Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa cai 2% e vai a nível de março de 2014 com dia de 'pânico' global; dólar sobe 1%

Bolsa fecha em queda de novo, depois de alívio de ontem, com PMI da indústria chinesa e provável saída de Michel Temer da articulação política pressionando; IPCA teve maior avanço para agosto desde 2004

Ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa fechou em queda de 1,99%, a 45.719 pontos, nesta sexta-feira (21), colado aos movimentos das bolsas internacionais, que despencaram graças a dados mais fracos que o esperado no PMI (Índice Gerente de Compras, na sigla em inglês) da indústria da China. Índices macroeconômicos por aqui também trouxeram fraqueza ao mercado. Na semana, o Ibovespa cai 3,60%, e no mês ele já chega a perdas de 9,96%. É o pior fechamento do índice desde 17 de março do ano passado, devolvendo os ganhos de todo o rali eleitoral. O volume negociado neste pregão foi de R$ 5,455 bilhões.

Outra questão que afetou o pregão foi o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que subiu 0,43% entre o dia 15 do mês passado e o 15 deste mês. Foi a maior alta para um mês de agosto desde 2004, atingindo 9,57% no acumulado de 12 meses.

Estes cinco pregões não foram ruins só por aqui, lá fora o Wall Street teve sua pior semana desde 2011. Preocupações com a desaceleração da economia global levaram os dois principais benchmarks da Nyse (New York Stock Exchange), Dow Jones e S&P 500, a recuar mais de 4% na semana, o que é uma queda considerável para os padrões do mercado norte-americano. O índice Nasdaq, que mede o desempenho de ações de tecnologia, teve desempenho ainda pior, e fechou em sua terceira pior semana nos últimos cinco anos.

Durante o pregão, a queda do Ibovespa chegou a ser mitigada com o movimento positivo dos bancos, que chegaram a virar para alta depois da notícia de recuo no aumento da CSLL (Contribuição Social sobre Lucro Líquido), mas caminham para o fechamento negativo.

Entre os indicadores macroeconômicos, a economia brasileira perdeu 157.905 empregos em julho, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). O número ficou abaixo das estimativas, que eram de perda de 115.800 vagas de emprego. O Brasil enfrenta um momento de estagnação econômica. A previsão era de que os números viriam ruins, com projeções de fechamento de 82.200 a 140.000 postos de trabalho e mediana de fechamento de 111.300 vagas. Além disso, a perda de empregos do mês passado foi a pior da série histórica para julho.

O dólar comercial subiu 1,05% a R$ 3,4960 na venda, ao passo que o dólar futuro para setembro teve alta de 0,89% a R$ 3,499. No mercado de juros futuros o DI para janeiro de 2017 subiu 3 pontos-base, para 13,76%, enquanto o DI para janeiro de 2021 registrou ganhos de 1 pbs para 13,61%.  

Destaques de ações
As ações da Vale (VALE3, R$ 16,70, -2,74%VALE5, R$ 13,45, -2,61%) fecharam em queda pressionados por dados da China. Com isso, os ativos foram na direção contrária do minério de ferro spot com 62% de pureza negociado no porto de Qingdao, que subiu 0,46% a US$ 56,10 nesta sexta.

O PMI da indústria da China foi de 47,8 pontos para 47,1 pontos em agosto, segundo a Caixin Media. O dado marca uma queda ainda mais acentuada do que em julho, que já havia registrado o menor patamar em dois anos e é o sexto mês seguido abaixo da marca de 50,0 pontos, que indica contração da atividade.

Assim como a mineradora, a Petrobras (PETR3, R$ 9,20, -5,06%PETR4, R$ 8,30, -4,93%) teve queda nesta sexta em meio à derrocada do petróleo. O barril do WTI (West Texas Intermediate) caiu 3,19% a US$ 40, depois de bater menos do que isso na mínima do dia. Com isso, a commodity volta a níveis de 2009 e se encaminha para a sexta semana consecutiva de perdas, a maior sequência negativa desde 1986.  


As maiores baixas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 OIBR4 OI PN 3,00 -7,98 -65,16 13,41M
 CESP6 CESP PNB 16,76 -6,84 -21,68 25,84M
 RUMO3 RUMO LOG ON 7,65 -6,25 -56,19 10,92M
 PETR3 PETROBRAS ON 9,20 -5,06 -4,07 168,21M
 SMLE3 SMILES ON 50,78 -5,00 +14,51 48,18M



Entre os bancos, deputados e senadores se articulam para derrubar o texto da senadora Gleisi Hoffamnn que prevê aumentar a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) para 23%, disse fonte à Bloomberg. Entre bancos, apenas o Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 26,62, +1,06%) subiu. Banco do Brasil (BBAS3, R$ 18,56, -0,22%), Santander (SANB11, R$ 14,14, -1,12%) e Bradesco (BBDC3, R$ 24,60, -2,38%;BBDC4, R$ 24,28, -0,56%) caíram.


As maiores altas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 ECOR3 ECORODOVIAS ON 6,55 +6,16 -35,37 15,25M
 CSAN3 COSAN ON 18,21 +1,28 -36,21 22,72M
 ESTC3 ESTACIO PART ON 12,50 +0,89 -46,59 31,81M
 HGTX3 CIA HERING ON 13,70 +0,74 -30,27 18,05M
 NATU3 NATURA ON 22,47 +0,54 -25,40 23,45M

Do lado das altas destaque para Ecorodovias (ECOR3, R$ 6,55, +6,16%), que ficou, desde o começo do pregão, como a maior alta do Ibovespa após ser elevada de neutra para "overweight" (classificação para acima da média do mercado) pelo JP Morgan. A maior alta da semana ficou com a Souza Cruz (CRUZ3, R$ 26,43, +0,04%), que subiu 11,66%.


As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1Vol 30d1Neg 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN EJ 26,40 +0,23 557,85M 495,49M 42.908 
 BBDC4 BRADESCO PN 23,28 -0,56 370,03M 262,91M 34.236 
 PETR4 PETROBRAS PN 8,30 -4,93 326,73M 442,47M 37.070 
 ABEV3 AMBEV S/A ON 18,13 -1,63 215,55M 225,70M 26.489 
 CIEL3 CIELO ON 39,40 -1,57 182,42M 187,01M 16.221 
 PETR3 PETROBRAS ON 9,20 -5,06 168,21M 178,22M 18.757 
 ITSA4 ITAUSA PN EJ 7,26 -0,82 162,50M 205,99M 26.394 
 BRFS3 BRF SA ON 67,27 -3,17 158,34M 166,85M 10.097 
 VALE5 VALE PNA 13,45 -2,61 154,86M 316,26M 23.641 
 BBAS3 BRASIL ON 18,56 -0,22 116,56M 133,23M 18.806 

* - Lote de mil ações 
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão) 

 

A semana na Bolsa
A senadora Gleisi Hoffman chamou a atenção do mercado esta semana com relatório que sugere alíquota mais alta para a CSLL(Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) cobrada das instituições financeiras. A senadora estabelece uma cobrança de 23% para bancos, contra aumento de 15% para 20% proposto anteriormente. Além disso, depois de ameaçar acabar com o JCP (Juros sobre Capital Próprio) Gleisi complementou nesta terça-feira (18) seu relatório com sugestões à Medida Provisória 675, retirando a proposta de fim gradual do benefício fiscal para empresas por meio da distribuição de JCP. 

Em documento disponibilizado no site do Senado, Gleisi afirmou "não haver convergência imediata" para debater, em projetos de lei, matérias que tratam de JCP. "Infelizmente considero que não temos ambiente propício para avançar", escreveu a senadora.

Na quarta-feira, o destaque ficou com a saída da Ata do Fomc (Federal Open Market Comittee). A maioria dos líderes do Fed (Federal Reserve) entende que as condições econômicas necessárias para uma alta das taxas de juros estavam "se aproximando", de acordo com a ata, sugerindo que um aumento da taxa em setembro ainda é uma opção. No encontro, foi decidido por unanimidade que as taxas seriam mantidas.

No dia 19, quarta-feira, pesou sobre as ações do Banco do Brasil, a assinatura desta manhã de acordo para dar apoio ao setor automotivo, envolvendo 26 empresas âncoras. A previsão é de desembolso total de R$ 9 bilhões. Como medida para evitar o agravamento da crise, o governo orientou ontem os bancos públicos a liberar crédito mais barato para as empresas das cadeias produtivas de diversos setores da economia. O setor automotivo foi o primeiro segmento a ser contemplado.

Por fim, ontem, o primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, anunciou sua renúncia. "Estou renunciando porque esgotei o mandato que o povo me deu na eleição geral de janeiro", afirmou, em discurso transmitido pela TV. Tsipras disse que uma fase difícil das negociações passou, mas admitiu que não conseguiu o acordo que queria. O primeiro-ministro deixou seu cargo após oito meses no governo, logo depois da Grécia fazer um crucial pagamento de parcela da dívida com o Banco Central Europeu (BCE), no valor de 3,2 bilhões de euros, usando recursos do resgate recentemente liberados. As novas eleições possivelmente devem ocorrer no dia 20 de setembro.

Dia de "sell-off" global
Os mercados acionários asiáticos despencaram por mais um dia no pregão desta sexta-feira após uma pesquisa revelar que as fábricas chinesas contraíram no ritmo mais rápido desde o ápice da crise financeira global de 2009, alimentando a demanda por ativos de baixo risco. O índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão recuou 1,96%. O principal índice acionário da bolsa de Xangai caiu abaixo da média móvel de 200 dias pela primeira vez desde julho de 2014, com baixa de 4,21%. Já o japonês Nikkei recuou 2,98%.

Na europa, o principal índice de ações marcou seu maior declínio diário em quase quatro anos. O índice FTSEurofirst 300 recuou 3,4%, a 1.427 pontos, seu nível mais baixo desde janeiro e teve sua pior queda diária desde que caiu 3,44% em novembro de 2011. A bolsa também marcou sua pior semana desde agosto de 2011, em meio aos temores com a China e também de olho no cenário grego, após o premiê do país ter renunciado ao cargo e convocado eleições antecipadas. O líder da oposição conservadora na Grécia, Vangelis Meimarakis, disse nesta sexta-feira que tentará montar um governo com partidos que do atual Parlamento, a fim de evitar o impacto negativo das eleições antecipadas. A Meimarakis, que lidera o partido Nova Democracia, foi oficialmente entregue um mandato de três dias pelo presidente do país para tentar formar um novo governo mais cedo nesta sexta-feira, após Alexis Tsipras renunciar à posição de primeiro-ministro na quinta-feira.

Já os rebeldes da extrema-esquerda do partido grego Syriza deixaram a legenda para formar um novo partido com 25 parlamentares, anunciou um vice-presidente parlamentar nesta sexta-feira. O novo partido se chamará "Unidade Popular" e será chefiado pelo ex-ministro da Energia, Panagiotis Lafazanis, líder da facção de extrema-esquerda dentro do Syriza que desafiou a decisão do premiê Alexis Tsipras de apoiar o terceiro programa de resgate. Tsipras renunciou na quinta-feira.

 

Contato