Em mercados / acoes-e-indices

5 notícias sobre Petrobras, Embraer, bancos, emissão da Oi e mais 9 empresas no radar

Confira os principais destaques corporativos desta sexta-feira; a matéria será atualizada até a abertura da Bovespa às 10h (horário de Brasília)

Petrobras Macaé Bloomberg
(Bloomberg)

SÃO PAULO - O noticiário aparece agitado no último dia útil da semana, com destaque para a Petrobras (PETR3;PETR4). Somente ela possui 5 notícias que chamam atenção nesta manhã. 

A tão esperada reunião do conselho da estatal ainda não está confirmada para o dia 26 de junho, quando o colegiado aprovaria o novo plano de negócios da companhia. Além disso, o TCU (Tribunal de Contas da União) determinou que a Petrobras altere seus procedimentos de contratação de serviços de engenharia, apresentando mais detalhes técnicos sobre serviços contratados, formação de preços e quantitativos de insumos, por exemplo.

A decisão, tomada na quarta-feira pelo plenário do Tribunal, indica que era "inadiável a exigência de maiores controles e transparência" na empresa. A companhia terá até 180 dias para cumprir as determinações do órgão, válida para contratos superiores a R$ 100 milhões. A Petrobras se beneficiava de um regime especial de contratações, com menos exigências no processo licitatório, em função de um decreto estabelecido em 1998.

Além disso, a ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) e Dilma Rousseff mantêm conteúdo local e modelo de partilha. A ANP publicou nesta sexta-feira o pré-edital e a minuta do contrato de concessão da 13ª Rodada de Licitações de áreas exploração e produção de petróleo e gás natural, prevista para ocorrer em 7 de outubro. Conforme consta em resolução, serão licitados 266 blocos exploratórios, dos quais 182 localizados nas bacias terrestres do Amazonas, Parnaíba, Recôncavo e Potiguar, além de 84 nas bacias marítimas de Sergipe-Alagoas, Jacuípe, Espírito Santo, Campos, Camamu-Almada e Pelotas.

A companhia informou ainda está manhã que Francisco Petros e Gustavo Rocha Gattas, ex-BTG Pactual, foram indicados para vaga de suplente no conselho de administração da estatal para ocupar o espaço de Walter Mendes de Oliveira Filho e Guilherme Affonso Ferreira, respectivamente. 

Ainda no noticiário da estatal, a gestora do megainvestidor George Soros informou o mercado que se desfez de toda a posição que tinha sobre a Petrobras, a Embraer (EMBR3) e TIM Brasil (TIMP3). Desta forma, o bilionário retirou todos os recursos que estavam investidos no Brasil.

Bancos - parte 1
O Bradesco (BBDC3; BBDC4), Itaú Unibanco (ITUB4), Santander (SANB11) e Banrisul (BRSR6) disseram não ter sido informados sobre processo do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) contra os bancos por práticas anticoncorrenciais no crédito consignado. O processo envolveria ainda Caixa Econômica Federal e Banco de Brasília.

O processo apura a exigência de exclusividade na oferta do consignado em contratos firmados com instituições públicas. O Cade averigua se isso pode prejudicar os consumidores, que ficam impedidos de contratar com bancos que ofereçam melhores condições, como juros e prazos mais atrativos. A investigação começou em 2012, após um termo de ajuste de conduta firmado entre Banco do Brasil e Cade, pelo qual a instituição financeira prometeu acabar com exigência de exclusividade no consignado. Na ocasião, o BB alegou que outros bancos estariam fazendo a mesma coisa.

Bancos - parte 2
Compra do HSBC no Brasil por Bradesco ou Itaú enfrentaria maiores restrições devido às participações de mercado dessas instituições no Brasil, disse uma fonte do governo que acompanha o assunto.

O market share das duas companhias é mais elevado que o do Santander ou outros bancos nos segmentos de crédito e cartões. Até dezembro do ano passado, o Bradesco detinha aproximadamente 10% do mercado de crédito nacional, acompanhado por Itaú, com 12,6%, e Santander, com 6,7%. Já o HSBC tinha 1,8%.

Bradesco e Santander emitiram, na noite de ontem, declarações em resposta ao pedido de esclarecimento à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) sobre informações veiculadas na imprensa. Ambas as instituições afirmaram que, caso recebam notificação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), irão analisar o embasamento jurídico para tomar as medidas cabíveis. As assessorias de imprensa do Banco Central, Cade e HSBC informaram que não vão comentar o assunto.

Bradesco
A diretoria do Bradesco (BBDC3; BBDC4) anunciou, poucos instantes após o fechamento dos mercados na quinta-feira, que irá submeter ao seu conselho de administração uma proposta para pagamento de dividendos relativos aos resultados obtidos no primeiro semestre. O valor dos proventos, se aprovado, deverá ser de R$ 912 milhões, o equivalente a R$ 0,172629101 por ação ordinária e R$ 0,189892011 por papel preferencial. Serão beneficiados pela medida os acionistas que tiverem ações do banco até o pregão do dia 22 de junho, segunda-feira. A partir do dia seguinte, os ativos ficarão "ex" dividendos. 

Oi
A Oi (OIBR4) vai recomprar até 333,1 milhões de euros em oferta por títulos com vencimentos em 2016 e 2017. A companhia aceitou 173,7 milhões em ofertas preferenciais e 141,4 milhões de euros em ofertas não-preferenciais, segundo o comunicado da empresa.

Na quinta-feira, a operadora de telefonia captou 600 milhões de euros em bonds para 2021. Segundo Flavio Guimarães, diretor-financeiro da Oi, a captação é parte de uma estratégia mais ampla para melhorar perfil de dívida da empresa. "Temos trabalhado para mostrar aos investidores as melhorias feitas dentro da companhia, e a emissão representa nosso retorno ao mercado de capitais”, disse, em entrevista à Bloomberg. 

No radar da companhia ainda, a ação da Pharol, ex-Portugal Telecom SGPS, chegou a cair 7% para uma mínima histórica nesta sexta-feira, penalizada pelas fracas perspectivas de recuperar a dívida da Rioforte e expectativa de dificuldades operacionais na operadora Oi, da qual é a maior acionista.

A Pharol tem como principal ativo uma participação de 27,5 por cento na Oi. Detém ainda os cerca de 900 milhões de euros de dívida em 'default' da Rioforte, do falido Grupo Espírito Santo, e opções de compra sobre 47,4 milhões de ações ordinárias da Oi e 94,9 milhões de ações preferenciais.

Embraer
A Embraer disse que está animada com a possibilidade de vender E-Jets para portuguesa TAP, adquirida ontem pelo consórcio Gateway, integrado pelo empresário David Neeleman, dono da brasileira Azul. A TAP tem 77 aviões, sendo 61 Airbus e oito aeronaves da Embraer.  

Gerdau 
Gerdau (GGBR4) faz hoje em Nova York o Gerdau Day para investidores e analistas. Em teleconferência realizada no início de maio por ocasião da divulgação do balanço do primeiro trimestre, o presidente da companhia, André Gerdau Johannpeter, afirmou que alguma melhora na demanda de aço no Brasil deverá acontecer no segundo semestre do ano, mas "nada muito grande".

Telecomunicações
Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) estuda a possibilidade de terminar o regime de telefonia fixa sobre concessões. A Anatel resolveu fazer um pente-fino e analisar o equilíbrio econômico-financeiro das concessões e o estudo será concluído nos próximos 60 dias. A telefonia fixa é o único serviço prestado sob regime de concessão, em que o governo fixa tarifas e obrigações de continuidade e universalização que as empresas devem cumprir. 

TIM 
O conselho de administração da TIM Participações (TIMP3) aprovou os contratos de fornecimento de equipamentos e de prestação de serviços firmados com a Italtel para dois projetos. De acordo com comunicado enviado ao mercado, o valor fechado pelo acordo foi de R$ 13,911 milhões. Os contratos foram aprovados em reunião realizada na última quarta-feira.

AES Tietê 
No setor elétrico, a AES Tietê (GETI3; GETI4) faz teleconferência sobre a reorganização societária em que será incorporada pela controladora Brasiliana. 
No início da semana, o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da AES Tietê, Francisco José Morandi Lopez, em entrevista ao Broadcast, afirmou que a reorganização societária da Brasiliana, com a separação da geradora AES Tietê do restante dos ativos da holding, deverá acelerar o processo de crescimento desta empresa.

"Essa reorganização societária consegue trazer a possibilidade de avançar nas análises de algumas oportunidades que já estavam em estudo e traz maior flexibilidade, caso considere algumas das potenciais aquisições que estão sendo conhecidas pelo mercado", disse, na ocasião.

Gol
A agência de classificação de riscos Standard & Poor’s alterou a perspectiva dos ratings de crédito corporativo atribuídos à Gol (GOLL4), de estável para negativa. Também foi rebaixado o rating de crédito corporativo na Escala Nacional Brasil, de 'BBB' para 'BB', com perspectiva negativa. Foram reafirmados os ratings ‘B’ na escala global da empresa. 
"A alteração da perspectiva dos ratings na escala global reflete nossas expectativas de que o enfraquecimento do real em relação ao dólar impactará as métricas de crédito da empresa", explicou a equipe de análise da agência.

BM&FBovespa
As reuniões promovidas pela BM&FBovespa (BVMF3) para a discussão do programa lançado para aprimorar a governança corporativa de estatais teve ampla participação dos players do mercado, assim como de algumas companhias de capital misto já listadas, disse nesta quinta-feira, 11, Patrícia Pellini, gerente de Regulação e Orientação a Emissores da BM&FBovespa, em evento sobre governança corporativa que ocorre em São Paulo.

O período de audiência restrita teve início no fim de abril e irá até o fim deste mês, sendo que no dia 30 de junho está programado que sejam divulgados os resultados dessas reuniões, assim como as regras a serem seguidas pela empresa que ingressar no programa. A partir dessa data as companhias estatais e de capital misto interessadas poderão ingressar no programa. Vale lembrar que a adesão será feita de forma voluntária.

Triunfo
O conselho de administração da Triunfo (TPIS3) aprovou a contratação de empréstimo de R$ 200 milhões para Portonave junto ao Banco Santander (SANB11) e Banco BTG Pactual (BBTG11).

OdontoPrev
A OdontoPrev (ODPV3) anunciou hoje (11) pagamento de dividendos em comunicado ao mercado e aos acionistas, que serão pagos no dia 7 de julho.

As ações, que virarão ex a partir desta sexta-feira (12), serão distribuídas a R$ 0,018. O valor dos juros sobre o capital próprio está sujeito ao imposto de renda na fonte à alíquota de 15%, menos para os acionistas comprovadamente isentos ou imunes, ou acionistas domiciliados em países para os quais a legislação estabeleça alíquotas diversas.

Via Varejo
A Via Varejo (VVAR11) foi rebaixada para market perform (desempenho em linha com a média) pelo Itaú BBA.

Além disso, a companhia foi rebaixada de compra para manutenção pelo Santander em relatório revisando o setor de varejo. Ao mesmo tempo, o banco manteve recomendação de compra para as ações da Lojas Americanas (LAME4), Raia Drogasil (RADL3) e Pão de Açúcar (PCAR4).

Santos Brasil
A Santos Brasil (STBP11), maior operadora brasileira de terminais portuários de contêiners, vai analisar todas as oportunidades para contêiners e veículos dentro do programa de arrendamentos, cuja lista foi relançada pelo governo na terça-feira, segundo informações do Valor. Os projetos visados pela empresa são no Norte e Nordeste. 

 

Contato