Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa fecha em queda de 2,35% com Fed mais perto de aumentar juros; dólar cai

Mercado recua, mas não apaga ganhos de semana que foi marcada pelo forte fluxo de estrangeiros na nossa Bolsa

gráfico-bolsa
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa fecha em queda forte nesta sexta-feira (6) depois do relatório de emprego dos Estados Unidos vir muito acima do esperado e reforçar as expectativas de que o Federal Reserve eleve os juros dos EUA em dezembro. Apesar da queda de hoje, contudo, a Bolsa fechou a semana no positivo, fazendo uma alta de 2,29% graças ao desempenho extremamente positivo da terça-feira, quando disparou 4,76% em meio a um forte fluxo comprador de estrangeiros que veio depois da venda da divisão de cosméticos da Hypermarcas (HYPE3) por R$ 3,8 bilhões para a Coty.   

O benchmark da Bolsa brasileira caiu 2,35%, a 46.918 pontos. O volume financeiro negociado na Bovespa foi de R$ 5,859 bilhões. Já o dólar comercial virou para queda no fim do pregão, e fechou em baixa de 0,37% a R$ 3,7625 na venda, enquanto o dólar futuro recua 0,77% a R$ 3,780. Explicando a queda do câmbio, que vai na contramão do que o senso comum diria pelo desempenho da Bolsa, o diretor da Wagner Investimentos, José Faria Júnior, disse que houve um componente técnico importante. 

"Pelo nosso modelo, a moeda precisaria romper a região de R$ 3,848 para ganhar energia. Foi perto e falhou em continuar subindo", afirmou. Além disto, alguns pontos como o aumento da aposta de alta Selic pelo Banco Central, a perspectiva de entrada de recursos devido à Lei da Repatriação (a ser votada) e notícia de fluxo fizeram a nossa moeda andar muito à frente de outros pares.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 virou para queda no final e recuou 2 pontos-base, a 15,36%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 sobe 4 pontos-base, a 15,62%. O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em alta ajudou a puxar os DIs para cima depois do diretor do BC, Altamir Lopes, dizer que a autoridade monetária quer inflação na meta de 4,5% em 2017 e que poderão ser adotadas medidas independente do nível de atividade.

Os EUA criaram 271 mil novas vagas em outubro de 2015, acima das 180 mil esperadas e das 142 mil geradas em setembro. Já a taxa de desemprego caiu para 5%, em linha com o esperado. Além disso, os ganhos por hora trabalhada subiram 0,4% de alta em outubro, também acima das previsões dos economistas, que eram de avanço de 0,2%. Segundo o CME Group, após o relatório de emprego desta sexta, a possibilidade de aumento de juros disparou para 70%. 

O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, disse que o relatório muito melhor do que o esperado é "boa notícia", mas que ele não está pronto para dizer que é hora de subir juros nos EUA. No entanto, ele admitiu que o indicador traz perspectivas positivas para a inflação. 

Inflação
Já o IPCA, que é o medidor oficial de inflação para fazer as metas do BC, subiu 0,82% em outubro. Este é o mais elevado resultado para os meses de outubro desde 2002, quando atingiu 1,31%. Com isto, o acumulado no ano de 2015 ficou em 8,52%, acima do 5,05% de igual período de 2014 e o mais elevado para o período de janeiro a outubro desde 1996 (8,70%). Nos últimos doze meses, o índice foi para 9,93%, resultado superior aos 9,49% dos doze meses imediatamente anteriores e o mais elevado para os doze meses desde novembro de 2003 (11,02%).

A mediana dos analistas esperava avanço de 0,80% no mês passado segundo a pesquisa Bloomberg. Para o acumulado em 12 meses, a expectativa da mediana dos analistas era de em torno de 9,91% de inflação.

Destaques da Bolsa
O principal destaque do pregão foi a Vale (VALE3, R$ 15,67, -7,55%; VALE5, R$ 13,06, -5,70%), que caiu 4% depois da mineradora Samarco, joint venture da Vale com a australiana BHP, informar nesta quinta-feira que uma barragem de rejeitos da unidade Germano da companhia se rompeu na região de Ouro Preto e Mariana (MG). Ainda não há um número oficial de afetados, mas as informações são de que pelo menos 30 pessoas estavam no local no momento do acidente, que pelo menos uma pessoa morreu e outras 25 estão desaparecidas.

"Não é possível, neste momento, confirmar as causas e extensão do ocorrido, bem como a existência de vítimas. Por questão de segurança, a Samarco reitera a importância de que não haja deslocamentos de pessoas para o local do ocorrido, exceto as equipes envolvidas no atendimento de emergência", afirmou a empresa em nota. Nesta manhã, a BHP disse que a extensão total do acidente ainda é incerta.

As maiores baixas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano
 SMLE3 SMILES ON 31,62 -8,67 -28,70
 VALE3 VALE ON 15,67 -7,55 -24,62
 CMIG4 CEMIG PN 7,44 -6,65 -41,57
 ESTC3 ESTACIO PART ON 15,55 -6,61 -33,56
 VALE5 VALE PNA 13,06 -5,70 -27,66

 

Já as ações da Petrobras (PETR3, R$ 9,58, -3,23%; PETR4, R$ 7,82, -3,58%) aceleraram as perdas após o mercado azedar depois de relatório de Emprego dos Estados Unidos. Expectativas de que o Federal Reserve eleve os juros pressionam os preços do petróleo no mercado internacional, que operavam em alta e viraram para leve queda nesta manhã. 

Contribuía para o desempenho negativo dos papéis da estatal hoje temores sobre os impactos que a greve de petroleiros pode provocar na companhia.   

Também entre as quedas ficou a Ambev (ABEV3, R$ 18,97, -2,52%), que anunciou hoje o fechamento de sua cervejaria na cidade de Natal (RN). A medida resultará na demissão de cerca de 300 funcionários diretos. A desativação da fábrica se dará de forma gradativa e deve ser totalmente finalizada até o final do ano. A decisão foi tomada após análise dos reflexos que o aumento do ICMS sobre bebidas frias, anunciado em 30 de outubro, trará para a empresa no Estado.

As maiores altas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 BRKM5 BRASKEM PNA 22,25 +2,02 +33,87
 FIBR3 FIBRIA ON 52,23 +1,69 +61,67
 MRFG3 MARFRIG ON 6,44 +1,26 +5,57
 VIVT4 TELEF BRASIL PN EJ 39,92 +1,06 -7,74
 CSNA3 SID NACIONAL ON 5,00 +1,01 -3,25

 

Do lado das altas ficou a Marfrig (MRFG3, R$ 6,44, +1,26%), que anunciou nesta sexta-feira que teve lucro líquido de 185,9 milhões de reais no terceiro trimestre, número que se compara a um prejuízo de 303,3 milhões de reais um ano antes. O resultado operacional da companhia medido pelo Ebitda (lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização, na sigla em inglês), somou 436,4 milhões de reais no período, alta de 40,5 por cento sobre mesma etapa de 2014.

Para o BTG Pactual, a companhia mostrou um bom resultado, com queda nas despesas gerais e administrativas, melhora no capital de giro, possibilitando geração de caixa e queda de alavancagem. Além disso, a companhia também anunciou planos para vender ativos de bovinos na Argentina e Jerky Beef nos Estados Unidos (que representa cerca de 7% do valor de mercado da companhia), o que pode ter uma leitura positiva do mercado, comentaram os analistas do banco.

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1
 VALE5 VALE PNA 13,06 -5,70 460,32M
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN ED 28,14 -1,51 368,81M
 BBDC4 BRADESCO PN EJ 21,92 -1,44 307,31M
 PETR4 PETROBRAS PN 7,82 -3,58 306,95M
 UGPA3 ULTRAPAR ON 67,11 -1,81 229,23M
 BRFS3 BRF SA ON 56,00 -3,68 226,25M
 CIEL3 CIELO ON 37,46 -1,29 193,22M
 ABEV3 AMBEV S/A ON 18,97 -2,52 165,66M
 VALE3 VALE ON 15,67 -7,55 159,12M
 BBAS3 BRASIL ON 17,40 -4,92 151,31M

* - Lote de mil ações 
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
 

A semana na Bolsa
O Ibovespa fechou em alta de 4,76% nesta terça-feira, a 48.053 pontos. Foi a maior alta diária do índice desde 21 de novembro de 2014, quando subiu 5,02%. Para quem tem boa memória, foi quando o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tornou-se o mais cotado para ocupar o cargo em que está hoje. Sem uma grande notícia que guiasse o mercado como naquela ocasião, esta sessão foi marcada pela entrada forte de um fluxo de capital estrangeiro em meio a uma percepção geral de que os ativos brasileiros estão baratos. Lembrando sempre que o investidor estrangeiro responde por 52% do volume negociado na Bovespa. 

Já na quarta, o Ibovespa registrou movimento de leve correção ao fechar em queda de 0,71%, a 47.710 pontos, encerrando uma sequência de duas altas. Contribuindo para o movimento mais pessimista do dia, ganhou destaque o radar político no plano doméstico, com o governo apresentando um déficit de R$ 119,9 bilhões com o pagamento das chamadas “pedaladas fiscais” – de R$ 57,013 bilhões.

Por fim, na quinta-feira, o Ibovespa fechou em alta, tendo firmado o movimento positivo somente no fim do pregão. Foi um dia de agenda esvaziada e os investidores repercutiram notícias do dia anterior como as declarações da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, de que os juros nos Estados Unidos podem subir em dezembro. Somou-se às falas de Yellen, o aumento do déficit primário do governo por conta das "pedaladas fiscais", chegando já a R$ 119,9 bilhões em 2015 com o pagamento destas irregularidades. O forte fluxo comprador de estrangeiros que vem entrando na Bovespa nos últimos dias pela percepção de que o Brasil está barato, contudo, ajudou a segurar a Bolsa contra uma possível queda.

Na semana que vem
O mercado vai ficar de olho em dados dos EUA que confirmem ou neguem o sentimento atual de que um aumento de juros em dezembro é praticamente inevitável. Dados da China e a votação do projeto da repatriação de recursos na Câmara dos Deputados devem também trazer volatilidade à Bolsa.  

É hora ou não é de comprar ações da Petrobras? Veja essa análise especial antes de decidir:

 

Leia também:

Você investe pelo banco? Curso gratuito mostra como até dobrar o retorno de suas aplicações


 

Contato