Em mercados / acoes-e-indices

Fundo Petros quer reduzir exposição em Bolsa: 13 ações podem ser colocadas à venda

Conselho do fundo se reunirá na próxima segunda-feira para analisar uma lista de 12 empresas nas quais possui participação ao redor de 10% para zerar ou reduzir posição, além da Oi, segundo o Valor

Petrobras
(Bloomberg)

SÃO PAULO - O Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras (PETR3; PETR4), está prestes a realizar uma grande mudança em sua carteira. Na próxima segunda-feira (6), o conselho do fundo vai se reunir para analisar uma lista de 12 empresas nas quais poderá reduzir ou zerar sua participação, segundo o Valor Econômico. Uma 13ª companhia também poderá entrar na roda. A ideia seria adotar uma postura mais conservadora, com ênfase em títulos públicos.

Em nota, o Petros negou que haja qualquer decisão nesse sentido, mas no início desta semana uma reportagem da coluna Veja Mercados também foi nessa linha, de que o fundo queria reduzir sua exposição em ativos, mas apontava apenas a BRF (BRFS3). A matéria indicava que o Petros poderia vender cerca de R$ 4 bilhões em ações da companhia, a empresa dona da Sadia e Perdigão. 

Desta vez, a reportagem do Valor foi mais longe e apontou que o fundo iria analisar uma lista de 12 empresas nas quais possui participação relevante, ao redor de 10%, entre elas: a própria BRF (BRFS3), com 12,5%; Itaúsa (ITSA3), 15,05%; Totvs (TOTS3), 9,81%; Iguatemi (IGTA3), 10,20%; BR Properties (BRPR3), 10,48%; Dasa (DASA3), 10%; Marcopolo (POMO4), 9,29%; Paranapanema (PMAM3), 11,81%; Log-In (LOGN3), 12,80%; Fras-Le (FRAS3), 8,48%; BR Pharma (BPHA3), 10%; e Indústria Romi (ROMI3), 10,20%. Além dessas, a Oi (OIBR4), embora com uma fatia menor (inferior a 5%), é também uma forte candidata à venda, apurou o Valor. 

No caso da venda de empresas com forte participação, a tendência do fundo seria chamar um leilão de venda na BM&FBovespa. Da lista, posições representativas para a fundação, em termos financeiros, são as que detém na BRF, R$ 6,8 bilhões, e na Itaúsa, cerca de R$ 9 bilhões. 

Segundo a XP Investimentos, é importante ficar de olho em uma possível movimentação como essa, porque vários desses ativos não possuem liquidez, como é o caso da ação ordinária da Itaúsa. 

 

Contato