BRKM5, R$ 29,51, +1,93%), que fechou acordo de 5 anos para nafta com a Petrobras a 102,1% ARA, segundo comunicado da última quarta-feira.

Para analistas do Santander, o anúncio é positivo para a Braskem por remover pendência dessa negociação iniciada há 2 anos e não trazer aumento significativo de custo para a companhia. O banco reiterou "forte convicção na ação", que não precificou totalmente impacto do start-up de projeto no México. 

Na mesma linha, o Itaú BBA comentou que o valor ficou abaixo do esperado de 103% do ARA e que o resultado da negociação é positivo para a Braskem, agregando pequeno potencial de valorização à previsão de Ebitda de 2016 e dando fim às incertezas sobre o acordo. 

Já com relação à Vale, mesmo que a mineradora Samarco, joint venture da mineradora e BHP Billiton, volte a operar em Mariana nos próximos anos, a barragem que ruiu em 5 de novembro, deixando ao menos 17 mortos, não deverá ser reerguida, segundo disse o diretor presidente da Samarco, Ricardo Vescovi, em entrevista à Folha de S. Paulo.  

Entre os destaques de alta, chama a atenção os ganhos da Oi (OIBR4, R$ 2,13, +8,33%). Segundo informações do Valor, o conselho de administração da Oi (OIBR4) vai aprovar a contratação de uma instituição financeira para atuar junto com o BTG Pactual na assessoria financeira para a operação com a Telecom Italia e o fundo russo LetterOne na compra da TIM Brasil (TIMP3). Paralelamente, a companhia vai buscar empréstimos em meio à sua corrida financeira, com vencimentos de R$ 11,4 bilhões previstos para o ano que vem. 

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 RENT3 LOCALIZA ON 25,02 -2,65
 PETR4 PETROBRAS PN 6,78 -2,16
 PETR3 PETROBRAS ON 8,70 -2,03
 BRAP4 BRADESPAR PN 5,13 -1,72
 GOLL4 GOL PN N2 2,42 -1,63

 

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 OIBR4 OI PN 2,08 +8,33
 BRKM5 BRASKEM PNA 29,60 +2,25
 GOAU4 GERDAU MET PN 1,68 +1,20
 LAME4 LOJAS AMERIC PN 18,15 +1,06
 MRVE3 MRV ON 8,68 +0,93
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

 

Contato