Em mercados / acoes-e-indices

Petrobras deve cortar investimentos em US$ 75 bi, Gerdau elevada e mais 17 no radar

Nos destaques aparece a Petrobras dizendo que não há qualquer decisão sobre desinvestimento envolvendo sua subsidiária BR Distribuidora, três revisões de recomendação, além do grupamento das ações da Rumo

Petrobras - Bloomberg
(Bloomberg)

SÃO PAULO - O último pregão do mês deve ser bastante movimentado, com diversas notícias de blue chips, recomendações de ações, entre outros.  Nos destaques aparece a Petrobras dizendo que não há qualquer decisão sobre desinvestimento envolvendo sua subsidiária BR Distribuidora e notícias de que pode haver corte de investimentos na estatal, possível novidade sobre a renovação de contratos das distribuidoras,  notícias sobre o setor de construção civil, além do grupamento das ações da Rumo. Confira abaixo as principais notícias do dia: 

Petrobras
D
e acordo com informações do jornal O Globo, o novo plano de negócios da Petrobras (PETR3PETR4para o período 2015-19 deve somar US$ 145 bilhões, US$ 75 bilhões abaixo dos US$ 220,6 bilhões de 2014-18, afirmou o jornal, citando fonte não identificada do setor.

O novo plano deve ser anunciado em junho. Até agora, já havia anunciado que investiria US$ 30 bilhões em 2015 e US$ 25 bilhões em 2016.

Ontem, respondendo ao pedido de esclarecimento da BM&FBovespa, a Petrobras afirmou que não há qualquer decisão de desinvestimento envolvendo a BR Distribuidora. ""Fatos julgados relevantes sobre este tema serão tempestivamente comunicados ao mercado"", disse a estatal em comunicado enviado à imprensa. A consulta da Bovespa vem logo após as notícias indicarem a possibilidade da Petrobras realizar a abertura de capital da da BR Distribuidora no 2º semestre deste ano, como forma de captar recursos para equilibrar seu preocupante endividamento.

Em outro comunicado, a companhia disse, também nesta noite, que usará os R$ 4 bilhões que serão captados com a emissão de debêntures para bancar o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), uma das principais obras investigadas pela Operação Lava Jato. Orçado em US$ 13,5 bilhões, o projeto foi suspenso sem a conclusão da primeira fase, em janeiro, diante da escassez de recursos da companhia. Agora, a estatal quer levantar mais recursos, com rentabilidade "incentivada", para cobrir custos já executados e outros investimentos estratégicos.

Além disso, foi informado nesta noite que o Grupo Schahin, uma das companhias investigadas pela Operação Lava Jato, que está em recuperação judicial, irá ingressar imediatamente com ações nos tribunais brasileiros contra decisão da Petrobras de encerrar contratos de afretamento e serviços de cinco navios/plataformas.

A companhia comunicou também, em carta aos distribuidores de gás natural, que irá encerrar, até o fim deste ano, uma política de descontos vigente desde 2011, disse à Reuters nesta quinta-feira a Associação das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás). A política de incentivo ao consumo do gás produzido no país evita a escalada de preços do combustível ao dar descontos nos contratos de venda às distribuidoras. Os reajustes, de acordo com a assessoria de imprensa da Abegás, em tese permanecerão trimestrais e os descontos serão zerados até dezembro.

Telefônica
A Telefônica Brasil (VIVT4) concluiu ontem a compra da GVT, ao aprovar em Assembleia Geral Extraordinária a ratificação do contrato de compra e venda com a Vivendi. A empresa pagou parte do valor total, equivalente a € 4,663 bilhões (cerca de R$ 16 bilhões), incluindo assunção de dívida, em recursos financeiros levantados por meio de aumento de capital, e parte em emissão de ações da nova companhia, equivalentes a 12% do capital social da empresa.

A AGE da companhia elegeu Amos Genish para liderar o processo de integração das duas empresas. Ele assume o cardo de presidente da empresa, além de tornar-se membro do Conselho de Administração.

A Vivendi disse nesta sexta-feira que contabilizará 4,2 bilhões de euros de ganhos antes de impostos com a venda da operadora de banda larga brasileira GVT, o que ajudará a empresa a pagar dividendos intermediários. 

A companhia disse que também recebeu uma fatia de 12% na Vivo, da Telefônica Brasil, e que trocará 4,5% por 8,3% das ações ordinárias da Telecom Italia nas próximas semanas. 

Gerdau
A Gerdau (GGBR4) teve sua recomendação elevada de marketperform (desempenho em linha com a média do mercado) para outperform (desempenho acima da média do mercado) pelo Bradesco BBI. Contudo, o preço-alvo foi reduzido de R$ 15,50 para R$ 13,00. 

Com base na estimativa de Ebitda em R $ 4,7 bilhões para 2015 (anteriormente R$ 5 bilhões), a Gerdau seriam negociadas a um múltiplo entre o valor da empresa e o Ebitda de 6,5 vezes este ano, mais ou menos em linha com a sua média histórica de 6,9 vezes.

"Em nossa opinião, o pessimismo sobre a demanda de aços longos já está precificado e isso deve mostrar um bom ponto de entrada". O Bradesco BBI destaca que a Gerdau está enfrentando um mercado desafiador no Brasil, com a demanda por aços longos atingida pelo mercado imobiliário lento, bem como um abrandamento dos investimentos em infraestrutura.

Com isso, os analistas atualizaram os números para refletir uma perspectiva mais pessimista para volumes em 2015 (de queda de 8% na base de comparação anual) mas também incorporaram fatores positivos que devem compensar este efeito. Estes fatores são: (i) redução de custos (como fechar usinas ineficientes no Brasil); (ii) aumento do poder de fixação de preços, dadoo real mais depreciado, e (iii) uma revisão para baixo no capex para a Gerdau como um todo.

Restoque
A Restoque (LLIS3) teve recomendação reiniciada pelo Itaú BBA. A recomendação é outperform  e um preço justo de R$ 10,00 por ação. "Depois de um turbulento 2014, em que a Restoque fechou um grande e transformador negócio e lançou uma nova marca em meio a um cenário instável de crescimento na venda nas mesmas lojas, estamos retomando a nossa cobertura".

Para os analistas, a dinâmica da Restoque oferece uma história construtiva que vale a pena revisitar. "Esperamos uma empresa renovada após a integração da Dudalina. Em nossa opinião, a Dudalina dá oportunidades de melhoria operacional em toda a linha, ao trazer de volta para a Restoque mais estabilidade financeira. (...)  É esperado que a Restoque embarque em uma nova fase, que dependerá de uma abordagem mais disciplinada para expansão, uma visão atualizada sobre os canais de vendas e um foco em capital de giro", ressalta o Itaú BBA. 

Direcional
Os analistas do Itaú BBA rebaixaram a recomendação das ações da Direcional (DIRR3) para marketperform (desempenho em linha com a média do mercado), destacando a reunião que tiveram com diretores da companhia, que traçaram um cenário conservador, com restrições orçamentárias do governo afetando o andamento de projetos do programa Minha Casa Minha Vida. 

"Acreditamos que os ganhos da Direcional vão piorar no curto prazo antes de começar a melhorar, com as incertezas atuais e os atrasos na transferência de recebíveis no programa MCMV adicionando risco negativo para as nossas projeções. Depois, atualizamos as nossas projeções para a empresa e rebaixamos a Direcional para market perform (a partir de outperform) e definindo um novo valor justo de R$ 6,70 por ação", destacam.

Elétricas
Distribuidores de energia aguardam para sexta-feira a publicação de decreto do governo federal que trata da renovação de concessões do setor, para que o texto possa ser debatido antes do fim da concessão de algumas empresas, afirmou nesta sexta-feira o presidente da entidade que representa o segmento, Abradee, Nelson Leite. A partir de julho começam a vencer as concessões de distribuidoras dos grupos Eletrobras (ELET3ELET6), Energisa (ENGI3ENGI4), CPFL Energia (CPFE3) e de empresas estaduais como CEB, Celesc (CLSC4), Copel (CPEL6) e outras.

A renovação das concessões é um debate que vem sendo travado pelo governo federal e setor há alguns anos. Na quarta-feira, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, afirmou que o decreto sairia nos próximos dias.

Eletrobras - parte 2
Além disso, entra no radar da Eletrobras a notícia de que o governo pretende se desfazer de participações da empresa em Sociedades de Propósito Específico (SPE), que, embora tenham a estatal como sócia, funcionam como empresas privadas. Por serem independentes, são menos sujeitas ao controle financeiro, mas, ainda assim, estão no foco do Tribunal de Contas da União (TCU), que, em acórdão, destacou "a má gestão dos recursos públicos aplicados por meio das SPEs", conforme publicou o jornal O Estado de S. Paulo, em dezembro. 

secretário de Planejamento e Desenvolvimento do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura, disse que a venda dos ativos está sendo tratada pelo ministro Eduardo Braga e deve ser acompanhada de perto pela presidente da República, Dilma Rousseff. Braga já havia anunciado, na quarta-feira, 27, a intenção de promover um plano de venda de ativos na Eletrobras, para melhorar as condições financeiras da empresa, principalmente depois da redução da tarifa de energia, em 2012, como efeito da Medida Provisória 579.

 

Educação
Segundo a coluna Radar, da Veja, o Ministério da Educação vai liberar R$ 1,1 bilhão para quitar débitos do Fies. 

QGEP
A QGEP Participações (QGEP3) anunciou que o segundo poço de extensão confirmou o potencial da descoberta de Carcará, situado no Bloco BM-S-8, na Bacia de Santos, identificando acumulação de óleo leve (31° API) nos reservatórios do pré-sal.

O poço 3-SPS-105 (3-BRSA-1290-SPS), informalmente conhecido como Carcará Norte, comprovou a extensão para norte da descoberta de óleo leve (31° API), em reservatórios carbonáticos de excelente qualidade, situados logo abaixo da camada de sal, a partir da profundidade de 5.820 metros.

Ao término da perfuração está prevista a realização de um teste de formação para avaliar a produtividade dos reservatórios. Ainda em 2015 está programada a continuidade da perfuração do primeiro poço de extensão, Carcará Noroeste, prosseguindo com as operações previstas no Plano de Avaliação.

Prumo
Após disparar 18% "misteriosamente" no pregão da última quinta-feira (28), a Prumo Logística (PRML3) revelou que está em negociações avançadas com potenciais parceiros societários e comerciais, envolvendo o seu terminal de movimentação de petróleo e multiuso. Com a alta, os papéis da companhia bateram hoje o maior patamar de fechamento desde dezembro de 2014, a R$ 0,51. 

No comunicado enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a companhia esclarece, no entanto, que não tem conhecimento de ato ou fato relevante que possa justificar essa disparada dos papéis neste pregão. A companhia disse que ainda que, conforme informado em 10 de abril, continua em negociações avançadas com os bancos credores para alongar o perfil da dívida da companhia. Além disso, ela comunicou que estuda outras formas de obtenção de recursos para implementação do seu plano de negócios. 

A Prumo comunicou que manterá seus acionistas e o mercado informado sobre qualquer novo evento ou fato relacionado a conclusão dos eventos citados acima. 

Usiminas
A Usiminas (USIM5) vai iniciar negociação com sindicatos para reduzir a jornada de trabalho de funcionários administrativos do grupo siderúrgico em um dia por semana, em uma medida inédita na história da empresa tomada para preservação de postos de trabalho e após decisão de desligamento de dois altos-fornos a partir do final deste mês. A proposta envolve 3.000 funcionários administrativos na Usiminas, Usiminas Mecânica, Soluções Usiminas e Mineração Usiminas. A empresa emprega no total 20 mil trabalhadores. A empresa não soube informar por quanto tempo a medida será necessária.

Construção civil
A indústria da construção civil vê a terceira fase do Minha Casa Minha Vida como capaz de trazer algum alívio para as empresas do setor que passa por milhares de demissões e queda de vendas e lançamentos, mas quase um ano depois do anúncio da nova edição, os detalhes do programa habitacional federal ainda não foram definidos. 

Entre as construtoras e incorporadoras, os lançamentos do primeiro trimestre dentro do Minha Casa Minha Vida foi o "menor de todos os tempos", segundo o presidente do Conselho de Administração da MRV Engenharia (MRVE3) e presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras (Abrainc), Rubens Menin. Na MRV, cuja maioria dos empreendimentos se aplica ao programa, os lançamentos caíram 19 por cento na comparação anual, a 937 milhões de reais. Entre janeiro e março, a Cyrela (CYRE3) não assinou nenhum contrato de MCMV Faixa 1, assim como no ano passado. Já na Direcional Engenharia (DIRR3), o volume lançado na Faixa 1 caiu 96,4 por cento no período.

BC muda regras do compulsório para impulsionar crédito imobiliário

Triunfo
A Triunfo (TPIS3) comunicou ao mercado que o Tribunal Regional Federal da 2ª Região, em sede de Agravo de Instrumento, conferiu efeito suspensivo ativo à decisão liminar proferida em Ação Civil Pública, ajuizada pelo Ministério Público Federal, que determinava a redução da tarifa de pedágio de R$9,00 para R$8,00, em sua controlada Concer. Desta forma, a partir das 16h20 desta quinta, a tarifa de pedágio da Concer voltou para o seu valor legal de R$ 9,00. A Triunfo disse que manterá seus acionistas e o mercado informados sobre qualquer outro fato acerca do processo.

Paranapanema 
A Paranapanema (PMAM3) anunciou a contratação da Brasil Plural Corretora para exercer a função de formador de mercado de suas ações. O contrato terá duração de um ano, podendo ser prorrogado automaticamente por mais um ano caso não haja manifestação contrária de qualquer das partes, informa a a produtora de cobre refinado em fato relevante divulgado nesta quinta-feira (28).

Banpará
O Banpará (BPAR3) informou nesta noite que seu presidente do conselho de administração, José Barroso Tostes Neto, renunciou ao cargo.  

Lopes Brasil
A Lopes Brasil (LPSB3) informou que o Grantham, Mayo & Van Otterloo passou a ter
5,0088% das ordinárias, configurando participação relevante na companhia.

 Rumo Logística
A administração da Rumo Logística (RUMO3) apresentou uma proposta de grupamento de ações na proporção de 10 para 1. A proposta será votada em Assembleia a ser realizada no dia 12 de junho de 2015.

"Propomos que as ações 2.990.159.559 ordinárias representativas do capital social da companhia sejam grupadas à razão de 10 ações para 1, com o objetivo de adequar a faixa de preço das ações da Companhia, em alinhamento com as recomendações da BM&FBovespa, de forma a reduzir a volatilidade de suas ações decorrente de um preço muito baixo por ação, uma vez que pequenas oscilações em preço representam variações percentuais elevadas", destaca a companhia.

Dasa
O fundo de pensão Petros, dos funcionários da Petrobras faz reclamação na CVM para impedir voto da controladora Cromossomo pela saída do Novo Mercado da Dasa (DASA3) em AGE de 8 de junho.

(Com Reuters e Agência Estado)

 

Contato