Em mercados / acoes-e-indices

Braskem e eletrointensivas vão à Justiça para que Chesf mantenha fornecimento

O grupo - que inclui, Vale, Gerdau, Dow Química, Ferbasa, Mineração Paraíba e Paranapanema - recorreu então ao Judiciário para assegurar o direito de fornecimento de energia elétrica

Braskem_petroquímico
(Divulgação)

A Braskem e outras eletrointensivas com operações no Nordeste entraram na Justiça com ação para assegurar que a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) não interrompa o fornecimento de energia elétrica às suas unidades nas condições definidas pela Medida Provisória 677/15, de 23 de junho.

Em comunicado, a petroquímica diz que "apesar da evolução das tratativas entre a Chesf e as empresas, o exíguo tempo entre a publicação da MP e o término da vigência dos atuais contratos, ocorrido na terça-feira, 30, mostrou-se insuficiente para que as partes equalizassem o entendimento sobre algumas cláusulas dos novos aditivos contratuais".

O grupo - que inclui, além da Braskem, Vale, Gerdau, Dow Química, Ferbasa, Mineração Paraíba e Paranapanema - recorreu então ao Judiciário para assegurar o direito de fornecimento de energia elétrica, "sem prejuízo da continuidade das negociações com a Chesf".

Também a Chesf veio a mercado esclarecer sobre a questão, adicionando que foi intimada, na terça-feira, 30, sobre deferimento de liminar judicial, proferida pela 7ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal, em favor desses consumidores.

"A Chesf está analisando todo o conteúdo da liminar, bem como está ultimando as negociações com os mencionados consumidores industriais do Nordeste para submeter as condições finais aos respectivos órgãos deliberativos."

 

Contato