Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa ganha força a pouco mais de uma hora do fechamento corrigindo 'efeito Barbosa'

Mercado tenta se recuperar depois das fortes quedas por conta da desconfiança do mercado em relação a Nelson Barbosa

Ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa volta a subir com mais força nesta terça-feira (22), após flertar com o lado negativo desde o meio dia e meia, quando abriram as bolsas dos Estados Unidos. O dia hoje é de uma tentativa de correção das perdas que ocorreram com a decepção dos investidores pelo discurso do novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa. O ministro volta a falar hoje, desta vez com a imprensa internacional às 15h (horário de Brasília). No exterior, as bolsas internacionais voltam a operar entre perdas e ganhos. O PIB (Produto Interno Bruto) dos Estados Unidos cresceu 2% no terceiro trimestre de 2015, um pouco acima do esperado. 

Quer saber onde investir em 2016? Veja no Guia InfoMoney clicando aqui!

Às 16h45, o benchmark da Bolsa brasileira subia 0,67%, a 43.497 pontos. Já o dólar comercial cai 0,80% a R$ 3,9905 na venda, enquanto o dólar futuro para janeiro tem baixa de 0,61% a R$ 3,999. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro tem queda de 11 pontos-base a 15,90%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 vira para alta de 1 ponto-base a 16,56%. 

Ontem, Barbosa tentou dar sinalizações de que irá prosseguir com o ajuste fiscal. Ele disse que a Fazenda pode ajudar o Banco Central com o reequilíbrio fiscal e que poderá criar um limite para para o aumento de gastos. No entanto, outras medidas foram recebidas com reservas no ambiente político. Quando afirmou a importância da CPMF, foi rechaçado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que disse que “todo mundo sabe que não vai ter CPMF”. Já quando acenou para a idade mínima de aposentadoria, sofreu ressalvas do senador Paulo Paim (PT-RS), que declarou guerra à medida. Os próximos dias serão decisivos para ver se Barbosa conseguirá se articular melhor com o PT e o Congresso.

A tensão aumenta também com a descoberta de que o novo secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Dyogo Oliveira, é alvo da Operação Zelotes, que trata da corrupção na aprovação de Medidas Provisórias no Congresso. 

Também tem algum impacto hoje a notícia de que o presidente da Câmara anunciou que entrará com embargos de declaração à decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), sobre o rito de impeachment. A ideia é esclarecer pontos "confusos" da votação realizada na última quinta-feira que invalidou a eleição da chapa de oposição no processo. Com isso, Cunha pretende atrasar as discussões sobre o impedimento e ampliar o desgaste do governo, que quer votar logo o impeachment. O peemedebista ainda disse acreditar que o processo de impeachment deve se resolver até março de 2016 na Câmara. 

Ações em destaque
Os papéis da Petrobras (PETR3, R$ 8,45, +1,68%; PETR4, R$ 6,77, +1,96%), voltaram a subir após virarem para queda no começo da tarde. Segundo matéria do jornal O Estado de S. Paulo, a estatal prepara um novo plano de demissão voluntária para 2016, desta vez focado nos empregados concursados e não nos terceirizados, que foram desligados em massa ao longo deste ano. A empresa abriu mais uma oportunidade para 610 funcionários que chegaram a se inscrever no Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV) lançado há dois anos, porém, desistiram. Esse grupo de empregados desistentes é o atual foco da companhia.

Para eles, foi lançada uma segunda fase do PIDV de 2014, aberta até ontem. Apenas quem já havia se inscrito podia se candidatar. Os demais vão ter que esperar pelo lançamento do segundo plano de desligamento. Segundo a Petrobrás, 7.634 empregados aderiram ao programa, dos quais 5.674 já deixaram a empresa e 1.350 vão sair até junho de 2017.

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 OIBR4 OI PN 1,98 +10,00
 CPFE3 CPFL ENERGIA ON 15,12 +2,79
 TBLE3 TRACTEBEL ON 33,45 +2,58
 GGBR4 GERDAU PN 4,75 +2,15
 EMBR3 EMBRAER ON EJ 29,15 +1,97

 

 

Já entre as ações que compõem a carteira teórica do Ibovespa, os papéis da Vale (VALE3, R$ 12,43, +1,14%; VALE5, R$ 9,85, +1,13%) registram alta em meio à valorização do minério de ferro. A commodity spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao subiu 0,9% a US$ 40,46 a tonelada. 

Apesar dos ganhos, o mercado segue atento à notícia do fim de semana de que a Justiça Federal de Minas Gerais determinou o bloqueio de bens da mineradora e da australiana BHP Billiton, proprietárias da Samarco, pelo rompimento de uma barragem de rejeitos em Minas Gerais.

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 GOLL4 GOL PN N2 2,66 -5,00
 HGTX3 CIA HERING ON EJ 15,37 -3,94
 ESTC3 ESTACIO PART ON 13,54 -2,59
 CMIG4 CEMIG PN 6,00 -2,44
 NATU3 NATURA ON 24,42 -2,32

 

Entre as quedas, a JBS (JBSS3, R$ 12,32, -0,65%) cai forte. Segundo matéria da coluna Painel da Folha de S. Paulo, o frigorífico pode ser bastante prejudicada na CPI do BNDES. De acordo com a publicação, o relatório final da Comissão, em especial a parte que tratará da área de “contratos internos” do banco de fomento, pegará pesado com o frigorífico. A matéria destaca ainda que o sub-relator do parecer, o deputado tucano Alexandre Baldy (GO), afirmou que "tinha um diretor da empresa que vivia fazendo lobby no Congresso e, após o início da comissão, simplesmente desapareceu".

Cenário externo
As bolsas têm desempenho estável na Europa e nos Estados Unidos, enquanto os índices asiáticos subiram após líderes do governo chinês acenarem para uma possível adoção de estímulos. Ontem, a China já havia sinalizado que poderá fazer um afrouxamento monetário em 2016.

O dólar cai em relação às principais moedas por apostas de que o Federal Reserve pode esperar até abril para continuar com o aperto monetário iniciado na reunião do Fomc (Federal Open Market Committee) de dezembro, na qual elevou as suas taxas de juros em 0,25 ponto percentual.

Os investidores ainda repercutiam os dados de atividade econômica dos Estados Unidos.  No terceiro trimestre de 2015, a expansão do PIB (Produto Interno Bruto) dos EUA foi de 2%, na comparação anual, de acordo com a terceira prévia divulgada nesta terça-feira (22). O crescimento foi, portanto, abaixo dos 3,9% de avanço registrados no segundo trimestre, e um pouco acima da mediana das expectativas do mercado, que eram de que o crescimento fosse de 1,9% segundo o consenso da pesquisa Bloomberg.

Já os preços do petróleo nos EUA subiam 0,53%, a US$ 36,26, acima da mínima de 2009 de US$ 33,98 atingida na sessão anterior.

 

Contato