Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa sobe mais de 1% e entra em "bull market"; Vale tem alta de 9%

Em início de temporada de resultados, índice têm nova alta; Nasdaq chegou ontem em patamar mais alto do que o do auge da Bolha da Internet

Ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa opera em alta nesta sexta-feira (24) e já sobe 20% em relação ao seu fundo no ano aos 46.907 pontos no fechamento do dia 30 de janeiro. Com isso alguns analistas já veem a configuração de um "Bull Market" (mercado bom para os compradores) caso se confirme a alta no fechamento de hoje. Entre as principais altas está a Vale, que em três pregões já "engole" toda a queda que começou em fevereiro. No cenário externo, ontem, o Nasdaq fechou a 5.056 pontos, superando o recorde atingido em março de 2000 no auge da Bolha da internet.

Às 13h03 (horário de Brasília) benchmark da Bolsa brasileira subia 1,61%, a 56.583 pontos, enquanto o dólar comercial tinha mais uma queda, apresentando variação negativa de 0,65%, a R$ 2,9614 na compra e a R$ 2,9622 na venda. 

De acordo com o analista técnico da Guide Investimentos, Lauro Vilares, o Ibovespa está rompendo hoje a resistência dos 56 mil pontos, de modo que continua a tendência de alta iniciada desde que ultrapassou os 52 mil pontos. Na sua opinião, isso vai abrir espaço para mais altas, de modo que o próximo objetivo seria os 58.300 pontos ou os 58.900 pontos seguindo a regra dos últimos três movimentos do índice, que foi subir entre 9% e 10% antes de iniciar um período de leve correção. 

Vale e Petrobras disparam
As ações da Petrobras (PETR3; PETR4) subiam. A companhia divulgou na quarta-feira (22) o seu balanço auditado para o exercício de 2014, no qual registrou um prejuízo de R$ 21,587 bilhões, causado principalmente pelas perdas de R$ 44,63 bilhões por desvalorização de ativos e de R$ 6,194 bilhões com corrupção. Apesar do balanço mostrar um forte prejuízo, investidores se animaram com a transparência mostrada pela gestão do presidente da companhia, Aldemir Bendine. 

O CEO da companhia destacou que a Petrobras irá adotar parcerias como a do Banco do Brasil (BBAS3) para a redução de alavancagem. Assim, a diretoria prepara uma série de medidas para reforçar a estrutura de capital, como a venda de ativos e a realização de parceria com empresas privadas para valorização e monetização dos ativos da empresa. Um modelo de parceria mencionado foi o que resultou no BB Seguridade (BBSE3), que criou uma empresa privada, sem a gestão de estatal, mas com o controle do BB. 

Para a equipe de análise da XP Investimentos, com essas declarações já se pode vislumbrar a abertura de capital da BR Distribuidora.

Já as ações da Vale (VALE3; VALE5) eram o principal destaque de alta do pregão seguindo as elevações do preço do minério de ferro. A commodity com 62% em Qingdao disparou 5,5%, a US$ 57,81, o maior nível desde 16 de março e já tem alta de 13,5% na semana. Já o indicador do preço do minério para entrega imediata no porto de Tianjin subiu 5,9%, para US$ 57, nesta sexta-feira, o maior nível desde os US$ 57,60 registrados em 17 de março, segundo o The Steel Index.

Para Lauro Vilares da Guide, a alta da mineradora se sustenta e o ativo ainda não está tão caro assim, já que apesar de já subir 26% no mês, seu desempenho anual ainda está em 1% de alta contra 13% de valorização do Ibovespa. No entanto, para os próximos dias, realizações seriam naturais, com recuos até bem fortes como de 8%, por exemplo. "É um ativo que ganhou muita volatilidade", explica. 

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 VALE3 VALE ON EJ 22,99 +9,01
 ELET3 ELETROBRAS ON 7,46 +8,12
 VALE5 VALE PNA EJ 18,61 +6,10
 PETR3 PETROBRAS ON 14,77 +5,05
 BRAP4 BRADESPAR PN 12,59 +4,74

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

 

Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 RENT3 LOCALIZA ON 36,95 -2,76
 BRPR3 BR PROPERT ON 11,89 -2,14
 PDGR3 PDG REALT ON ES 0,51 -1,92
 BRFS3 BRF SA ON 61,21 -1,75
 CCRO3 CCR SA ON ED 16,27 -1,69
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

 

Europa sobe com resultados, mas Xangai devolve ganhos
Depois de uma longa sequência de altas que levaram a Bolsa de Xangai a renovar máximas em sete anos, o índice da bolsa chinesa teve uma leve baixa de 0,46% nesta sexta-feira (24) depois que o regulador de títulos mobiliários do país disse que irá acelerar a aprovação de ofertas públicas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês), num aparente esforço de resfriar o quente mercado. 

Mais tarde, o órgão fiscalizador do mercado acionário chinês aprovou uma nova série de 25 IPOs, e disse que publicará duas listas de ofertas públicas iniciais aprovadas por mês, ante uma atualmente. Isso mostra que "reguladores estão preocupados com o ritmo do rali atual do mercado", disse o analista da Guodu Securities Xiao Shijun. "Isso trará alguma pressão no curto prazo ao mercado."

O índice Nikkei, do Japão, encerrou com queda de 0,8% após atingir uma máxima de 15 anos na quinta-feira, mas ainda acumulou alta de 1,9% na semana.

Na Europa, por outro lado, a sessão é de alta generalizada com resultados de empresas e espera pela reunião dos ministros das finanças da zona do euro. A Grécia fica sob observação, já que está ficando sem caixa e precisa de mais um resgate para conseguir pagar as suas dívidas, salários e aposentadorias. O Ministro das Finanças grego, Yannis Varoufakis, foi duramente criticado por seus pares por sua recusa a medidas para reformar a economia, segundo disseram fontes à Bloomberg. 

Em Wall Street na quinta-feira, o índice Nasdaq superou seu recorde anterior de março de 2000, no auge da bolha da Internet.

 (Com Reuters)

 

Contato